Acompanhe nas redes sociais:

13 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 862 / 2016

15/03/2016 - 08:19:46

Coluna Jorge Oliveira

A Casa de Noca

Jorge Oliveira

Brasília - Em meio a decadência política e econômica, fruto dos desmandos que levam o país  à maior crise moral da sua história, um fato, que seria irrelevante em outro momento, agora chama a atenção: o deslocamento da Dilma em avião presidencial em missão não oficial. Os partidos políticos abriram os olhos e decidiram entrar com ação na Procuradoria Geral da República para que ela devolva aos cofres públicos as despesas geradas pelo seu passeio de fim de semana a São Paulo para prestar solidariedade ao Lula, envolvido no escândalo de corrupção da Lava Jato.

Não é a primeira vez que a presidente corta os céus do Brasil usando o avião presidencial e toda estrutura que requer o seu deslocamento em viagens inúteis e desnecessárias. Antes de se deslocar para São Bernardo, onde foi encontrar o amigo Lula e se incorporar aos manifestantes petistas que gritavam palavras de ordem contra a Justiça, a Dilma inventou uma viagem para o Chile sob pretexto de discutir assuntos econômicos naquele país. Na verdade, ela quis se ausentar do Brasil, a um custo alto para as finanças combalidas do país, apenas para não ter que ir à festa de aniversário do PT em São Paulo, onde certamente seria hostilizada.

Enquanto a Dilma não for interditada por meios legais, o país ainda vai pagar uma conta muito cara por mantê-la na Presidência da República. Ela afundou a economia, é rejeitada por mais de 90% da população, acusada de envolvimento na Lava Jato e governa o país como uma desmiolada, alienada, alheia aos sérios problemas que afetam os brasileiros. Amparada pelo staff do Lula, muitos deles também envolvidos em escândalos de corrupção, ela deixou de governar e assiste o circo pegar fogo de camarote.

Na sua concepção lunática dos problemas, ela não vê irresponsabilidade nem  incompetência na condução do país. A Dilma, gente, é assim mesmo: psicótica, uma pessoa de comportamento e pensamento confusos. Vive em um mundo de delírio que ela própria criou. Brinca de fazer reuniões, tem mania de cortar os mares com o aviãozinho oficial como se fosse de sua propriedade, mente para si própria dizendo-se honesta e ignora tudo que se passa ao seu redor. Como os seus sinais de confusão mental são cada vez mais evidentes, não devemos culpá-la por essa insanidade isoladamente.

Os poderes da República também estão doentes. É  disso que a presidente se aproveita para permanecer vagando como um zumbi. Na Câmara, o presidente Eduardo Cunha sofre da mesma patologia. Está envolvido até o pescoço com as maracutaias da Lava Jato, mas também vive no mundo da lua. A sua participação nos escândalos enfraquece o Parlamento e inibe uma posição política mais consequente em relação ao impeachment da Dilma. O Judiciário, coitado, está vulnerável. Foi citado algumas vezes por políticos que apontaram ministros do STF e do STJ em conversas não tão nobres e muito menos republicanas com o Executivo. E o pouco que resta dessa Justiça está no Paraná. Em Curitiba, a equipe do Ministério Público tenta botar os larápios afortunados na cadeia, mas os militantes petistas, ressentidos com a convocação do Lula para depor, agora tentam atacar o juiz Sergio Moro, denegrindo a sua imagem pela rede social como se isso fosse inocentar o chefe deles. 

Ética

Ora, como o país vive  a sua pior crise moral, devemos, todos nós, preservar o que ainda existe de ética. E a ética fez moradia em Curitiba, para onde são levados os ladrões do dinheiro público. Os blogueiros chapas-brancas e a rede social petista começaram uma campanha de difamação contra os membros do MPe o juiz Moro, magoados com a intimação do chefe para depor como se ele tivesse acima da lei. 

Levante-se

Você, só você, é responsável por essa mudança. Se ficar em casa palitando os dentes, vai chegar o momento que até o palito vai faltar. Portanto, levante-se, vá à luta pelos seus direitos para banir de vez essa corja que se instalou no poder e destroçou a economia do país acabando com o seu emprego. E aí, você ainda tem dúvida que a Dilma transformou o Brasil na Casa de Noca?

Delação

É simplesmente estarrecedora a deleção premiada do senador Delcídio do Amaral ao Ministério Público. O parlamentar – que até pouco tempo estava preso – destrincha com minúcias como a quadrilha petista chefiada por Lula e Dilma agiu nos bastidores para frear as investigações do mensalão, e como cooptaram um ministro do STJ para soltar os empresários envolvidos na operação Lava Jato. O senador, que conviveu com o poder na intimidade, não deixa pedra sobre pedra. Em um país sério, tanto Dilma como Lula já estariam na cadeia.

Até o gogó

Delcídio do Amaral fez a delação a um grupo de procuradores. E a revista IstoÉ traz nas suas páginas, com exclusividade, o depoimento do político ilustrado com páginas do documento original. O que os brasileiros apenas ouviam falar, agora, virou fato incontestável pela boca do ex-líder do PT no Senado. Amaral responsabiliza a presidente pela compra da refinaria de Pasadena, que deu um prejuízo de quase 1 bilhão de dólares à Petrobras, e diz que Lula comprou o silêncio de Marcos Valério por 220 milhões de reais, em um negócio que teve a intermediação do ex-ministro Palocci.

Pressão

Amaral acusa a Dilma de interceder na Operação Lava Jato para salvar os amigos empreiteiros do PT, desmascarando-a. Conta, por exemplo, que partiu dela a pressão contra os ministros do STJ e do STF. Assim é que Marcelo Navarro, ministro do STJ,  relator do processo, atendeu o pedido da presidente para mandar soltar Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo.  O habeas corpus foi expedido pelo magistrado, mas a operação foi abortada por seus colegas que viram na medida um “arranjo” de bastidores para soltar os principais responsáveis pelo rombo nos cofres públicos.

 Imoralidade

Delcídio do Amaral detalha com precisão como a quadrilha se organizou dentro do Palácio do Planalto sob a batuta de Lula e Dilma para dissecar o dinheiro público, criar falcatruas nas empresas, fraudar licitações e apoiar os petistas envolvidos no roubo das principais estatais brasileiras. Conta, por exemplo, que não foi casual o encontro da Dilma com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski em Portugal. A presidente pressionou o ministro a encontrar soluções que evitassem o envolvimento de Lula e seus parceiros petistas na Lava Jato. Pediu-lhe, inclusive, para soltar os empreiteiros que, presos, poderiam apontar Lula como cúmplice da camarilha.

Cara de pau

O senador desnuda a santa do pau oco quando diz que foi responsabilidade dela a nomeação de Nestor Cerveró para uma diretoria da BR Distribuidora. Ela própria, segundo o parlamentar, é que lhe deu a notícia por telefone.  E o mais grave: quando presidiu a CPI dos Correios, Amaral confessou aos procuradores que presenciou “tratativas ilícitas para a retirada do relatório final dos nomes de Lula e do seu filho Fábio em um acordão com a oposição”.

Prepotência

Segundo ele, por três vezes a Dilma tentou interferir na Lava Jato, sempre com a ajuda do ex-ministro a Justiça, José Eduardo Cardozo. “É indiscutível e inegável”, disse, “a movimentação sistemática do ministro e da própria presidente Dilma no sentido de promover a soltura de réus presos na operação”.

Às ruas

O depoimento de Delcidio do Amaral tem um peso maior quando se sabe que ele foi da cozinha do Planalto, falava em nome do governo no Senado. Tinha acesso livre ao Planalto, ao Alvorada e a todas as negociatas da trupe petista. Mas se você se indignou como eu, um reles mortal, com mais esse escândalo, não seja otimista porque nada acontecerá enquanto a população não for às ruas. Precisamos apelar para as cortes internacionais para condenar os nossos larápios, como a fez a Justiça francesa com Paulo Maluf, procurado em mais de 120 países do mundo. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia