Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 862 / 2016

15/03/2016 - 08:16:50

Sururu

O desabafo de Sapucaia

Da redação

1 - O desembargador aposentado Antônio Sapucaia é a única voz do Judiciário alagoano a condenar o auxílio-moradia para magistrados que têm casa própria, que ele chama de “indecência”.

2 – Para Sapucaia, o projeto de lei encaminhado à Assembleia Legislativa pelo TJ para legalizar o auxílio-moradia é uma indecência; uma malandragem.

3 – Em artigo publicado na Gazeta de Alagoas, no último dia 10, Sapucaia diz que o auxílio-moradia é um disfarçado aumento de salário de juízes e desembargadores.

4 – “Essa excrescência” – diz Sapucaia – “chega ao Legis-lativo no momento em que as mais diversas classes de servidores clamam por melhora salarial, com justa razão, clamores esses que têm sido inúteis, à vista da situação por que passa o Estado e o resto do Brasil”.

5 – Por fim, Sapucaia faz um apelo aos deputados: “É sabido por todos que, quase sempre a Assembleéia Legislativa age impulsionada pelo é dando que se recebe. Mas desta vez, todos esperam que os senhores deputados tenham a coragem moral de repudiar a matéria originária do ventre do TJ, que parece contaminado por microcefalia, causada pelo mosquito da incerteza, da indecência e da ganância”. 

Capital político

Afora alguns episódios pontuais, o prefeito Rui Palmeira consolidou sua condição de político ficha-limpa pelo zelo que tem demonstrado até agora na gestão dos recursos públicos. 

Ser um gestor honesto no Brasil de hoje, mais que um dever de cidadania, é exigência de uma sociedade cansada de tanta corrupção e roubalheira. 

Mas se não selecionar melhor seus aliados para as eleições deste ano, o prefeito pode comprometer esse valioso capital político, tão escasso no país do “mensalão” e do “petrolão”. 

Folha corrida

Ao mudar sua equipe de governo, o prefeito Rui Palmeira deveria ao menos pedir a folha corrida dos novos aliados. Se o fizesse, saberia que o Dr. Sapinho, novo secretário de Esportes, tem em seu currículo uma condenação por improbidade administrativa. 

Em nome de Jesus

Foi o Dr. Sapinho quem construiu o “Monumento ao Milenium” para comemorar os “2000 anos de nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo”. De tão inútil, o monstrengo foi logo batizado de “monumento à safadeza”. Em nome de Jesus o Dr. Sapinho meteu a mão na cumbuca do erário e, apesar de condenado, volta à gestão pública. 

Culpa dos pobres

Ao tentar justificar a sua condenação por improbidade, Dr. Sapinho  insinuou que a decisão judicial foi uma discriminação contra os pobres: “Não houve condenação por  superfaturamento. O que se condenou foi o fato de o monumento ter sido construído em local de pobreza”. 

Tem jeito?

São Miguel dos Campos 

Jô Clemente, presidente da Câmara Municipal de Vereadores de São Miguel dos Campos, é hoje o mais forte pré-candidato à sucessão do tio George Clemente. Pode enfrentar, nas urnas, o ex-prefeito e usineiro Nivaldo Jatobá. 

Dando as cartas 

O deputado federal Ronaldo Lessa se antecipou ao senador Renan Calheiros na hora de confirmar seu apoio à  reeleição de Rui Palmeira. A decisão de Lessa pressiona o presidente do Congresso Nacional a manter o “Chapão” unido.

Ameaça bandida

Tão logo foi anunciada na quarta (9) a decisão do Supremo que impede membros do Ministério Público de exercerem cargos no Executivo, a bandidagem em Alagoas ocupou as redes sociais para comemorar. E mais, dirigiu palavras ameaçadoras ao ainda secretário de Segurança Alfredo Gaspar de Mendonça. 

Em seu perfil no Facebook um tal de Baba Tei-xeira avisa: “fio da pexte (sic) fique ligero (sic) agora porque a parada ficou quente”.

Termômetro 

Por baixo, isolado politicamente, o deputado federal Cícero Almeida pode nem sair candidato a prefeito, como ele anda falando aos quatro ventos. Sem o apoio do PMDB, seu grande sonho, uma campanha sem tempo de TV inviabilizaria suas chances de êxito. 

Xadrez

A última eleição municipal para prefeito em Maceió foi plebiscitária: ou se votava no Rui Palmeira ou em ninguém. A dose tem tudo para se repetir em 2016. Méritos para os articuladores políticos que integram o “núcleo pensante” do chefe do Executivo. 

Mau dia

Nem toda mulher teve sorte no dia dedicado a elas. Neste 8 de março, a 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) negou, por unanimidade, recurso da filha do deputado Cícero Ferro, Taciane Ferro, que acusou a Polícia Federal de levar e usar um cartão de crédito dela. No dia 6/12/2007, Taciana foi presa por agentes da PF na Operação Taturana havia acusou os agentes federais de surrupiarem seu cartão de crédito. 

Parece piada 

Um aliado político do prefeito afastado de São Luiz, Eraldo Pedro, o procurou e questionou: Por que o senhor não renuncia ao cargo, como o fez Toninho Lins, em Rio Largo, e vai responder pelas acusações de improbidade? O prefeito teve a coragem de responderr: “Eu não fiz nada, não sou como ele”. 

Cara de pau!

Aberração 

O Projeto de Lei “Escola Livre” que suprime os professores uma série de ações em sala de aula pode ser aprovado na Assembléia Legislativa. Em contato com o deputado e líder do governo, Ronaldo Medeiros, o presidente do Sindicato dos Professores, Eduardo Vasconcelos destacou: “Se a matéria for aprovada será um retrocesso histórico”. 

Herança tucana

O ex-governador Téo Vilela e seu ex-secretário Luiz Otávio Gomes deverão ser convocados pela Justiça estadual para explicar a lambança jurídica que envolve uma milionária disputa de terras no pólo de Marechal Deodoro.

No imbróglio entraram Banco do Nordeste, Cerâmica Portobello e mais duas indústrias do pólo. O processo já ocupa o trabalho de dois juízes e um desembargador, mas até agora ninguém decide nada.  

O caso é escabroso e se chegar ao Conse-lho Nacional de Justiça (CNJ), pode acabar nas páginas policiais. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia