Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 861 / 2016

04/03/2016 - 18:14:33

Sururu

Cabide de emprego

Da redação

1 - Criado em 1974 com a missão de produzir medicamentos para suprir o sistema de saúde pública, o Laboratório Industrial Farmacêutico de Alagoas (Lifal) é um caso raro na história da indústria no Brasil.

2 - Não se conhece nenhum outro exemplo de empresa com mercado garantido para compra de seus produtos, e ainda assim entrar em processo de falência.  

3 - O Lifal é vítima da indigência moral com que foi administrado nos últimos governos. E mais grave: alguns desses “gestores” hoje cobram uma solução do governo atual. 

4 - O Laboratório nasceu como regulador do mercado de medicamentos, mas terminou virando cabide de emprego a serviço de governantes inescrupulosos, e hoje só produz despesa.  

5- O auge dessa indigência moral ocorreu no “governo socialista” de Ronaldo Lessa e continuou durante a gestão do tucano Téo Vilela. Renan Filho herdou uma empresa quebrada e não sabe o que fazer da massa falida. 

6- Para livrar-se de mais essa sangria no combalido Tesouro Estadual, o governo não tem alternativa que não seja a extinção do órgão. Que custa mais dispêndio para o erário. 

7 - Privatizá-lo é inviável, além de contrariar os objetivos de sua criação: combater a prática abusiva de preços elevados por parte da iniciativa privada no setor de medicamentos.  

Baixaria no TJ

1 - O pau voltou a cantar no plenário do Tribunal de Justiça de Alagoas entre Elisabeth Carvalho e o vice-presidente da Corte, desembargador João Luiz Azevedo Lessa.  

2 - O quebra-pau entre os dois tem origem em decisões apressadas tomadas pela desembargadora em favor de prefeitos afastados por denúncias de corrupção. 

3 - No primeiro arranca-rabo – ocorrido depois do Carnaval  –João Luiz teria insinuado que Elizabeth agia com desonestidade. 

4- A desembargadora não gostou do que ouviu e chamou o colega de “bostinha”. João Luiz devolveu a ofensa chamando Elizabeth de “bostona”. 

5 - Na última reunião do plenário, terça-feira, 1, João Luiz soltou os cachorros contra Elizabeth Carvalho. Após ler um manifesto de 10 laudas, avisou que entrou com uma representação contra a desembargadora junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

Mordomia da toga

Todos os 113 juízes e 15 desembargadores da ativa em Alagoas têm casa própria - alguns até mansões – mas ainda assim embolsam todo mês R$ 4.377,73 a título de “auxílio-moradia”.  

É uma vergonha... 

Atrás do dinheiro

Os filhos do empresário João Lyra não desistem de tentar a interdição judicial do usineiro, o que deve acontecer ainda este mês. Eles estão de olho nas “doações” feitas por JL para alguns espertalhões, que se aproveitaram dele para tomar dinheiro e apartamentos em Maceió e em Brasília. Os filhos de JL estão de olho, principalmente, nas velhas figuras que exerciam certo poder sobre ele, como sua ex-mulher, a japonesa Sílvia Sacuno, que movimentava toda a sua fortuna desde os tempos áureos do Grupo JL, além de suas contas no exterior e de outras aves de rapina que ainda rondam o escritório do falido industrial. 

 Lulinha e Luleco

Delcídio Amaral disse à PGR que um dos temas que mais preocupa Lula hoje é a CPI do Carf e Operação Zelotes, que investigam a compra de MPs. O senador petista disse que “por várias vezes Lula solicitou a ele que agisse para evitar a convocação do casal Mauro Marcondes e Cristina Mautoni para depor”.

“Lula estava preocupado com as implicações à sua própria família, especialmente os filhos Fábio Luís e Luis Cláudio”, disse.  (Diogo Mainard) 

Faz sentido 

Esta semana o vereador José Márcio (PROS) fez um alerta na tribuna da Casa Mário Guimarães: “Em todas as cidades do Brasil existem placas para indicar quando há pardais, menos em Maceió. O pardal foi feito para educar, prevenir acidentes ou multar?”.

Brito por Brito 

Governador Renan Filho tem agido de forma discreta quando o assunto é mudança no comando das pastas estaduais. Esta semana ocorreu a primeira mudança, na verdade uma permuta: Joaquim Brito deixou a Assistência Social e foi para a Secretaria do Trabalho no lugar de Rafael Brito, que foi para pasta de Joaquim. 

Se esquivando

O deputado federal Paulão segue em silêncio sobre o possível apoio do Partido dos Trabalhadores (PT) ao pré-candidato a prefeito de Maceió Cícero Almeida, que até aqui aparece liderando as pesquisas de intenções de votos em Maceió. 

Adeus 

Uma turma do Solidariedade parece mesmo que vai ficar órfã. Com a saída de Tácio Melo da SMTT, os correligionários devem ficar mesmo é chupando dedo. Em breve a Superintendência deve ser aparelhada por outro mandatário de sigla que chegar por lá. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia