Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 860 / 2016

27/02/2016 - 09:49:47

Gabriel Mousinho

Um pé atrás

Gabriel Mousinho

Desestimulados porque não receberam os agrados que são dados por todos os governos, os integrantes da base de sustentação de Renan Filho na Assembleia Legislativa dão mostras de que este ano, no parlamento, será diferente.

Passado mais de um ano os deputados estaduais entenderam que, sem espaços nem concessões, fica muito difícil encarar uma reeleição em 2018. Afinal de contas não têm como

ajudar seus cabos eleitorais.

Até agora, segundo revelações de alguns deputados, o governador não deu o ar de sua graça, embora peça muito e ofereça pouco. Sem cargos no governo fica difícil sobreviver politicamente.

É por isso mesmo que as matérias mais importantes do Executivo podem demorar mais nas gavetas dos parlamentares. Mas este, segundo alguns, é o estilo do governador, que tudo podia com uma bancada submissa até o ano passado.

Se os deputados irão continuar metendo o pé no freio, - daí muitos defenderem as votações secretas onde as traições não irão aparecer -, só o tempo dirá. Mas com o fisiologismo que sempre norteou a Casa de Tavares Bastos, a coisa pode ficar preta daqui pra frente para o governador.

Desta vez vai?

Há quem diga de que a reforma do secretariado deve sair agora no mês de março, embora o governador Renan Filho estude uma maneira de tirar ou trocar auxiliares sem constrangê-los perante a opinião pública. Depois que criou a escolinha com notas para os titulares dos cargos, os secretários temem deixar as funções como incompetentes.

Na cola

Até agora a Receita Federal abriu 484 investigações depois da Operação Lava Jato. Ela quer saber onde anda o dinheiro roubado da Petrobras e de outras operações em curso. Com a decisão do Supremo Tribunal Federal autorizando a Receita a obter informações bancárias sem autorização judicial, a coisa vai pegar.

Primeiro eu

Mesmo com a disposição de Gilberto Kassab querer a candidatura de Cícero Almeida a prefeito de Maceió, o deputado Marx Beltrão está com a pulga atrás da orelha, como virtual presidente do PSD em Alagoas. Beltrão, que olha com bons olhos uma candidatura ao Senado, não gosta de dividir poderes.

Lava Jato

Está ficando comprovado nas delações premiadas que muitas doações de campanha foram com dinheiro roubado da Petrobras, embora os políticos teimem em dizer que tudo está dentro da lei.

As envolvidas

Se forem observadas as doações de campanha feitas em 2014 e declaradas na Justiça Eleitoral, a maioria das empresas atoladas na Lava Jato está com seus donos presos em Curitiba. UTC, Andrade Gutierrez, OAS, Engevix e Odebrecht são algumas enroladas até o pescoço. Ninguém sabe se os beneficiários também serão responsabilizados.

Tem coisa errada por aí

Quando a população vem aplaudir a polícia pela morte de marginais, alguma coisa anda errada na sociedade. Mas foi isso mesmo que aconteceu na semana passada. Pelo visto, está em plena evidência a Lei de Talião: olho por olho, dente por dente.

Olha o problema

Se comprovado crime dos que receberam a grana oriunda de corrupção, não restará pedra sobre pedra e muitos mandatos estarão seriamente ameaçados, seja no Legislativo ou no Executivo.

Faça o que digo...

Muita gente está defendendo o voto limpo, mas anda esquecida da sujeira que praticou em eleições passadas...

...não faça o que faço

de torrar dinheiro suspeito para se eleger às custas de trabalho sujo da corrupção.

Inutilidade

A Assembleia Legislativa parece querer sempre viver nas sombras. Só quer votação secreta para não se expor perante a sociedade e não mantém transparência na nomeação de cargos comissionados e seus correspondentes salários.

Tô fora

O governador Renan Filho preferiu mandar o secretário Fábio Farias para representá-lo no início dos trabalhos legislativos. Não queria receber pressão sobre o pedido de aumento do duodécimo dos outros poderes.

De mal a pior

Mesmo que a propaganda oficial diga que tudo vai bem, no Hospital Geral do Estado as dificuldades aumentam a cada dia. Na semana passada os médicos que submetiam seus pacientes aos eletrodos para monitoração cardíaca tinham que improvisar fita crepe para afixação dos instrumentos no tórax. Além de ser seu uso impróprio para procedimentos desta natureza, existe a possibilidade de queimaduras nas regiões da aplicação.

Arrumação

Antes mesmo de definirem candidatos a prefeito, as lideranças políticas querem mesmo é montar estratégia para a disputa proporcional na capital. Os acordos vão além de gente da situação como da oposição. Definido o problema, o apoio aos candidatos majoritários passará a ser discutido.

Sem autonomia

Quando os trabalhadores pedem autonomia administrativa e financeira do Detran é porque tem alguma coisa que não está batendo bem. Embora a administração de Cacá Gouveia venha se sobressaindo de maneira competente, a influência do governo do Estado não deixa de ser preocupante. Afinal de contas, é um órgão que possui um caixa forte, que poderia muito bem negociar reajustes salariais generosos se não fosse a política global de apertar os cintos.

Perguntar 

não ofende

Seria necessário mesmo o governo do Estado gastar tanto com propaganda na televisão, quando poderia destinar os milhões de reais mensais em programas sociais?

Recado a Renan

Pelo que o deputado Cícero Almeida tem dito na imprensa, desde o ano passado que ele não fala com o senador Renan Calheiros, mesmo que tenha insistido para discutir as eleições em Maceió. Ou seja, para Almeida, Renan nem fede nem cheira, já que ele sairá candidato a prefeito da capital com ou sem o PMDB.

De galho em galho

Já se perdeu a conta de em quantos partidos o deputado federal Cícero Almeida foi filiado. Agora, no PSD, pode, com a abertura da janela política, pular mais uma vez de partido.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia