Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 859 / 2016

23/02/2016 - 18:08:03

Meio Ambiente

Da redação

Educação em 

biodiversidade 

O Programa FAPESP de Pesquisas em Caracterização, Conservação, Restauração e Uso Sustentável da Biodiversidade (Biota) abre uma chamada de propostas para selecionar e apoiar projetos de pesquisa que contemplem a área de educação em biodiversidade. As propostas podem ser feitas até 31 de março, no site www.fapesp.br/sage e apresentadas nas linhas de Auxílio à Pesquisa – Regular, Auxílio à Pesquisa – Projeto Temático ou Programa Jovem Pesquisador em Centros Emergentes.

Abrolhos

Expedições científicas têm acontecido continuamente no Parque Nacional Marinho de Abrolhos (BA) devido ao rompimento das barragens de rejeitos da mineradora Samarco, que têm sido uma constante ameaça para a área de proteção ambiental. Os pesquisadores estão fazendo um diagnóstico completo, coletando amostras de água, sedimentos, peixes, crustáceos, invertebrados e micro-organismos, para analisar as condições da água e da vida marinha na região, especialmente nas áreas próximas à foz do Rio Doce. As conclusões vão subsidiar futuros programas de monitoramento e orientar medidas para os impactos que forem identificados.

Ararinhas azuis 

Foi aprovada na última reunião do Programa Bolsa Verde a criação de um programa onde famílias em condições de extrema pobreza e que morem em áreas habitadas por animais ameaçados de extinção ganhem um auxílio para protegerem os animais. As ararinhas azuis serão reintroduzidas em seu lugar de origem e a população do programa educada e preparada para a soltura das aves. A reintrodução dos animais no meio ambiente é iniciativa do Projeto Ararinha na Natureza, desenvolvido pelo ICMBio, em parceria com a ONG alemã Associação para Conservação de Papagaios em Extinção (ACTP).

Fundo Amazônia

O Fundo Amazônia, criado como importante instrumento para o combate ao desmatamento e promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no bioma Amazônia,  encerrou o ano de 2015 com 80 projetos apoiados que recebem aportes de países desenvolvidos no valor de R$ 1,2 bilhão. Os repasses de recursos não representam compensações por emissões de gases provenientes das nações doadoras, porém têm repercussão em suas articulações políticas nas negociações internacionais.

Cerrado

Um edital para apoiar projetos que evitem o desmatamento, a degradação e que promovam a proteção e a conservação dos recursos naturais do cerrado foi aberto até 25 de abril, disponibilizando até R$ 4 milhões para financiar essas iniciativas. Podem participar as organizações representativas dos povos indígenas, comunidades quilombolas e comunidades tradicionais, ou ainda Organizações Não Governamentais (ONG) de assessoria a esses povos. O objetivo é potencializar a participação dos povos nativos na promoção do uso sustentável das suas terras, além de restaurar os ecossistemas para redução da pressão sobre os recursos naturais e redução dos efeitos das mudanças climáticas. 

Golfinho morto 

em Santos 

Mais um golfinho foi encontrado morto no final de janeiro, e dessa vez em Santos (SP). O Instituto Gremar, que trabalha com resgate de animais na região, explica que ao longo dos anos são encontrados muitos animais mortos ou feridos nas praias da região. As causas são as redes de pesca nas quais eles se enroscam acidentalmente e o lixo dos oceanos. O instituto recolheu das praias, somente este ano, 24 animais vivos (22 aves e duas tartarugas) e 78 animais mortos (19 aves, 52 tartarugas e 7 golfinhos).

Parques nacionais

Dados do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) mostram que a visitação às unidades de conservação federais aumentou 238% na última década, passando de 3 milhões em 2007 para 7 milhões em 2015. Embora não tenha um estudo efetivo que indique o motivo desse aumento, o investimento em ações estruturantes e a atuação em conjunto com instituições parceiras é essencial. Os parques mais visitados são o da Tijuca (RJ), Iguaçu (PR), Jericoacoara (CE) e Brasília (DF).

Descarte

A dengue, chikungunya e a Zika têm vitimado milhares de brasileiros em todas as regiões da país e o Ministério do Meio Ambiente (MMA) alerta para a necessidade de se fazer o descarte correto de resíduos, especialmente materiais recicláveis, como pneus, para evitar o criadouro do mosquito Aedes Aegypti. Muita gente não sabe, mas os fabricantes têm a obrigação de recolher os pneus que foram descartados e levá-los para um lugar adequado e protegido por eles, o que na maioria das vezes, não acontece.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia