Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 859 / 2016

23/02/2016 - 17:55:20

Gabriel Mousinho

Cenário confuso

Gabriel Mousinho

A partir de agora os partidos políticos centram suas forças para definir candidatos à Prefeitura de Maceió. Como saiu na frente e soube costurar acordos, o prefeito Rui Palmeira avança para a reeleição e não deve mudar sua chapa com Marcelo Palmeira na vice.

Além do PP, do senador Benedito de Lira, o PSDB de Rui vai contar com o Partido da República do deputado Maurício Quintela, do PDT de Ronaldo Lessa, do DEM de José Thomás Nonô, do SD e outros que estão sendo conversados.

Já o PMDB, que detém o governo do Estado, somente deve tomar sua decisão no final do mês ou logo nos primeiros dias de março. O problema é a escolha de um nome que possa fazer frente a Rui Palmeira e que, a princípio, não tem.

O partido dominado pelos Calheiros pode fazer uma aposta nos nomes de Mosart Amaral, que teria que se desincompatibilizar do cargo de secretário de Infraestrutura, do ex-ministro do Turismo, Vinicius Lages – ilustre desconhecido em Maceió -, e do médico José Wanderley Neto. Afora isso, pode até mesmo pensar numa composição com o PSDB para apoiar Rui Palmeira.

O cenário, como se vê, ainda está nebuloso, mas os grupos teem que decidir o mais rápido possível para não perder espaços na corrida para a prefeitura.

Apressado

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, queria, mesmo antes do processo ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal, que os carros do senador Fernando Collor fossem levados a leilão. Logo ele, que sabe perfeitamente que uma atitude dessa natureza somente poderia acontecer com a condenação do senador, o que não é o caso. O STF negou o pedido. Bem feito.

Caso 

Depois de muitos anos o caso do senador Renan Calheiros com a jornalista Mônica Veloso volta à tona. Um caso particular, diga-se de passagem, que deveria estar fora dos holofotes. O senador afirmou que já prestou todos os esclarecimentos aos órgãos e que não houve o uso de dinheiro público no caso.

Nos bastidores

Muitos políticos não cumpriram com as promessas de que somente iriam descansar no Carnaval. Na Barra de São Miguel, por exemplo, o vai e vem nas residências de veraneios de deputados e senadores foi intenso.

Esforço concentrado

As eleições deste ano serão fundamentais para os projetos políticos de 2018. É por isso mesmo que as lideranças apressam os passos para definir acordos e composições.

Escanteio

Mesmo insistindo que será candidato a prefeito de Maceió de qualquer jeito, o deputado federal Cícero Almeida aos poucos vai perdendo terreno juntos aos partidos. Além de estar fora da tropa de choque que apoia Rui Palmeira, o PMDB, por baixo dos panos, não quer nem ouvir falar no nome do ex-prefeito.

Desemprego 

em massa

O saldo de demissões no Estado nos últimos meses é impressionante. Somente até agora foram demitidos 226 servidores da Companhia de Recursos Humanos e Patrimônio, Carhp. Mais 80 tomaram o mesmo rumo no Laboratório Farmacêutico de Alagoas, o Lifal. Pelo andar da carruagem as demissões devem continuar, atingindo órgãos como a Emater, Ideral e Adeal, que já está sem técnicos para dar sequência ao combate à febre aftosa.

Exemplo 1

Além da Assembleia Legislativa abrir as votações como deseja a Justiça, deveria também aproveitar para mostrar à população o que ali tem sido feito com o dinheiro do povo, as contratações de cargos comissionados, relação de servidores do Poder Legislativo, seus salários e os recolhimentos de tributos federais, que já terminou na Operação Taturana.

Exemplo 2

Ninguém também sabe por que a Câmara de Vereadores dificulta tanto as informações sobre número de servidores, salários e gastos com as verbas de gabinete. É uma oportunidade e tanto para o presidente, Kelmann Vieira, completar o seu trabalho de transparência na instituição.

Fogo de palha

A duplicação da AL-101 Norte até Maragogi, num raio de 130 quilômetros, é o sonho de milhares de alagoanos, mas ainda vai passar por muitos governos para ser concretizada. Sua conclusão não é tão fácil como andam dizendo por aí. A primeira etapa iniciada vai contemplar apenas 5 quilômetros e o gasto inicial tem previsão de 45 milhões de reais, com uma contrapartida de 5 milhões de reais do governo de Alagoas. Com o Brasil em recessão não se pode esperar muita coisa do governo federal.

Quem sai 

do governo?

O governador Renan Filho vê amortecendo o impacto sobre a substituição no secretariado para aqueles que, na sua escolinha, não atingiram as notas desejáveis. Como as anteriores declarações deixaram um quadro constrangedor e um verdadeiro mal-estar junto à sua equipe, o governador vem aos poucos tentando minimizar os efeitos danosos da precipitação. Já dizem por aí que se houver remanejamento não passará de dois secretários.

Engana-me 

que eu gosto

Parece brincadeira a conversa do governo em promover auxiliares do segundo escalão para o primeiro, depois de avaliação do desempenho dos auxiliares de Sua Excelência .Um deles seria Cacá Gouveia que hoje dirige o Detran, órgão muito maior do que algumas secretarias de Estado. Essa ´´promoção´´ seria para atender acordos políticos visando as eleições deste ano.

Comemorar o quê?

O governador Renan Filho apressou-se a comemorar os feitos da segurança pública durante o Carnaval, o que gerou uma peça publicitária com gráficos generosos. Mas as estatísticas dizem que em 2015 assassinaram nas festas de Momo, 24 pessoas. Em 2016, 28.

Mar revolto

Navegando em águas tranquilas até agora, o governo do Estado parece que vai encontrar turbulências daqui pra frente. Forçado pela crise a diminuir os duodécimos dos Poderes, a convivência com a Assembleia Legislativa, por exemplo, não será fácil como no ano passado. O inconformismo dos deputados já se faz notar entre grupos na Assembleia.

No ar

O governo do Estado paga o aluguel de um jatinho pertencente ao Grupo Carlos Lyra para transportar Renan Filho pra cima e pra baixo. Bem que essa dinheirama, em momento de crise extrema, poderia ser aproveitada para abastecer com alimentação e remédios o Hospital Geral do Estado e também colocar combustível em muitas unidades do Samu que há alguns dias não tinham como se locomover para fazer atendimento à população.

Desacostumado

O governador Renan Filho tem demonstrado aversão àqueles que lhes fazem críticas construtivas na imprensa, parecendo que busca a unanimidade, um mal que acompanha muitos políticos pelo Brasil afora. Desacostumado com observações criteriosas, já que a maioria ao seu redor e muitos outros só sabem bater palmas para qualquer ação do chefe, seja boa ou não, Renan Filho só pensa naquilo.Tem sido aconselhado, muito precipitadamente, a encarar um projeto político nacional.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia