Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 858 / 2016

11/02/2016 - 08:17:18

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL

Um Carnaval sem exageros

A dica da coluna tem dois sentidos: nos dias de folia, não exagere na bebida nem usando seu dinheiro descontroladamente, usando o cartão de crédito e o cheque especial, lembrando que esses dois sistemas de crédito cobram juros altíssimos, podendo levar qualquer um ao fundo do poço. Como não existem mais os bailes de clube, faça a opção caseira: na sua própria ou na de parentes e amigos, dividindo despesas e se divertindo com descontração e segurança, ao invés de festas populares na praia e praças. 

Lembro que o mês de fevereiro é o mais curto do ano, o salário de janeiro já foi recebido e as despesas fixas e do dia a dia são as mesmas de qualquer outro mês. Tem ainda uma extra: o pagamento do IPTU. Os preços vão continuar subindo, assim como os juros. Não adianta reclamar! Pesquise e procure sobreviver de acordo com o que ganha, tendo ainda uma sobra para sua reserva financeira. Na semana seguinte ao Carnaval já estaremos na segunda quinzena do mês. Vá fazendo seu orçamento doméstico iniciado em janeiro e siga à risca as minhas orientações: minimizando os custos e maximizando os lucros.

Mais aperto

A chamada Taxa Selic (entre bancos) não subiu na última reunião do Banco Central. Mas vai subir na de fevereiro, após o Carnaval. Isso significa que depois influi decisivamente nos juros e taxas diversas que todos pagam aos bancos, principalmente no cheque especial e no cartão de crédito. Aumenta também nos empréstimos consignados. Portanto, evite esses mecanismos de crédito, mesmo com tantas “facilidades” que bancos e financeiras oferecem. 

Negociando

Se você tem débitos impagáveis com bancos, financeiras e lojas, tente negociar, mostrando sua dificuldade financeira, prometendo pagar e pedindo redução ou até mesmo isenção de juros e multas. Mas cumpra o prometido, dentro de suas possibilidades, eliminando outros gastos e priorizando essa quitação. Não adianta seguir aquele velho adágio popular: “Devo não nego, pago quando puder”. Isso é vigarice e os credores não aceitam. 

Sua conta

O governo já anunciou uma redução na conta de energia elétrica a partir de fevereiro. Mas isso não significa que vá gastar mais. Continue economizando, principalmente no consumo de eletrodomésticos como ar condicionado, chuveiro elétrico, ferro de engomar e máquina de lavar. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia