Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 856 / 2016

21/01/2016 - 20:51:11

BPTran registra aumento de quase 400% em infrações de trânsito

Número é um comparativo entre os anos de 2014 e 2015; aplicativo identifica carros roubados

José Fernando Martins Especial para o EXTRA
Tenente Emanuel Costa mostra aplicativo que flagra irregulares

Não é preciso sair de casa para o tenente Emanuel Costa, chefe do Serviço de Inteligência do Batalhão de Polícia de Trânsito de Alagoas (BPTran), acompanhar as irregularidades que acontecem pelas ruas da capital. Em um aplicativo do aparelho celular, o OCR, disponibilizado apenas para poucas autoridades, Costa seleciona uma das seis câmeras espalhadas por Maceió. No momento, a escolhida foi a que está localizada na AL-306, saída do bairro Clima Bom. “A saída da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) também é outro ponto crítico que monitoramos”, disse o entrevistado. 

Cada placa de veículo é lida como um código de barras. No visor do telefone, uma lista com nome do proprietário, detalhes sobre licenciamento ou até mesmo a informação se o automóvel é roubado. “Quando a câmera capta um carro roubado o telefone celular faz um barulho de sirene policial”, descreveu o tenente. Enquanto a reportagem do EXTRA Alagoas realizava a entrevista, a sirene policial berrou quatro vezes. 

De 2014 a 2015, o número de infrações registradas pelo BPTran aumentou 398%. O salto foi de 7.575 para 37.730 irregularidades. No ranking da imprudência no trânsito, os chamados AIT’s, autos de infração, está em primeiro lugar. Se em 2014 foram 6.240 autos, ano passado esse número subiu para 33.792. Em seguida está o número crescente de veículos removidos, que de 913 subiu para 2.692 casos, durante o mesmo período.

Já em terceiro lugar vem a carteiras de habilitação (CNH) recolhidas. Foram 319 para 844 no intervalo de um ano. Os casos de embriaguez ao volante também cresceram. De 92, em 2014, as ocorrências chegaram a 380 em 2015. “Apesar de a embriaguez estar em quarto lugar no ranking das infrações, posso dizer que é o nosso principal foco de combate. Quando tiramos um alcoolizado do volante poupamos vidas. Segundo estimativas, 170 foram poupadas no ano passado com essas ações”, disse. 

No balanço do BPTran também aparecem ocorrências que envolveram apreensão de armas e de pessoas detidas por estarem com drogas. No primeiro caso, de 8 foram para 12 armas apreendidas. Quanto à prisão de motoristas e passageiros com entorpecentes, os casos aumentaram de 3 para 10 pessoas detidas. O aumento significativo das ocorrências, para o tenente, se deve a um efetivo melhor distribuído. 

“Em 2014, nós tínhamos apenas uma motocicleta que era usada para trabalhos administrativos. Hoje, temos 18 motocicletas fazendo o patrulhamento. O número de viaturas também aumentou. De duas, agora temos sete viaturas”, destacou. Entre os dados que preocupam o tenente está a discrepância entre a quantidade de veículos no estado em comparação ao número de carteiras de habilitação. São 780 mil automóveis para 435 mil CNH’s. “O que significa que tem gente dirigindo sem carteira, que compra o carro antes de tirar a habilitação”.

Trabalhar com conscientização no trânsito, de acordo com o tenente, é o mesmo que interferir em uma cultura sólida que vem perpetuando há varias décadas. A de dirigir após beber e a de entregar as chaves do carro para adolescentes. “Pegamos muitos jovens sem habilitação dirigindo pela cidade. Em todas as blitze nós pegamos esses tipos de casos. Encaminhamos à delegacia e o responsável pelo veículo tem que responder juridicamente”. 

Outra preocupação do BPTran é o uso de carteiras de habilitação falsas. Só em dezembro foram apreendidas três em Maceió. Indagados, os infratores disseram que conseguiram comprar o documento falsificado por cerca de R$ 2 mil reais. 

O tempo, a dificuldade de ser aprovado nas provas teórica e prática e o investimento financeiro, incentivam as pessoas a desistirem de procurar uma autoescola e se deixar seduzir por um meio mais simples. 

“Mas preferem pagar por algo errado a irem a uma autoescola para tirar a carteira por um preço muitas vezes menor”, enfatizou. Na maioria das vezes, o delegado de polícia requisita exame pericial e, caso constatada a falsidade, o condutor é autuado em flagrante e recolhido ao cárcere, pois se trata de crime inafiançável.

Educação 

nas escolas

O Batalhão de Trânsito realizou durante o ano passado ações preventivas adotadas pela unidade. Uma equipe de militares passou a desenvolver palestras educativas para coibir violência no trânsito em Alagoas por respeito à vida. Durante a visita às escolas, vários assuntos são abordados para a construção de uma cultura de paz no trânsito, dentre eles o excesso de velocidade, ultrapassagem em local proibido, direção perigosa, embriaguez ao volante e condução de veículos e motos por menores. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia