Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 855 / 2016

18/01/2016 - 16:28:37

MEIO AMBIENTE

Da Redação

Oferta de energia 

Pesquisadores holandeses realizaram um estudo que analisou como o aquecimento global afetará o comportamento de 26 mil usinas hidrelétricas e termelétricas em todo o mundo. Estima-se que mais de 80% das usinas estudadas terão alguma perda de capacidade útil devido à mudança do clima. As hidrelétricas sofrem porque chove menos, o que reduz a quantidade de água dos reservatórios ou a vazão dos rios. E as térmicas têm problemas não apenas por causa da menor vazão, mas também devido ao aumento da temperatura da água dos rios. Como essas usinas usam água para seu resfriamento, rios mais quentes significam perda de eficiência na geração.

Lama da Samarco

Uma mancha marrom, provavelmente vinda dos rejeitos das barragens da mineradora Samarco, atingiu o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos. A informação foi divulgada na semana passada pela presidente do Ibama, Marilene Ramos. A lama de rejeitos da mineradora Samarco atingiu a foz do Rio Doce no final de novembro (21) e contaminou praias, impactando a desova das tartarugas-gigantes. Chuvas fortes na região fizeram a mancha se espalhar mais ao norte do estado do Espírito Santo. Por enquanto, não há nenhuma restrição de visitação na região sul da Bahia e o parque segue aberto. Os impactos sobre o santuário ainda serão avaliados. O dano imediato é a redução da produtividade da vegetação marinha e corais, o que causa prejuízo para a vida marinha. 

Relatório de balneabilidade 

O IMA mudou o método de análise das amostras de água do mar coletadas para produção do relatório de balneabilidade da costa alagoana. O novo método de análise deverá conferir maior precisão sobre as condições encontradas. Será verificada a presença das bactérias Enterococos e, principalmente, Escherichia coli (E.coli), consideradas transmissoras de doenças. Até o mês de novembro, a definição de própria ou imprópria para banho era definida a partir da quantidade de Coliformes termotolerantes (Fecais).

Passarinho com malária

Os passarinhos machos com malária podem apresentar fraqueza, perde de apetite e de peso e, quando a infecção é muito grave, podem até não voar. E isto é ruim para eles, porque as fêmeas estão observando, comparando, escolhendo o par para o acasalamento. Segundo pesquisadores que estudaram a malária no uirapuru-de-coroa-azul (Lepidothrix coronata), a prevalência da malária entre os passarinhos é de 47%. A infecção dura, geralmente, de sete a quinze dias.

Telha sustentável

Pesquisadores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) estão desenvolvendo o protótipo de uma telha sustentável. Ela é feita com fibras naturais da Amazônia, como a malva e a juta, e com uma argamassa que inclui areia, resíduos de cerâmica e pouco cimento. Essa composição, dá mais resistência ao material e pode melhorar a sensação térmica nas residências localizadas nas regiões mais quentes do país. O protótipo da ecotelha deve ficar pronto em 12 meses. 

Nova época geológica: o Antropoceno

Um novo estudo sugere que as mudanças ambientais causadas pela humanidade na Terra deflagraram o início de um novo período geológico. Os vestígios deixados serão detectáveis em camadas no solo daqui a milhões de anos, mesmo que a humanidade acabe. O termo Antropoceno (da palavra grega anthropos, homem) foi cunhado na década de 1980 para ilustrar o impacto das populações humanas no ambiente. Segundo os geólogos, o Antropoceno passou a exibir a maior parte de seus sinais distintivos a partir de 1950, e encerra a época do Holoceno, que começou há 11.700 anos.

3-Batatas para Marte 

A Nasa, em conjunto com o Centro Internacional da Batata, está fazendo experimentos para descobrir como se desenvolveriam os tubérculos peruanos em solo marciano. Para isso, deram início a um cultivo experimental de batata em condições que simulam as do planeta vermelho: solos vulcânicos que não contêm nenhuma forma de vida, no Peru, assim como em Marte.

Além das paisagens “marcianas”, há outro motivo que torna o Peru o local ideal para fazer experimentos com batatas. No Peru há 4,5 mil variedades de batata, por isso é um lugar muito bom para descobrir qual delas melhor se ajustaria às condições de Marte.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia