Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 854 / 2016

10/01/2016 - 18:36:40

GABRIEL MOUSINHO

Caso de polícia

GABRIEL MOUSINHO

É profundamente lamentável que alguns comerciantes gananciosos protagonizem reportagem de cunho negativo na Globo, e em outros órgãos de comunicação, sobre a exploração de turistas na orla marítima de Maceió e outros recantos paradisíacos do Estado, principalmente quando Alagoas é reconhecido pelas sua exuberantes praias e seu povo hospitaleiro.

Cobrar 100 reais para entrar numa barraca de praia, além de pagar pelo que possa comer ou beber, é no mínimo um caso de polícia. Esses empresários parecem querer acabar com o turismo em Maceió, atraindo a grande imprensa e causando imensos prejuízos à economia da Capital e do Estado. Quem veio uma vez e poderia retornar em outras oportunidades, fica com a imagem de que aqui, alguns que se possam chamar de empresários, não respeitam as autoridades e muito menos quem vem se deliciar com as águas quentes de um mar sereno.

As autoridades municipais e estaduais não podem ficar de braços cruzados com atos desta natureza partindo de um grupelho que espera ficar rico da noite para o dia. Até as tapioqueiras querem tirar o pé do atraso. Cobram os olhos da cara dos nativos e dos turistas, sob as vistas grossas das autoridades. Basta. É hora de todos os alagoanos reagirem a esse tipo de extorsão, para que não acabemos de vez com o turismo em nossa terra.

Somente com punições exemplares, mostrando na mídia quem são os predadores do turismo maceioense e alagoano, que essa praga pode acabar. Antes que ela acabe com todos nós.

Isso, a nosso ver, é também caso de polícia.

Caixa 2

Com a liberação em alguns pontos da campanha eleitoral, abre-se uma janela para a utilização de caixa 2, tão combatido em campanhas anteriores. Ou seja,  para fazer santinhos, cartões, adesivos, camisetas e outros recursos técnicos agora permitidos, este dinheiro com certeza não vai aparecer na prestação de contas junto à Justiça Eleitoral, estimulando assim o velho e conhecido caixa 2.

Vantagem 1

Quem tiver uma grana extra e desejar avançar no contato com os eleitores, parece que chegou a hora. A não ser que a Justiça Eleitoral, observando o exagero de algum candidato explicitamente, determine investigações, terminando por punir aquele que deseja ser eleito vereador ou prefeito de algum município no estado. Neste caso o candidato deve ter prudência, para não exagerar na dose.

Vantagem 2

Quem tiver um bom lastro financeiro e já for amplamente conhecido, como candidatos já com mandatos e figuras públicas, com certeza levará muita vantagem em relação àqueles que querem se candidatar pela primeira vez. Por isso, especialistas acham que 45 dias de campanha é muito pouco para quem deseja ser conhecido pela população.

Vai bem, obrigado

Pelo massacre de propaganda em horários nobres em jornal, rádio e televisão, Alagoas vai muito bem, obrigado. Esta comunicação que custa uma nota para os cofres públicos diariamente, paga pelos contribuintes, parece transformar o Estado em outra galáxia. O go-verno pode até não estar fazendo muita coisa, mas pela propaganda aqui é o lugar onde não existem dificuldades.

Os acordos

Mal terminou o ano e as conversas de bastidores de candidaturas majoritárias e proporcionais tomam o assunto em todo o estado. Como sempre, a Barra de São Miguel, área nobre para os endinheirados de Alagoas, é o recanto preferido para discussão de candidaturas e acordos políticos.

Nas praias e nas mansões de veraneio o destino de Alagoas é discutido por grupos conhecidos e que estão no poder, costurando alianças para enfrentar novas batalhas políticas pensando nas eleições de 2018.

Alto lá

A deflagração da Operação Lava Jato que aos poucos vai chegando à República, pode modificar o panorama político para as próprias eleições deste ano. Somente em abril ou maio se terá uma projeção de como andam as coisas. Se grandes nomes forem atingidos, a campanha política será reavaliada e os candidatos, também.

Projeção funesta

A perspectiva para o ano que se inicia é de demissão em massa no comércio de Maceió. Em dificuldades, os empresários não irão ter outra solução a não ser diminuir o quadro funcional. No mês de dezembro a contratação de funcionários temporários foi zero. O comércio vendeu menos 20% do que em 2014. A crise bateu também à porta de grandes empresas, a exemplo da rede Walmart-Bompreço. Outras deverão seguir o mesmo caminho.

Sub judice

Alguns candidatos podem disputar as eleições, mas com um pé atrás. São aqueles que respondem na Justiça por acusações de desvio de recursos, improbidade administrativa e outras coisinhas mais.

Investindo

O deputado federal Marx Beltrão é forte candidato ao Senado em 2018. A exemplo de Renan Calheiros, Beltrão quer fazer o maior número de prefeitos em Alagoas e, pelo menos aparentemente, não vê dificuldades no seu projeto.

Operação em curso

A composição política para a Prefeitura de Maceió, onde Rui Palmeira parte para a reeleição, está andando rápida. Embora o vice-prefeito Marcelo Palmeira mantenha uma parceria cada vez mais forte com Rui, outros partidos também querem participar do que seria uma grande coligação. Mesmo sem decidir qual o futuro na eleição para prefeito de Maceió, o PMDB vê com bons olhos uma grande composição política.

Condenável

Amigos e admiradores do médico José Wanderley estão surpresos e indignados pelo silêncio do PMDB depois que sua residência foi invadida pela Polícia Federal. Homem público de notável saber, amigo dos amigos, Wanderley, como 1º Tesoureiro do Partido estava emprestando sua competência e respeitabilidade ao PMDB. A indiferença do PMDB na ação da PF foi, para muitos, um ato condenável.

Aperto geral

Com inflação de dois dígitos e o salário mínimo a 880 reais sem incluir impostos e a população consumindo menos, a solução é diminuir o quadro de funcionários. 2016, com certeza será pior do que 2015.

Incerteza

Sem uma política econômica definida e o mercado retraído com o país perdendo investimentos, ninguém quer arriscar. A incerteza do que vem pela frente é o maior problema do empresariado brasileiro.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia