Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 852 / 2015

20/12/2015 - 07:36:56

Repórter Econômico

Jair Pimentel

Preparando 

o orçamento

A cada final de ano, oriento o leitor a elaborar o orçamento doméstico para o ano que vai iniciar, como se fosse uma pessoa jurídica, minimizando os custos e maximizando os lucros. É a receita e a despesa, trabalhadas com disciplina financeira, considerando em primeiro lugar a pesquisa de preços e ainda evitar os juros e multas que não param de crescer. Portanto, lápis e papel nas mãos para iniciar esse exercício salutar, que, seguido à risca, garante uma sobrevivência tranquila, independente do momento econômico que o país atravessa.  

Anote sua receita (salário líquido) e as despesas fixas e do dia a dia. Considere um cenário sombrio para 2016, com inflação acima da atual (que já ultrapssou os dois dígitos), devendo chegar a algo em torno de 1% a cada mês. Reajuste salarial, no mês estabelecido para cada categoria profissional, também nesse percentual. Não assuma qualquer compromisso, pensando nisso, deixando o valor para a caderneta de poupança, que é a sua reserva financeira mensal de 10% de sua renda. A tabela deve ser iniciada com o salário de janeiro, a ser recebido no final do mês ou início de fevereiro. 

Anotando tudo

Lembre que em janeiro tem matrícula e material escolar. Essa despesa deve ser paga com o salário de dezembro. Portanto, é esperada e inadiável. Vá anotando suas compras semanais, quinzenais ou mensais, as do dia a dia e quando receber o salário, as fixas, que são: aluguel ou prestação da casa própria, energia, água, gás, condomínio, mensalidade escolar, plano de saúde, prestações diversas. O cartão de crédito deve ser preferencialmente pago no valor total ou mesmo deixar de usar e optar pelo cartão de débito. 

Evitando

Não compre por impulso, mesmo com o produto estando em promoção. Viva de acordo com o que ganha. Se tem uma prestação de eletrodoméstico, móveis ou outros bens duráveis, só assuma outra quando quitar esta. Ao se dirigir ao comércio, vá sem pressa, com tempo suficiente para pesquisar, pechinchar e só comprar à vista, com um bom desconto. Pagar o cartão de crédito rotativo, ou seja, o valor mínimo, é um “suicídio financeiro”, pois o saldo devedor vai triplicando, chegando ao ponto de não puder pagar mais. O mesmo ocorre com o cheque especial. Essas duas operações de crédito cobram juros estratosféricos, beirando os 20% ao mês. Evite isso!

Dividindo

Se o casal tem renda dupla, divida as despesas, tudo anotando no orçamento, com cada um observando se o outro segue à risca os pagamentos e ainda deixa dinheiro para a reserva financeira, que pode ser aplicada na caderneta de poupança, nos fundos de renda fixa ou no mercado cambial (dólar). Esse item é importantíssimo, já que serve para uma emergência ou realizar algum sonho de consumo. Vá seguindo tudo, anotando, se disciplinando cada vez mais. 

Terá assim um FELIZ ANO DE 2016, mesmo num País em recessão. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia