Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 852 / 2015

20/12/2015 - 07:20:29

Feliz olhar novo

Jorge Morais

Durante os últimos anos, esse espaço foi usado, na maior parte das vezes, para criticar. E não poderia ser diferente, por tanta coisa que ocorreu e continua ocorrendo pelo mundo afora. O Brasil, em especial, tomou conta de 95% dos comentários feitos. E o estado de Alagoas não passaria longe desse processo. 2014, então, ano de eleição, foi o espelho político para os textos produzidos. Já em 2015, os escândalos da Petrobras tomaram conta das páginas e da grande mídia nacional

Diante de tudo o que já se viu até agora, nada vai mudar no Ano Novo. Muito pelo contrário. Teremos mais denúncias; mais prisões; perdas de mandatos políticos; e a descoberta de novos escândalos. Não se esqueçam das transações envolvendo a Caixa Econômica federal, o BNDES, o Banco do Brasil e outras instituições, financeiras ou não, com ligações junto ao governo federal.

Como não quero falar sobre essas coisas próximo do Natal, acho até que isso é pecado, preferi divulgar um artigo que recebi, dando como fonte um Autor Desconhecido, que reconhece em seu texto as coisas boas e ruins que podem ocorrer na vida de qualquer um, mas tendo como foco principal que nem tudo está perdido. Vamos ao texto, pois é o que mais interessa agora:

 “O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história. O grande lance é viver cada momento, como se a receita da felicidade fosse o aqui e o agora. Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais… Mas, pensa só: tem graça viver sem rir e gargalhar pelo menos uma vez ao dia?

Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Quero viver bem. Este ano foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal! Às vezes se espera demais das pessoas. Normal! A grana que não veio; o amigo que decepcionou; o amor machucou. Normal! O próximo ano não vai ser diferente.

Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições. A natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo para todos nós é sabedoria, e que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência. Que todos nós consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim.

Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria 3, ou mude de classe, transforme-o em colega. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém. O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa para esse momento. Cuidado com seus desejos, eles podem se tornar realidade.

Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes. Para todos nós, um feliz olhar novo em 2016”.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia