Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 848 / 2015

25/11/2015 - 01:01:00

Gabriel Mousinho

Candidato único

A julgar pelos prognósticos de políticos e alguns jornalistas, o PMDB do senador Renan Calheiros não terá nenhuma dificuldade nas eleições do próximo ano e consequentemente no pleito de 2018. Pelas apostas, o partido fará mais de 90% dos prefeitos alagoanos, o que garantiria, sem muito esforço, a reeleição de Renan Filho, que também pensa um dia em ser presidente da República, a exemplo de Fernando Collor.Neste episódio todo, resta saber se o PMDB faria mesmo esse número exagerado de prefeitos, com os outros partidos fazendo praticamente nada. Assim, Renan Filho seria candidato sozi-nho, já que Ronaldo Lessa não tem mais interesse em voltar ao governo e, além disso, está muito vinculado ao senador Renan Calheiros, enquanto Fernando Collor passa longe disso. Para ele, é melhor ficar no Senado. Como Téo Vilela já teria um acordo de fazer uma dobradinha com Renan pai, aí não ficaria ninguém para enfrentar com chances de ganhar as eleições.Como Renan Filho está entusiasmado e já fala nos bastidores em  chegar à Presidência da República, para ele, politicamente, o céu é o limite. É por isso mesmo que ele quer fazer um governo sem interferência do pai, mostrando que enxugar a máquina pública é uma ótima promoção pessoal. E por aí vai.Com mais de 90% dos deputados estaduais, mesmo que eles tenham um tratamento à distância, Renan Filho vai continuar governando sem oposição, mandando e desmandando na Assembleia Legislativa.Pelo visto, o garoto vai longe.

Fantasma

O governador Renan Filho só vê uma preocupação para deslanchar na política nacional; é se o seu pai tiver problemas mais pra frente com as denúncias da Lava Jato, das quais ele tem se esquivado com rara habilidade. Só isso pode comprometer a ascensão do jovem governador que quer dar um exemplo de como se administra um Estado pequeno e endividado.


Conta errada

O grupo do senador Renan Calheiros faz uma estimativa de fazer pelo menos 90% dos pelo menos 30 prefeitos eleitos pelo PP, afora aqueles que deverão fazer composições futuras para as eleições municipais. Como se vê, alguém aí não está sabendo fazer contas.


Sem acreditar

O senador Fernando Collor fez um ar de incredulidade quando soube que o deputado federal Marx Beltrão tem o interesse de disputar a eleição para o Senado em 2018. “Quem?”, perguntou Collor surpreso com a pretensão do deputado do PMDB.


À deriva

Sem grupos, sem partido e com dificuldades de arrebatar apoios, o deputado Cícero Almeida quer provar nas urnas que será o futuro prefeito de Maceió. Só está esquecendo de que não terá mais os milhões do empresário João Lyra, nem dos amigos de infância.

Momento certo

O senador Renan Calheiros não quer falar em eleições do próxi-mo ano e só tomará alguma decisão se observar que a administração de Rui Palmeira não vai bem, o que é bastante improvável. Cobra criada da política alagoana, o senador não quer por o seu prestígio em jogo, numa partida que poderá dar certo ou não.


Corda bamba

Tem dois secretários de Estado que estão com a faca no pescoço e sumiram até do noticiário. Sabem que não adianta tentar se recuperar porque já estão praticamente demitidos pelo governador, aborrecido com a incompetência desses auxiliares. O governo nega reforma no secretariado, mas que vai acontecer, vai.


Prevenido

Quem conseguir ter uma audiência com o governador Renan Filho vá logo se acostumando. Antes de entrar no seu gabinete será despojado de telefones celulares que são guardados cari-nhosamente em um saquinho até a volta da conversa. Renan não quer ter surpresas desagradáveis, principalmente na possibilidade de gravações indesejosas dos seus interlocutores.


Amigo da onça 1

Aos poucos Renan Filho vai se aproximando de velhos adversários como se nada tivesse ocorrido durante as eleições passadas. Agora, por exemplo, ele faturou prestígio junto a agricultores de treze municípios, exatamente na entrega de dezesseis caçambas, fruto de emenda parlamentar do deputado federal Arthur Lira no valor de 9 milhões e meio de reais.


Amigo da onça 2

Na notícia veiculada pela Agência Alagoas, os agricultores foram beneficiados pelo governador Renan Filho e, somente no final da matéria, discretamente, diz que a compra das caçambas foi oriunda de emenda de Arthur Lira. Mui amigo.Longe de mimPessoas ligadas a Renan Filho acham que o go-vernador deve escolher com quem aparecer em atos públicos, principalmente com aqueles que estão envolvidos em diversos tipos de crimes na Justiça, como foi o caso do prefeito de Rio Largo, Toninho Lins, que, além de afastado da função, teve seus bens bloqueados. 


As eleições vêm aí

Sem afago do governador Renan Filho, que até agora não mexeu uma palha para que assumisse o mandato, o suplente Cícero Cavalcante é só mágoas. Alguns amigos dizem que certamente ele dará o troco nas eleições do próximo ano, a não ser que tenha ultimamente feito um curso de masoquismo.


Marinela ganhou na OAB

A chapa 1 jogou pesado, aproveitou o racha das oposições e terminou ganhando as eleições numa campanha tumultuada. Fernanda Marinela, que foi eleita, teve apenas 112 votos a mais do que o candidato da chapa 2, Fernando Falcão. Já Roberto Mendes teve um desempenho que até surpreendeu, mas não chegou nem perto dos outros candidatos, como já era esperado.


Aliança difícil

Mesmo se admitindo que em política se pode tudo, é de pagar pra ver uma aliança do prefeito Rui Palmeira com o PMDB do senador Renan Calheiros. As duas correntes não se batem e os partidos aliados a Rui dificilmente aceitariam composições desta natureza.


Impeachment, não

Se depender dos três senadores, com certeza a presidente Dilma Rousseff não será apeada do cargo. Collor já declarou que não acredita na saída da presidente; Renan Calheiros dá demonstração de que o caminho não é por aí e o senador Benedito de Lira diz que Dilma vai superar as dificuldades.


Mau sinal

O tributarista Elionaldo Magalhães, profissional dos mais competentes na área, acredita que a situação do país vai se agravar muito mais a partir de janeiro. Até lá as reservas irão desaparecendo, a inflação vai subindo e a população tem a tendência de reagir. Para quem conhece a competência de Elionaldo, que atua no ramo de consultoria tributária, é de se colocar as barbas de molho.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia