Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 846 / 2015

11/11/2015 - 00:24:00

Mentiram para o Exmo. Senhor Prefeito

José Arnaldo Lisboa Martins [email protected]

rPara justificar o que eu estou dizendo neste meu artigo, informo a vocês que, eu já fui professor de Física durante 18 anos, tanto na Escola Técnica Federal de Alagoas, como no Colégio Guido de Fontgallant,  no Colégio Estadual de  Alagoas, no Colégio de São José e no Colégio Moreira e Silva.

Neles eu ensinei Mecânica (Estática, Cinemática e Dinâmica), Termologia, Eletromagnetismo, Acústica e Ótica. Diante do que eu já aprendi durante esses longos anos, posso informar que ninguém é capaz de planejar um sistema de trânsito ou fazer uma perícia técnica  sobre um acidente, sem conhecer os rudimentos da Física, pois trânsito é velocidade, é aceleração e desaceleração, é atrito, é choque, é derrapagem, é tombamento, é espaço, é tempo, é força, é peso e é equilíbrio. Por tudo isso, eu não sei como o ilustre prefeito Rui Palmeira, sem nenhum estudo, autorizou a implantação de uns tais semáforos da Av. Fernandes Lima, dizendo que o trânsito daquela avenida iria fluir maravilhosamente.

Depois de ganhar uma bolada, talvez de milhões de reais, um tal “técnico” disse ao prefeito que “quem desenvolvesse uma velocidade constante de 50 km/h, naquela importante artéria, iria encontrar todos os semáforos abertos, ou melhor, ‘no verde’”. O prefeito foi enganado e o cara que disse isso saiu sorrindo de Maceió com tanto dinheiro perdido, pois todo o dinheiro empregado foi jogado fora.  Ora, isso só poderia acontecer se todos os carros estivessem atrelados como num trem, com suas velocidades iguais e constantes, em todo o trajeto, entre um semáforo e outro.

Também, isso só seria possível se as potências de todos os veículos fossem iguais e, também, se todo mundo resolvesse andar juntinho, guardando as mesmas distâncias entre si, como num bloco compacto, sem avanços e sem atrasos. Como o prefeito anunciou, nada melhorou com o milagre e o inferno da Av. Fernandes Lima continua, com seus engarrafamentos constantes e irritantes.  

Também disseram ao prefeito que o trânsito da Av. Fernandes Lima iria melhorar para todas as viaturas, e não só para os ônibus e os táxis. Ora, não precisa saber Física ou Matemática para saber que nós tínhamos 3 faixas e que uma delas ficou para os ônibus e táxis.  Tudo bem, eu concordo que os usuários de ônibus foram beneficiados, embora em determinados momentos a faixa com eles fique ociosa. Antes da faixa azul, eram 3 faixas.

Digamos que em cada uma trafegassem 100 viaturas, num total de 300 carros. Quando o prefeito resolveu abolir uma das 3 faixas, ficando ela só  para ônibus e táxis, fez com que as duas outras faixas ficassem com, teoricamente, 150 viaturas, criando os atuais engarrafamentos. Por causa disso, a Fernandes Lima virou um inferno. Se isso tivesse sido feito numa via com 5 ou 6 faixas, como acontece no Rio ou São Paulo, ainda bem.

Não é toda imitação que deve ser copiada, como fizeram aqui em Maceió, pois cada cidade tem seus próprios gabaritos, seus volumes de trânsito e de tráfego, suas velocidades e suas peculiaridades. A Engenharia e a Física não podem ser usadas para saber “se vai dar certo”. Precisamos, urgentemente, de um planejamento sério, sem improvisações e sem “chutes”. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia