Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 839 / 2015

23/09/2015 - 14:16:00

Meio Ambiente

El Niño 

Meteorologistas confirmam que o fenômeno climático provocado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico está ocorrendo de forma mais intensa, e deve se sustentar até meados de 2016 para a safra de verão. Em relatório, a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA) confirmou as estimativas que indicam 85% de chances de o El Niño continuar em atividade até a primavera de 2016 no Hemisfério Norte (Outono no Hemisfério Sul) e o quadro coloca um sinal de alerta para a colheita dos cultivos de inverno. Em excesso, a chuva pode dificultar a entrada das colheitadeiras. 


Rios invisíveis

Existem 3 mil quilômetros de rios escondidos debaixo de avenidas, ruas e becos da cidade de São Paulo. Estima-se que a capital paulista tenha entre 300 e 500 rios concretados embaixo de casas, edifícios e ruas. São 3 mil quilômetros de cursos d’água escondidos. O movimento Rios e Ruas organiza expedições para que as pessoas encontrem os chamados rios invisíveis da metrópole, que estão debaixo da terra mas ainda podem ser vistos e ouvidos por bueiros e meios-fios. 

Desmatamento em 25 anos 

Um relatório divulgado esta semana pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) revelou que 129 milhões de hectares de floresta, o equivalente a uma superfície do tamanho da África do Sul, sumiram do mundo nos últimos 25 anos. De acordo com o relatório, as florestas continuam diminuindo à medida que a população cresce e a demanda por alimentos e terras se intensifica, mas o ritmo anual de desmatamento caiu em mais de 50% nos últimos cinco anos. Segundo o estudo, a maior perda de superfície de florestas ocorreu nos trópicos, especialmente na América do Sul e na África. 


Besouro destruidor

Em 2001, os freixos de Detroit, nos EUA, foram atacados por besouros verdes cintilantes, nomeados popularmente por broca esmeralda, uma obscura espécie nativa da Ásia Oriental. Pesquisas recentes sugerem que a chave pode estar nas próprias árvores, que para se defender, deixam os tecidos mais difíceis de digerir ou envenenam a madeira e as folhas. Os freixos da América do Norte podem estar morrendo não porque lhes falta um antídoto contra as brocas esmeralda, mas talvez porque não estejam produzindo o equilíbrio certo de defensivos químicos, ou não os estejam produzindo com a rapidez suficiente.


Monte Aso

O Monte Aso, vulcão ativo mais extenso do Japão, entrou em erupção nesta segunda-feira (14) e causou a retirada de 30 pessoas da cidade de Kumamoto. O vulcão começou a expelir fumaça e cinzas por volta das 9h43 da manhã e a Agência Meteorológica Japonesa (JMA) declarou nível 3 de alerta e recomendou que todos fiquem ao menos a um raio de 2 km longe da região. Há risco de queda de rochas lançadas pelo vulcão e das emanações de gases tóxicos.


Incêndio 

Um incêndio atingiu parte do Parque Nacional da Chapada Diamantina, na Bahia, no município de Andaraí. Por causa do tempo seco e dos ventos, o fogo se alastrou rapidamente pela vegetação. Equipes do Corpo de Bombeiros, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia atuam na região para controlar o fogo. A polícia investiga se o fogo foi colocado propositadamente. 

Energia eólica

Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica, existem 281 parques eólicos em 11 estados desde 2009, quando essa fonte passou a integrar a matriz elétrica brasileira. No mês passado, o setor atingiu 7.068,7 GW, o que corresponde a 5% da matriz energética do Brasil. Pelos cálculos do setor, diante das perspectivas de longo prazo, o potencial de produção no país é de atingir 400 GW. 


Previsão de raios 

Um novo sistema desenvolvido pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) permitirá prever a incidência de raios com antecedência de 24 horas. As previsões serão apresentadas em um formato simples e claro, gerando diariamente um mapa indicando as áreas onde haverá maior probabilidade de raios no Brasil. Os cientistas do Inpe realizaram pesquisas por cinco anos para criar o novo sistema e os testes mostraram que o nível de acerto das previsões é de 85%. O Brasil é o país com maior incidência de raios no planeta, com 50 milhões de descargas por ano, 80% delas durante o verão. Em média, os raios matam 110 pessoas por ano no país.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia