Acompanhe nas redes sociais:

26 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 838 / 2015

16/09/2015 - 07:53:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Andar na linha ajuda

Ninguém está livre de, um dia, precisar se sentar diante do gerente para pedir um empréstimo. Mas nem todo mundo que pede irá conseguir. E mesmo quem ouve o sim poderá se deparar com taxas de juros altas. Por que isso acontece? Para conceder o crédito, os bancos avaliam várias questões do pretendente. Algumas são óbvias, como se ele está empregado e se tem o comprometimento da renda com dívidas. Mas existem outras questões que você talvez nem imagine que são observadas, a exemplo: o volume de investimentos na instituição em que está solicitando o crédito e até o histórico do pagamento - se você for um mau pagador de contas, suas chances diminuem muito. 


O perfil

O cliente que dificilmente consegue uma boa condição de crédito tem o seguinte perfil: mais de 30% de sua renda está comprometida com dívidas, não faz aplicações, passou cheque sem fundo no último ano, está endividado, gasta sem planejamento, atrasa as contas e usa cheque especial e o rotativo do cartão de crédito. 

O correto

Já entre as qualidades de quem tem bom potencial para crédito estão os fatos de fazer algumas aplicações, não passar cheque sem fundos, reduzir o endividamento, gastar com consciência e pagar as contas em dia. E, por incrível que pareça, quanto maior for o salário e as chances de ascensão profissional, mais baixas serão as taxas de juros que pagarão.


Sua conta

Viver sem ter uma conta bancária é tarefa quase impossível. Afinal, a praticidade e a segurança que um banco tem a oferecer a seus clientes são uma verdadeira “mão na roda”. Entretanto, para muitos consumidores, as taxas praticadas pelas instituições financeiras não compensam e deixam de cabelos em pé até mesmo o mais tranquilo dos correntistas. 


Planejamento

Você pode viver com tranquilidade se for um consumidor consciente da crise em que atravessamos: a inflação sempre crescendo, a produção caindo, o desemprego aumentando e o dólar em disparada. É só ser consciente de que deve manter uma vida economicamente correta, reduzindo gastos, até mesmo no item alimentação, pesquisando preços, trocando de marcas e pagando suas contas em dia. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia