Acompanhe nas redes sociais:

18 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 837 / 2015

09/09/2015 - 17:09:00

Número de apreensão de veículos em Alagoas quadruplica em um ano

De janeiro a julho de 2014 foram autuados 4.059 motoristas; no mesmo período deste ano, as infrações ultrapassaram os 15 mil

Maria Salésia [email protected]

O desrespeito ao que estabelece o Código Nacional de Trânsito tem causado transtorno para centenas de motoristas alagoanos. O número de abordagem em 2015 quase que quadriplicou, em comparação a 2014. No ano passado, de janeiro a julho, o Detran autuou 4.059 motoristas pelas mais variadas infrações, contra 15.091 autuações este ano. A diferença nos números tem dividido opiniões e causado polêmica. Para se ter uma ideia do trabalho em conjunto do BPTran, 5º BPM e SMTT, apenas  em uma operação  realizada no início desta semana no Complexo Benedito Bentes foram recolhidos 30 veículos e 52 autuações por diversas irregularidades no trânsito.

Segundo relatório comparativo de estatística da produção operacional do BPTran, em janeiro de 2014 foram 514 autos de infração; em fevereiro do mesmo ano, 502; em março, 460; abril, 421; maio, 550; junho, 1.005; e julho, 607. No mesmo período, 75 veículos foram removidos em janeiro, 58 em fevereiro, 47 em março, 98 em abril, 27 em maio, 18 em junho e 97 em julho; num total de 583. Naquele mesmo período, 220 CNH foram recolhidas. Sendo que 18 em janeiro, 23 em fevereiro, 45 em março, 33 em abril, 24 em maio, 55 em junho e 22 em julho. Com embriaguez ou recusa, 65 pessoas foram autuadas. Dessas, oito em janeiro, 10 em fevereiro, sete em março, quatro em abril, mais quatro em maio, 22 em junho e 10 em julho. Com armas, apenas três foram encontradas durante as operações.  

O quadro muda ao comparar com os dados computados até 27 de julho deste ano. Segundo dados da tabela, em janeiro de 2015 aconteceram 1.279 autos de infração; em fevereiro do mesmo ano, 1.721; em março, 2.029; em abril, 2.177; em maio, 2.752; em junho, 2.404; e em julho, 2.729. No mesmo período, 164 veículos foram removidos em janeiro, 173 em fevereiro, 351 em março, 154 em abril, 250 em maio, 158 em junho e 152 em julho; num total de 1.402. Naquele mesmo período, 417 CNH foram recolhidas. Sendo que 69 em janeiro, 61 em fevereiro, 65 em março, 47 em abril, 75 em maio, 43 em junho e 57 em julho. Com embriaguez ou recusa, 208 pessoas foram autuadas. Dessas, 36 em janeiro, 29 em fevereiro, 39 em março, 20 em abril, 38 em maio, 14 em junho e 32 em julho. Com armas, apenas cinco foram encontradas durante as operações.   

Vale ressaltar que a estatística da Lei Leca não foi computada nos dados acima. Mas as multas são geradas seja por proprietários de veículos que foram estacionados em calçadas e jardins, dificultando a circulação de pedestres, seja por irregularidades na documentação e nos vidros, velocidade, entre outras. Sem contar que, dependendo da infração, os proprietários dos veículos são penalizados com pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). No caso grave, multa é de R$ 127 e 5 pontos na CNH. 

Segundo o subcomandante do Batalhão de Policiamento  de Trânsito (BPTran), major Felipe Lins, o trabalho é resultado de ações conjuntas realizadas pela polícia. Ele disse que não houve incremento no efetivo, mas o diferencial é que o comando está sempre à frente das operações, vai à rua todos os dias e antes não era feita essa fiscalização mais efetiva.  E completa que são 20 motos em ação e cinco viaturas diariamente nos mais variados pontos da cidade de Maceió. Sendo que em lugares estratégicos como orla, mediações do Mercado da Produção, no bairro da Levada e na parte alta da cidade existem veículos exclusivos para aquelas localidades.

Lins rebate informações de que estão gerando fábrica de multas. Ele garante que a fiscalização é feita de forma responsável, inclusive que as notificações só acontecem durante a abordagem. E exemplifica que a multa só acontece se o condutor for abordado. É o caso de motos: se não paradas, não acontece a multa apenas por anotar a placa “para não acontecer essa situação”. Ele garantiu que “não queremos fábrica de multa. As abordagens são legítimas, mas quem achar que a notificação é indevida pode entrar com recurso”, orientou Lins.

Estacionar em local impróprio, como porta de escolas, rampas, e falar ao celular enquanto dirige são algumas das infrações mais corriqueiras. No entanto, é comum ver fotos postadas em grupos relacionados ao trânsito de pessoas que fiscalizam cometendo a mesma infração.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia