Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 836 / 2015

02/09/2015 - 07:16:00

Sururu

Ataque ao erário

Da redação

A cultura da licitação parece que ainda não sensibilizou alguns órgãos públicos em Alagoas, que insistem na compra de material pelo sistema de Atas de Registro de Preços. Caminho mais curto na prática de surrupiar o erário.No governo tucano, essa prática criminosa gerou escândalos e ações judiciais contra gestores corruptos. Por isso a Procuradoria-Geral do Estado deve estar atenta às novas investidas, que já estão acontecendo.  

 

Imbróglio jurídico

 

A Cerâmica Portobello e duas outras indústrias do Polo de Marechal Deodoro correm o risco de despejo antes mesmo de sua inauguração, prevista para este ano.As empresas estão sendo implantadas em áreas de litígio, cedidas irregularmente pelo ex-secretário estadual Luís Otávio Gomes, o LOG, que envolveu o Estado num grande imbróglio jurídico.

 


Encrenca grande

 

Para se ter uma ideia do tamanho da encrenca, só a Portobello - que investiu mais de R$ 200 milhões na nova planta industrial - está impedida de iniciar a produção enquanto o Estado não resolver a pendenga.

 

 
Fraude

 

O terreno em litígio tem 200 hectares e pertence a um posseiro legal, reconhecido pela Justiça. Mas o ex-secretário LOG achou que podia passar o trator por cima de tudo e todos e forçou governo tucano a fazer uma desapropriação fraudulenta da área. Uma fraude com aval da Justiça e a conivência do cartório de Marechal. 

 


Arrogância

 

Na época, o posseiro da área até propôs um acordo judicial, que esbarrou na arrogância do secretário Luís Otávio. Hoje, só resta ao atual governo desapropriar o terreno e legalizar as áreas cedidas às indústrias.

 


Despejo

 

O imbróglio já passou pela mão de vários juízes e desembargadores, e nenhum deles conseguiu desatar o nó jurídico deixado por Luís Otávio Gomes.  Ao dono da terra resta o recurso extremo de entrar com ação de despejo contra as novas indústrias.

 

Arrumação

 

A trapalhada jurídica caiu agora no birô do desembargador Tutmés Airan, que também não vê saída legal, a não ser a desapropriação da terra, dessa vez como manda a lei. Qualquer outra saída é arrumação, sem sustentação legal.

 


Sinuca de bico

 

Na situação em que o processo chegou, se o governo atual fizer acordo, não tem como pagar legalmente a indenização. Além de se  constituir em ato de improbidade, estaria reconhecendo o esbulho.

 


Posse legal

 

Vale registrar que a área em litígio pertenceu à falida Codeal e foi parar na CARHP, órgão estadual que administra o patrimônio das autarquias e empresas estatais que quebraram nos últimos 20 anos.  Em ação de usucapião, a CARHP desistiu do processo e abriu caminho para o posseiro legalizar a posse da terra, mansa e pacífica, sem contestação.

 

Sem festa

 

Pouco afeito à diplomacia, Flaubert Torres Filho nem precisou de solenidade para reassumir a Prefeitura de Viçosa, na última terça-feira. Chegou só à sede da prefeitura, sentou-se na cadeira de prefeito e, na primeira canetada, demitiu todos os comissionados. 

 


Pai herói

 

O boiadeiro Delson Sampaio, da Viçosa, que faturou R$ 2 milhões na quina da Mega-Sena, vai dividir o prêmio com seus 22 filhos. Mas a filharada só verá a cor do di-nheiro quando cumprir a promessa feita pelo pai: subir, de joelhos, os 125 degraus da estátua de Padre Cícero. E pagar o dízimo de Padim Ciço do Juazeiro. 

 


Impunidade

 

Dos 500 parlamentares investigados desde 1988, só 16 foram condenados pelo STF. Apenas metade dos condenados cumpriu ou cumpre pena. Cinco escaparam da punição porque seus crimes prescreveram. Dados são da Revista Congresso em Foco, mostrando como a lentidão da Justiça favorece a impunidade de políticos.  

 


Sonhador 

 

O deputado federal Cícero Almeida almeja o apoio do senador Renan Calheiros (PMDB) para disputar a Prefeitura de Maceió. Sem a bênção do presidente do Senado, Cícero não vai colocar sua cabeça para fora. Será que esse sonho se tornará realidade?!

 

Sujeira 1

 

O que era uma suspeita e folclore entre os moradores de Maceió agora foi confirmado pela Polícia Federal através do delegado André Santos Costa. Ou seja, os maceioenses tomam um verdadeiro banho de fezes. Durante coletiva para im-prensa foi revelado que o trecho da praia entre a Avenida Jatiúca e a antiga Amélia Rosa está impróprio para banho. 

 


Sujeira 2

 

O IMA pode ser responsabilizado por não informar aos populares a condição para os banhistas. Quem também pode estar na mira da PF são agentes públicos do município de Maceió. Em breve, a PF irá colher o depoimentos de algumas pessoas ligadas à administração municipal. 
Novela Até agora, a novela sobre a nomeação do novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado não saiu do papel. Há quem diga que existe a possibilidade de uma reviravolta no caso, e um deputado estadual já estaria de olho grande na vaga. 

 


Juntos 1

 

O deputado federal Ronaldo Lessa (PDT) começa a sinalizar uma aliança com o prefeito Rui Palmeira em 2016. Lessa já encaminhou algumas emendas para a capital. Parece que a parceria está próxima. 

 


Juntos 2

 

O vereador Wilson Júnior (PDT) deu sinal verde para aproximação. O parlamentar já declarou nos bastidores que Rui é um bom nome e segue trabalhando de forma dedicada por Maceió. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia