Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 833 / 2015

13/08/2015 - 07:33:00

Choques elétricos mataram 28 pessoas em Alagoas no ano passado

Das 627 mortes registradas no Brasil, 180 aconteceram dentro de casa

José Fernando Martins Especial para o EXTRA Um estudo apresent

Um estudo apresentado pela Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel) revelou que 627 pessoas morreram em acidentes fatais provocados por choques elétricos no país durante o ano de 2014. O estado com a maior porcentagem de mortes proporcionais ao número de habitantes foi Alagoas, com 8,43 casos por 1 milhão de habitantes, seguido do Piauí, com 8,14/1 milhão de habitantes.

Desse total, 180 mortes aconteceram dentro de casa, 79 em estabelecimentos de comércio de pequeno porte e quatro em escolas, entre outros locais. A região que apresentou o maior número de acidentes fatais foi o Nordeste, com 266 ocorrências. O Sudeste teve 123 óbitos; o Sul teve 118 vítimas fatais; o Centro-Oeste, 66; e o Norte foi a região com o menor número de mortes, 54. 


O estado que mais sofreu com o problema foi a Bahia, com 68 casos. Em seguida vieram Pernambuco (51), Ceará (35), Alagoas (28), Piauí (26), Paraíba (20), Maranhão (19), Rio Grande do Norte (14) e Sergipe (5). As causas são variadas: problemas com tomadas e extensões, cercas eletrificadas, eletrodomésticos e até chuveiros elétricos.

Em relação aos profissionais atingidos em todo o Brasil, o número de pedreiros, pintores e ajudantes supera o de eletricistas: 31 contra 29. Conforme a associação, o ano passado apresentou um aumento de 17,7% no número total de acidentes envolvendo eletricidade em relação ao ano de 2013. Só nos casos de fatalidade em relação ao choque elétrico, o índice subiu mais de 6% ou seja, em 2013 ocorreram 592 casos de acidentes fatais com eletricidade, este ano o número subiu para 627 mortes. 

Os homens ainda são maioria, com 560 casos contra 67 de acidentes fatais vitimando mulheres. A faixa etária mais atingida é de pessoas com idade entre 31 e 40 anos, com 166 ocorrências. As crianças também sofrem com os problemas nas instalações elétricas: foram 69 casos fatais em pessoas de 0 a 15 anos.

Os acidentes envolvendo eletricidade que, de acordo com o levantamento, somam os choques elétricos aos incêndios por curtos-circuitos e também acidentes envolvendo descargas atmosféricas (raios) foram de 1.222 em 2015 (em 2014, este total foi de 1.038 acidentes). O total de acidentes com choques elétricos foi de 822, sendo 627 fatais.

 No caso dos curtos-circuitos, foram 311 casos, sendo que 295 evoluíram para incêndio resultando em 20 mortes (todas elas em residências). As descargas atmosféricas foram responsáveis por 89 acidentes, sendo que 46 pessoas perderam a vida. Dos 295 incêndios originados por curtos-circuitos, 136 ocorreram em ambientes residenciais (casas, apartamentos, sítios, fazendas), sendo que 118 ocorreram em residências unifamiliares (casas). Nesses acidentes em residências, 20 pessoas morreram.

Perigo dentro de casa

Ainda segundo levantamento, a maioria dos acidentes em ambientes residenciais se deve ao uso de extensões, benjamins e tomadas, que acabaram vitimando 89 pessoas. Os acidentes envolvendo sobrecargas de energia que evoluem para curtos-circuitos e então para incêndios subiram muito em 2014, e a região Sudeste se destaca neste quadro com 39% das ocorrências.

Para se precaver, a rede elétrica da residência, comércio ou indústria deve passar por manutenção a cada dois anos. Peça para profissionais qualificados fazerem a inspeção. Tome cuidado com fios e tomadas, principalmente se houver crianças na casa. Confira se os fios estão bem encapados e tampe as tomadas com protetores encontrados em lojas de decoração e materiais de construção.

Nunca ajuste a temperatura do chuveiro elétrico ligado. Desligue a fonte para isso, pois o banheiro é uma área de muita umidade, o que não combina com energia elétrica. Geladeira ou qualquer equipamento que esteja dando pequenos choques, mesmo aqueles quase imperceptíveis, precisam ser trocados. 

Equipamentos como chapinha e secador de cabelo não devem ser usados no banheiro. Use-os no quarto ou em um local bem seco. Não os use com o corpo ainda molhado, após sair do banho. Durante raios e trovoadas, não toque em equipamentos que estejam ligados na tomada e não use celulares ou pequenos dispositivos que estejam carregando.

Saia de perto das janelas e portas e não utilize o telefone fixo, pois o aparelho também está ligado na rede. Se precisar, use o celular, mas nunca com o carregador na tomada.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia