Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 832 / 2015

05/08/2015 - 18:39:00

Vai fiscalizar ou não?!

JORGE MORAIS Jornalista

Recentemente, a mídia nacional divulgou que os policiais de trânsito (agentes) estariam fazendo cumprir uma resolução antiga do Conselho Nacional de Trânsito, mas que somente agora seria colocada em prática: o uso de películas nos automóveis de passeio e de transporte coletivo, como táxi, por exemplo. Quem estivesse usando o famoso vidro fumê fora dos padrões exigidos seria multado, e o material seria retirado imediatamente.

Em caso de desobediência, outra multa.Agora, os veículos terão tonalidades claras e escuras, numa distribuição que varia de 75% a 28% de transparência. Isso é bom ou ruim? Fica bonito ou não? Dizem eles, na justificativa para o cumprimento dessa resolução, que não tem nada com beleza ou bondade, mas, simplesmente, uma questão de segurança. Pergunto outra vez: segurança para quem vai dentro do automóvel ou facilidade para quem está do lado de fora?Se o veículo circula com vidros quase sem transparência, realmente pode ser um perigo para quem está fiscalizando, pois não se sabe quem está lá dentro.

Mas, se o veículo circula com muita transparência, ajuda os bandidos que estão lá fora esperando pelas facilidades da vida, principalmente quando estão dirigindo velhos e mulheres. Objetos não devem ser deixados dentro dos carros. Som, pastas e mercadorias serão bastante atraentes para os larápios.Dito tudo isso, quero saber: quando começarão a fiscalização e a aplicação das penalidades? Nessa hora de leitura, muita gente deve estar reclamando e amaldiçoando o meu artigo.

Questiono o assunto porque poucos são os veículos que estão circulando sem a película fumê. A impressão que tenho é que, sejam leis ou resoluções, elas não foram feitas para serem cumpridas.As autoridades policiais de trânsito precisam se posicionar na mídia em relação a essa fiscalização e a aplicação das penalidades.

O BPtran e a SMTT precisam falar e dizer alguma coisa. Se houver um acordo para não fiscalizar, deixar isso para lá, ótimo não precisa dizer nada. Mas, e esse acordo, se é que existe, passou pela Polícia Rodoviária Federal também? Pode-se viajar tranquilo que nada vai acontecer de desagradável aos motoristas?Dizem, é apenas conversa de ouvir dizer, que o acordo existe e eles estão maneirando, porque muitas autoridades do Estado estão buscando junto a juízes uma liminar ou qualquer outra coisa do gênero para garantir o uso da película fumê fechada.

Seria um salvo conduto, e essas autoridades precisam de tempo. Acho isso injusto. A minoria, minoria mesmo, vai contar com um direito que a maioria, maioria mesmo, não vai poder contar.Entre essas autoridades estariam, principalmente, deputados, vereadores, policiais e jornalistas. Isso mesmo, jornalistas que entendem desempenhar uma profissão de risco e não podem ficar expostos a transparência dos veículos.

O mesmo que é dito para os policiais civis e militares. Mentira ou verdade, esse é o comentário que circula em toda a cidade.Dá para desconfiar porque, se a cidade é a mesma; os carros são os mesmos; os agentes de trânsito que fiscalizam são os mesmos; e a resolução do Conatran é para todos, porque até agora nada mudou? Essa resposta gostaria muito de receber das autoridades constituídas. Esse não é o meu caso, porque no primeiro dia mandei tirar tudo, está transparente como quando saiu da fábrica. Agora, em nome dos outros, pergunto: eles podem ou não andar com vidro fumê? Se podem, também quero, sem sustos. Só isso...

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia