Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 831 / 2015

29/07/2015 - 10:49:00

Comissão Nacional de Clubes

JORGE MORAIS Jornalista

Existem alguns ditados populares que se encaixam, perfeitamente, em alguns casos ou setores ligados às entidades públicas ou privadas. Frases como: “Esmola grande, até cego desconfia”; “Gato escaldado tem medo de água fria”; “Casa de ferreiro, espeto de pau”; “Quem vê cara, não vê coração”; “Dize-me com quem andas, e eu te direis quem és”; “passarinho que acompanha Morcego, dome de cabeça para baixo”; “Quem com porcos se mistura, farelo come”.  

Essas são, apenas, algumas das frases que podem se encaixar muito bem em relação aos dirigentes do futebol brasileiro. Recentemente, a direção da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) resolveu criar uma Comissão Nacional de Clubes, com cinco representantes da Série A, dois da Série B, e um das Séries C e D.

Com qual objetivo isso foi feito? Segundo eles, para moralizar, concertar e salvar a administração do nosso principal esporte, o futebol, nacionalmente e nos estados.Pela Série A, já foram indicados os presidentes de Atlético-MG, Grêmio/RS, Corinthians/SP, Atlético-PR e Fluminense/RJ. Para completar a comissão, a CBF está aguardando a indicação dos representantes das outras séries que comporão a equipe de trabalho, quando, inicialmente, o presidente e o relator serão escolhidos entre eles. Eles dizem que, com a Comissão, os clubes terão mais autonomia para organizarem as competições nacionais (como regulamento, tabela e horários das partidas).

Por que os dirigentes não fizeram isso bem antes, quando o nosso futebol começou a cair, a seleção brasileira a perder espaços no ranking e a decepcionar nas últimas disputas de Copas do Mundo, inclusive na do Brasil, em 2014? Sabe qual é a resposta: é que eles ganhavam muito dinheiro com o futebol e não queriam as mudanças. São envolvidos com falcatruas na venda de eventos, jogos, publicidade e marketing. 

Todos eles, desde o José Maria Marin, que está preso na Suíça, passando por Marco Pólo Del Nero, atual presidente da CBF, que fugiu da Suíça para também não ser preso, não foi a Copa América do Chile, pelo mesmo motivo, e não sai do Brasil nem por decreto presidencial, além de dirigentes de federações estaduais e de clubes também. Quem não levou nenhuma grana nesse negócio do futebol, no mínimo, sabia e foi convivente.  

Pois bem: agora vamos à verdade de tudo isso. Você sabe o porquê da Comissão Nacional de Clubes? É que, depois de muito pensar e tentar, os dirigentes de clubes estavam se preparando para criar uma Liga Nacional de Futebol Profissional. Sabe no que isso ia dá? A CBF perderia os direitos e a força de comandar as competições nacionais e não mandaria mais em nada em relação aos clubes. A entidade ficaria cuidando, apenas, das seleções de base e da principal, mesmo assim, com restrições.Criando a Comissão Nacional de Clubes, os dirigentes da CBF vão transferir os poderes para os cubes, entre aspas, porque ela, no final das contas, é quem vai continuar mandando nos clubes e nas competições por ela organizadas.

Ao mesmo tempo, Marco Pólo Del Nero pretende, com isso, dá um “cala boca” na Comissão do Futebol, criada pelo Senado, com a presidência entregue ao senador Romário, inimigo ferrenho dos dirigentes da CBF e o principal crítico da entidade, há muito tempo.Deixar nas mãos dos clubes a organização do futebol brasileiro e de suas competições, como calendário, regulamento e disputa é cômodo para a CBF que, no final, continuará dando as cartas e administrando tudo, inclusive as contas bancárias, diferente do que seria se fosse criada a Liga Nacional de Futebol, como em todas as partes do mundo, onde a entidade maior do futebol cuida, apenas, de suas seleções.Portanto, meus amigos, não se iludam com essas medidas rápidas e salvadoras do futebol.

É tudo uma enganação dos mesmos dirigentes que estão presos, com medo de deixar o País, e ricos, muito ricos, em troca de um futebol pobre, com clubes endividados, devendo encargos a Nação, aos seus profissionais e colaboradores. Esta é a realidade que muita gente não sabe, ou sabe e não quer enxergar.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia