Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 830 / 2015

22/07/2015 - 10:43:00

Filhos que sentem vergonha de seus pais

José Arnaldo Lisboa - [email protected]

Quando eu fui aluno do Grupo Escolar Demócrito Gracindo, de Mata Grande, eu sempre recebia estímulos patrióticos das professoras, pois tínhamos no currículo escolar a matéria “Educação Moral e Cívica”, hoje eliminada pelos criminosos que comandam a nossa Educação. É esse mesmo pessoal, tido como técnicos, que prefere “formar doutores” para serem diplomados em cursos ministrados “à distância” e que, mal aprendem a soletrar o “bê-a-bá”.

Eliminaram do currículo a importante matéria, porém, foi através dela que aprendemos a cantar o Hino Nacional e quando aprendemos a saber quantas e quais eram as cores da nossa bandeira. Foi quando aprendemos  a ter respeito aos professores. Foi quando aprendemos a admirar o Brasil, como um país com um futuro promissor, com inúmeras riquezas, com florestas em abundância e o um povo alegre e ordeiro. Cresci, me formei e passei a ser professor de Física do Colégio de São José, em Maceió, quando ainda havia respeito aos mestres e onde as freiras não permitiam que nós, professores, déssemos aulas, sem o uso do paletó e da gravata. Nesse tempo, nós ainda não sabíamos o que era corrupção ou onde havia corrupção.

O tempo passou, ...passou, ...passou  e, hoje, eu estou ouvindo ou lendo notícias sobre corrupção em todos os momentos e em todos os meios de comunicação, tanto nos Palácios, como no Senado, nos Legislativos e, até, nos Tribunais. A corrupção tomou conta do Brasil, deixando que ela dominasse todas as atividades, sociais, comerciais, educacionais, econômicas e políticas.

Nos nossos grupos escolares, nessa época, nós ainda não sabíamos o que era quadrilha, propina, escândalo, prisão domiciliar, venda de sentença, cinismo e outros aleijões morais, nos quais estamos mergulhados, devido à nossa política partidária e aos nossos dirigentes propineiros.

Na minha época, ainda existiam homens de bem, que não envergonhavam os filhos, porém, as coisas mudaram para o pior. Eu nunca imaginei que chegássemos ao ponto dos filhos se envergonharem dos seus pais, quando vendo-os algemados ou com tornozeleiras eletrônicas, como ladrões de galinha.

Por causa de certos políticos e executivos que temos, a anarquia tomou conta das nossas instituições, fazendo com que a nossa Saúde, a nossa Educação e a nossa Economia, tenham ficado bagunçadas. Por causa deles, o que vemos são jovens com futuros sombrios, por causa das drogas, já que os governos não se preocupam em combatê-las.


 Em tempo – A minha inteligente ex-aluna, a sra. Tânia Belém, disse gostar dos meus artigos. E ela é da época na qual professores eram respeitados. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia