Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 830 / 2015

22/07/2015 - 10:38:00

Gabriel Mousinho

Efeito da Lava Jato

Somente os incrédulos não admitiam sequer que a Operação Lava Jato chegasse tão forte em Alagoas e com estardalhaço, com busca e apreensão na forte Organização Arnon de Mello, que tem como principal carro-chefe a poderosa TV Gazeta afiliada da Rede Globo.Por determinação de ministros do Supremo Tribunal Federal, a Lava Jato ainda promete  muitos lances envolvendo personagens do Estado de Alagoas. Uns atribuem à busca e apreensão como uma reação do Ministério Público numa pendenga envolvendo o senador e o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot.

 Outros acham que o STF encontrou indícios suficientes para mais esta nova etapa da Operação Lava, que a cada dia se robustece com novas denúncias.Na verdade toda essa Operação se transformou num escândalo nacional e deixou exposto a figura do ex-presidente, que achou desnecessária esta invasão para busca e apreensão nas suas casas em Brasília e Maceió.

Pelo que se observa o cerco começa a apertar e o Supremo Tribunal Federal dá mostras de que todos esses processos de corrupção envolvendo a Petrobras não ficarão por isso mesmo. Alguns podem até perder o mandato e outros certamente virão o sol nascer quadrado.

Reação do Senado

A invasão por agentes federais das residências de senadores em Brasília foi tida como uma violência, o que poderia, futuramente, inviabilizar o inquérito onde estão envolvidos políticos enrolados na Lava Jato por suspeita de que teriam recebido propinas desviadas da Petrobras.


Ordem do STF

É bom lembrar que os mandados de busca e apreensão nas residências e empresas de políticos investigados na Lava Jato, foram determinados por ministros do Supremo Tribunal Federal, que entenderam ser necessário este tipo de investigação. Nenhum dos investigados se referiu ao STF.


Onda contra Renan

Aos poucos as tempestades da Lava Jato empurram o senador Renan Calheiros para o olho do furacão. O senador tem reagido a insinuações, mas parece que a onda ronda cada vez mais no presidente do Senado. Collor e Renan foram os mais atingidos nos últimos dias.


Risco iminente

Não é só a Operação Lava Jato que está fazendo tremer os alicerces de Brasília; outras deflagradas pela Polícia Federal em todo o Brasil, também. Em Alagoas tem várias em curso e até a Casal está sendo investigada por poluir uma das praias mais bonitas do país.

Sem surpresa

Que foi um novo escândalo que atingiu principalmente Alagoas, ninguém tem dúvidas, como também não tinha dúvidas de que alguma coisa estava pra acontecer e que a sucessão de denúncias iria terminar nesses constrangimentos.


Todos vulneráveis

Com as ações feitas pela Polícia Federal envolvendo três senadores e ex-ministros, ficou bastante claro que a Operação Lava Jato é pra valer e que isso não vai terminar em pizza, como se é acostumado a ver em CPI,s improdutivas no Congresso Nacional. Depois de Collor, Ciro Nogueira e Fernando Bezerra, qualquer um, envolvendo autoridades e políticos de grande expressão nacional podem ficar enrolados com a Justiça Federal.


Grande proporção

Assim como no processo do Mensalão,a Lava Jato está tirando o sono de muita gente importante,inclusive do Palácio do Planalto, com as recentes denúncias do presidente da UTC, Ricardo Pessoa. Pelo andar da carruagem, ninguém sabe o que possa acontecer daqui pra frente neste país.

Pressão

Depois da criação de 120 cargos comissionados, os deputados não têm mais sossego. A pressão é grande em torno de uma boquinha na Assembleia Legislativa. Mesmo sem pagar o que deve aos seus trabalhadores, a Assembleia faz um despesa considerada desnecessária no momento, como a contratação da Fundação Getúlio Vargas para uma auditoria na folha de pagamento.

Críticas

Um dos poucos deputados que reagiu à contratação de novos servidores, que não terão lugar nem para sentar, foi Galba Novaes. O momento foi inoportuno, disparou o deputado que está indo de encontro a algumas medidas adotadas pela Mesa Diretora.


Descrédito

As medidas de aumento da despesa na Assembleia têm sido motivos de críticas da população. O presidente Luis Dantas, que estava disposto a dar nova cara à instituição, parece que entrou na rotina e capitulou diante das pressões recebidas. Entrou na mesmice de Mesas anteriores.


Inusitado

Pela primeira vez na história da OAB as oposições se reúnem para bater chapa com a situação. O esforço que terminou com sucesso, foi capitaneado pelo advogado Marcelo Brabo, reunindo Omar Coêlho de Melo, Welton Roberto e outras lideranças. As oposições, renunciando qualquer candidatura, lançaram o nome do advogado Fernando Falcão para presidir a OAB, com reais chances de vencer as eleições.


Sem entender

Ninguém sabe se o governo tem preferência por um ou por outro município. Ultimamente foi anunciado  que Delmiro Gouveia iria criar um pólo fabril com 400 vagas, enquanto Murici, criado há cinco anos, tem apenas 20 empregados. Ou tem proteção política ou a coisa anda muito errada.


Aqui não entra

O prefeito de Palmeira dos Índios, James Ribeiro,tucano de carteirinha, inaugurou uma nova forma de fazer política no município. Proibiu, vejam só, a entrada do vice-prefeito Vicente Targino, do PRTB, nas dependências da prefeitura, por não rezar na sua cartilha. Targino teria se lançado candidato à sua sucessão, enquanto Ribeiro apóia a candidatura de Edval Gaia, o pai, do PMDB.

Recado duro

Único secretário com um alto índice de aprovação, Alfredo Gaspar de Mendonça mandou um recado duro à bandidagem e aos políticos: não vai admitir crimes, nem tampouco os de encomenda principalmente durante o período eleitoral do próximo ano.


Convidado 

O jornalista Bernardino Souto Maior foi convidado especial do presidente da Confederação de Voleibol para assistir a final da Liga dos Campeões, no Rio de Janeiro, nesse domingo. Toroca, presidente da entidade, é um velho conhecido de Souto Maior, que acompanhou sua trajetória política durante décadas. Homenagem merecida.


De fora

O ex-governador Téo Vilela tem ensaiado uma reação política com olho em 2018, mas não quer assumir compromissos, principalmente financeiros nas eleições para prefeito no próximo ano. Não quer gastar ´´bala´´ à toa. Prefere investir mesmo na campanha para o Senado, principalmente se fizer uma dobradinha com o senador Renan Calheiros, velho conhecido e parceiro político de tempos atrás.


Sinalização

Téo Vilela, ao contrário do que se esperava, tem sido poupado pelas críticas do governador Renan Filho. Observa, de longe, uma nova parceria do tucano com o cacique mor do PMDB, que luta com todas as armas para renovar o seu mandato de senador.

Sem sustos

O senador Biu de Lira tem dito, frequentemente, em conversas com seus aliados, que não teme amarradinhos nem tampouco esqueminhas montados para lhe tirar o mandato. Confia nos seus redutos e no seu eleitorado. Todo mundo sabe por que ele perdeu as eleições, afirmam seus amigos. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia