Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 830 / 2015

22/07/2015 - 09:40:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Débito automático, confira sempre!

Você já passou pela situação de ser cobrado pelo pagamento de uma conta que estava em débito automático? Se não, ainda assim fique atento. O problema ocorre devido a um erro da empresa que fornece o serviço a ser pago (que não envia a ordem de débito) ou da instituição bancária (mesmo a empresa enviando a conta e o consumidor tendo saldo, o banco não debita a fatura). Por isso, se você tem contas que são pagas por esse sistema, lembre-se sempre de verificar no extrato bancário se os valores foram de fato descontados. Caso identifique que o pagamento não foi efetuado, entre imediatamente em contato  com a empresa e com o banco, para que esse erro possa ser corrigido. Ainda em relação ao pagamento via débito automático, siga essas dicas:- Fique atento às cláusulas do contrato firmado com o banco. Observe, sobretudo, a tarifa de concessão de adiatamento ao depositante, que será cobrada de você caso não tenha saldo suficiente para pagar a conta. - Ainda no contrato, atenção à cláusula que informa sobre o cancelamento do serviço. Há um prazo para isso: em geral, os pedidos são atendidos em até cinco dias úteis antes do pagamento. Mas os bancos podem levar até 30 dias para encerrar o serviço. Além disso, algumas vezes, pode ser preciso notificar também a empresa (e não só o banco). - Verifique sempre se há saldo suficiente na sua conta para saldar o pagamento. - Evite colocar em débito automático as contas que variam muito mês a mês. - No débito automátio de cartões de crédito, o valor integral será debitado. 

Empréstimo , nunca mais!

Medida tomada semana passada pela presidente Dilma Rousseff, autorizando o aumento de 30%´para 35% no comprometimento da renda do assalariado para conseguir um empréstimo consignado, foi a mais absurda possível. Como pode num momento de total descontrole econômico, endividamento elevado e juros altos, incentivar o consumidor a se endividar mais ainda! O incentivo é para o banqueiro e jamais para o consumidor. O primeiro lucra fácil, porque não tem qualquer preocupação com a falta de pagamento das prestações, já que o que emprestou receberá o triplo e com garantia, enquanto o segundo vai perdendo aos ´poucos o seu poder de compra. 


Fuja disso!

A coluna vem alertando os leitores para não cair na armadilha de bancos e financeiras com o chamado “dinheiro fácil” e sempre lembrando que vai chegar o tempo em que não consegue sobreviver com tanto endividamento. Se ganhar R$ 1.000,00, pode tirar um empréstimo para pagar uma prestação mensal de R$ 350,00, ficando apenas com R$ 650,00 para as despesas fixas de aluguel ou prestação da casa própria, energia, água, telefone, Internet. E a alimentação, o transporte e outras despesas. É possível sobreviver assim? Claro que não. E mais, esse compromisso que é descontado no salário, tem prazo longo: até seis anos(72 meses). 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia