Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 829 / 2015

15/07/2015 - 19:13:00

Ex-vereador sofre atentado após denunciar Zé Pacheco ao EXTRA

Atla de Lima Santos relatou desmandos praticados no município de São Sebastião

João Mousinho [email protected]

O coronelismo em Alagoas parece não ter fim. O ex-vereador de São Sebastião e principal nome da oposição no município, Atla de Lima Santos, sofreu retaliação do ex-prefeito José Pacheco, tio do Charles Pacheco (PP) prefeito de São Sebastião. Após ser liberado na sede da Polícia Federal, em Maceió,  no dia 18/6 às 21h, os correligionários da família Pacheco realizaram uma carreata para comemorar sua soltura. 

 

Durante a carreata vários veículos, inclusive o do filho de José Pacheco, Henrique Pacheco, estiveram participando das comemorações que se estenderam até a Avenida Carlos do Vale Ferro uma das principais em São Sebastião e onde Atla de Lima Santos reside. Chegando até o local, três homens encapuzados em cima de uma caminhonete de cor branca jogaram um bomba de fabricação caseira na casa de Atla de Lima. “Uma semana antes de José Pacheco ser preso, eu denunciei os desmandos praticados pelo seu sobrinho e o rombo que ele tinha deixado na Prefeitura de São Sebastião.

 

Essa ação orquestrada por José Pacheco só demonstra o seu perfil violento e a forma com que ele conduz a coisa pública”, destacou o ex-vereador do município. Várias vidraças foram quebradas com os estilhaços da bomba. Atla revelou que o pior só não aconteceu porque existe uma área onde a bomba foi jogada até chegar de fato a sua residência. “Tenho duas funcionárias que estão assustadas até hoje e com receio de novas ações criminosas. Tenho dois filhos, um pequeno de 3 anos, esse até hoje sofre com a consequência da atitude dos marginais. Meu filho não pode ouvir uma zoada mais forte que se assusta”, colocou. Atla de Lima encaminhou para Polícia Federal (PF) o vídeo que flagra os homens encapuzados jogando a bomba em sua residência. “O delegado Polybio Brandão Rocha já está de posse de todas as imagens; em menos de 24 horas José Pacheco foi preso pela PF, pagou fiança e a noite já estava praticando mais um ato de autoritarismo e intimidação”, desabafou.

 

(Confira o vídeo em https://www.youtube.com/watch?v=B778Q-QSQ2k)

Reportagem teria motivado acerto de contas 

 


A administração do ex-prefeito de São Sebastião, José Pacheco (PP) e do atual prefeito, Charles Pacheco (PP), foi alvo de denúncias do ex-vereador Atila de Lima na edição 825 do jornal EXTRA. O ex-parlamentar encaminhou uma série de denúncias para o Ministério Público Estadual onde relata desvios no sistema de previdência do município: Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município (IPAM).  Segundo os dados encaminhados ao MP, o rombo já ultrapassa, com a correção montária, mais de R$ 10 milhões.

 

“Os descontos dos funcionários sempre foram realizados pela prefeitura desde a gestão de José Pacheco, assim como na administração de Charles Pacheco, mas nunca foram repassados para o IPAM”, contou Atla durante a entrevista. O ex-parlamentar adiantou, ainda na edição 825, que a prática que ele classifica como “criminosa” foi apenas repetida e aperfeiçoada pelo atual prefeito Charles Pacheco. “José é tio de Charles; o modus operandi dá dupla foi denunciado aos órgãos competentes. Acredito na Justiça e na resposta do MP a essa dupla que sempre se locupletou do erário”, desabafou. 

 


A PRISÃO

 


A operação da Polícia Federal intitulada Bacamarte, desencadeada na manhã do dia  18 de junho nas cidades de São Sebastião e Recife (PE) terminou com a prisão do ex-prefeito do município São Sebastião, José Pacheco Filho, e do vereador Gilvan Porfírio dos Santos.Ambos foram presos por porte ilegal de arma de fogo, após mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região(TRF-5). A PF cumpriu no total de cinco mandados dentro da investigação sobre um atentado ocorrido em 2013.De acordo com o superintende da PF, André Santos Costa, a investigação foi desencadeada após uma testemunha de compra de votos em São Sebastião ter sofrido um atentado naquele ano, na zona rural da cidade.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia