Acompanhe nas redes sociais:

20 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 826 / 2015

24/06/2015 - 18:29:00

Associação dos Legisladores Escandalosos - ALE

Alari Romariz Torres Aposentada da Assembleia Legislativa

Quando alimentamos a esperança de que o Legislativo alagoano caminha para dias melhores e normais, estouram novos escândalos. Parece até que alguns dos senhores deputados gostam dos assuntos escabrosos.     

Primeiro, o Fantástico coloca para o Brasil inteiro a estória de duas lavadeiras, supostas servidoras da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), que já tinham recebido 25 mil reais de salários. E a Mesa Diretora não explicou ao povo alagoano o nome do responsável pelas nomeações. Parece que tudo isso é legal e moral. Segundo, na semana passada, vai à tribuna o deputado-pastor, horrorizado por ter viajado com uma funcionária do Legislativo, moradora do Rio de Janeiro, trabalhando em Alagoas, justamente na Assembleia Legislativa. Descobriu o Brasil o deputado que já foi vereador por vários anos.  

Cada parlamentar tem em seu gabinete mais de vinte assessores, com salários dobrados. Pergunto eu ao assustado orador: O prédio da Casa de Tavares Bastos tem espaço suficiente para mais de 500 comissionados? Ou só é fantasma se for efetivo? Onde ficam os amigos do rei? No interior? Na capital?            

No momento, pede a palavra um moço de 50 anos, deputado por várias legislaturas, para dizer que “tem 21 anos de Casa e nunca colocou ninguém na folha de pagamento.” Os céus tremeram e o plenário balançou diante de tamanha inverdade. Nesse período o jovem parlamentar nomeou familiares,  assessores e amigos. Chegamos a 5.000 funcionários. Depois disse que denunciou 200 servidores efetivos colocados na ALE de maneira irregular. Ledo engano! Os 200 afilhados eram comissionados paraquedistas na folha do 13º salário de 2014 dos efetivos. Novamente, a Mesa não disse nada e ainda informou à sociedade não ter pago a gratificação natalina aos assessores. Ainda o jovem deputado, da idade de um filho meu, disparou ofensas para todo o lado. Isso ele sabe fazer como ninguém!     

O primeiro secretário, taturana, informou que não conhecia bem os meandros da ALE. Daí, porque contratou uma auditoria da Fundação Getúlio Vargas. O pobre coitado esqueceu ser participante da Mesa anterior, responsável por vários atos ilegais. Lapsos de memória.      O presidente da atual direção da ALE disse aos servidores que lá ingressaram antes de 1988, para ficarem tranquilos. Aliás, o chefe geral dos dirigentes do Legislativo, foi Primeiro Secretário da Mesa substituta daquela  do Fernandinho e sua turma; também já conhece os porões da Casa.     

Isso tudo narrado agora saiu na Gazeta de Alagoas e aconteceu na 5ª feira, 11 de junho de 2015. Não é firula; aconteceu mesmo.              Aí, vamos analisando o comportamento da atual Mesa Diretora: a auditoria não foi contratada por um milhão e meio de reais para que eles tomassem conhecimento de algo. Eles sabem de tudo, querem escandalizar e punir ativos e inativos. O pai e o filho das irregularidades devem ser punidos, isto é, quem aceitou a ilegalidade e quem a praticou.     

O mentor intelectual dos crimes cometidos por Fernandinho e sua turma deveria ser chamado para explicar aos técnicos da FGV o que fez e porque fez. Segundo ele, está tudo certo e legal; apenas protegeu parentes de grandes autoridades e paga para ver a Mesa atual desmanchar.       

Acho um absurdo precisarmos expor um Poder à execração pública. Mas é impossível conviver com tantos escândalos e tamanhas perseguições. O desrespeito por ativos e inativos é imenso; reclamações nos chegam de grosserias do Primeiro Secretário e nossa arma á a caneta. Enquanto estivermos viva e lúcida, não pararemos de falar. Um dia, quem sabe, tudo voltará a correr normalmente, e aí, poderemos viver em paz.       

É tão fácil cumprir a lei, conviver normalmente com todos, diminuir o número de comissionados, obedecer a alocação das verbas públicas no orçamento, pagar os 15% aprovados pela Mesa anterior, pagar o terço de férias, pagar o que deve à categoria, enfim, fazer a ALE caminhar por trilhos legais, recuperando o Poder, perdido em mãos de dirigentes gananciosos.       

Vamos dissolver a Associação dos Legisladores Escandalosos e criar uma nova entidade: ASSOCIAÇÃO DOS LEGISLADORES EXEMPLARES –ALE.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia