Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 825 / 2015

17/06/2015 - 08:26:00

S.O.S ALAGOAS

Cunha Pinto

Prisões 

Pesquisa nacional para levantar o déficit de celas nas penitenciárias coloca Alagoas na linha de frente com 3,7 presos por vaga numa média nacional de 38%. Em alguns Estados confirmação é de 68% o número de aprisionados que aguardam julgamento.

Expansão da violência

Do estudo consta que em 2012 havia 515.482 presos nas cadeias do Brasil e São Paulo com maior contingente: 190.828 detentos e sequência, pela ordem, Minas Gerais 45.540, Rio de Janeiro 30.906, Rio Grande do Sul 29.243 e Pernambuco 28.769.


Presos x vagas

Alagoas lidera o déficit no sistema prisional com 3,7 vagas por preso; Pernambuco 2,5; Amapá 2,4; Amazonas 2,2 e o Maranhão empatam com São Paulo em 1,9.  Nos demais Estados o quadro se mostra equilibrado.   Dados foram levantados em estatística nacional

Câmara de Maceió

Projetos aprovados na Câmara Municipal de Maceió, mas em primeira discussão, um faz exigência nas escolas da rede municipal para apresentação da carteira de vacinação das crianças. A proposta é do vereador Cleber Costa. De Silvânia Barbosa, consta projeto que prioriza matrícula de aluno com deficiência moderada ou grave na escola mais próxima de onde mora.


Atenção necessária

“Maceió tem hoje uma parcela considerável de pessoas portadoras de algum tipo de deficiência que deveriam estar na sala de aula e a nossa proposta visa garantir para elas o pleno acesso a educação”. Alerta pró-atenção é da vereadora Silvânia Barbosa, autora do projeto.


Está cedo?

Governador Renan Filho (PMDB) teve os primeiros seis meses de seu mandato avaliado como “dentro do esperado” e argumento a necessidade de arrumar a casa. Já para este semestre expectativa é para convivência dele com o Planalto para tocar obras no Estado.


Volta do CPMF

Surpresas são muitas, mas isso em Brasília e dentre as mais recentes tem conversa levantando o retorno da CPMF. Informação divulgada confirma o deputado Vicente Cândido (PT-SP) colhendo assinaturas para tentar oficializar a proposta na Câmara.

Reforma política

1 – Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) diz que a Casa aguarda somente a conclusão da votação da reforma política pela Câmara Federal para definir calendário para análise dos projetos que forem concluído a tempo de vigorar antes das eleições municipais de 2016.
2 – Das razões: “Eu entendo que tem que ser absolutamente transparente e que tem que colocar um limite para que não haja o patrocinador do candidato, o dono do candidato. Eu acho que isso é muito ruim para a democracia”, afirmou Calheiros.


Óbitos de crianças

Também em Alagoas tem algum levantamento de óbitos de crianças vítimas de arma de fogo? Pergunta teve a ver com divulgação na Bandnews citando estatística com 200 crianças mortas em 2014 no Estado e o avanço descontrolado da violência urbana por menores nas ruas.


Para análise

“Não tem no mundo, e pesquisa confirma, país que supere o Brasil na indústria de habeas corpus”.  Afirmação do advogado Edilson Mougenot Bonfim, foi em entrevista no programa “Entre Aspas”, edição do dia 25 de março.Quem cumpre lei?Pode até haver, mas conta nos dedos dono de bar, restaurante, lanchonete, boteco...que não faça “vista grossa” à presença de menor na mesa ou no balcão ingerindo bebida alcoólica. Alheamento lembra outras desatenções, como a “se beber não dirija”.


Quem arrisca?

É comum em Maceió o pedestre reclamar que corre risco de ser atropelado na passagem em área de posto de gasolina sem calçada apropriada, mas de acesso livre para veículo abastecer.  Acham que, como na rua, deveria haver também sinalização de advertência. 


Quando será?

Moradores da região baixa de Maceió estranham não ter sido exibido na propaganda da Prefeitura ausência de obras na cidade que não fossem na região do Benedito Bentes. É questionamento natural movido pela lembrança de que também pagam impostos. 


Na real

Á proporção que o tempo avança para as eleições municipais de 2016, mais explícita vai aparecendo a motivação nos partidos com foco na formação das coligações.  É o princípio do primeiro priorizar alianças. A conduta partidária fica, por isso, para ser decidida depois.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia