Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 825 / 2015

17/06/2015 - 08:10:00

JORGE OLIVEIRA

Grana roubada na conta do Lula

Brasília - E agora? Dos 6 bilhões roubados da Petrobrás, 2 bilhões caíram nas contas da Camargo Corrêa. Quando Zé Dirceu diz que Lula e Dilma estão no mesmo saco tem razão de sobra para tal afirmação afirmar. A Polícia Federal descobriu que a empreiteira doou ao Instituto Lula 3 milhões de reais e mais 1,5 milhão ao LILS – Palestras, Eventos e Publicidades de Luis Inácio Lula da Silva. Ou seja: Lula está envolvido até o pescoço com o esquema que torrou o patrimônio da Petrobrás, a maior empresa brasileira. Quando os petistas defendiam a estatal da provável privatização, tinha um motivo maior para a campanha: queriam se apossar do cofre da empresa e retirar de lá o último centavo, como realmente fizeram em conluio com as empreiteiras.

Para quem tinha dúvidas da participação do ex-presidente Lula nas tramoias do assalto aos cofres públicos, as investigações provam o seu envolvimento. E olha que isso é apenas um aperitivo ( e que aperitivo!), o pagamento de 4,5 milhões de reais ao Instituto Lula e a sua empresa de palestra – que tem o endereço de sua residência. Por menos do que isso, o ex Primeiro Ministro de Portugal, José Sócrates, amigo de Lula, está no presídio, onde, pelo que se sabe, é um dos principais artilheiros do time de futebol.Ora, se o juiz Sergio Moro ainda tinha dúvida de que Lula deveria ser investigado na operação Lava Jato, a Polícia Federal, em um relatório de mais de 60 páginas, aponta todos os indícios que levam o envolvimento do ex-presidente no crime de lavagem de dinheiro.

Até o momento. Descobre-se agora quem pagava as contas de Lula – e o preço que ele cobrava como lobista de luxo - quando se deslocava em aviões das empreiteiras para defender seus interesses nos países africanos beneficiados pelos empréstimos do BNDES.Essa descoberta da PF é apenas a ponta do iceberg. Outras empreiteiras também estão envolvidas com o ex-presidente. Algumas delas, como a Odebrecht, tinha no presidente o seu principal interlocutor com ditadores africanos e países como a Venezuela que também recebeu generosos empréstimos do BNDES.

Descobre-se também agora o porquê do Lula ser ovacionado nas suas palestras mundo afora: era o agente financeiro do BNDES das empresas brasileiras no exterior. Quando ele dava as costas, o banco despejava bilhões de reais nos países visitados.E diante de tantos escândalos que envolvem Lula e Dilma, a dupla que dilapidou o patrimônio brasileiro, a presidente ainda aparece em rede de televisão enganando os brasileiros. Apresenta um programa de infraestrutura para gastar quase 200 bilhões de reais, quando é certo que nada disso vai acontecer.

Outras peças de ficção já foram apresentadas em solenidades iguais a última e, como eram de se esperar,  não saíram do papel. Coincidentemente, essa pirotecnia palaciana só acontecem em momentos de crises a exemplo das que vêm ocorrendo: operação Lava a Jato, ajuste fiscal, prisão de empreiteiros, rapinagem nas empresas estatais, compra da refinaria de Pasadena, delações premiadas, inflação alta, greves, aumento do índice de criminalidade e escândalos pipocando em todos os cantos do país. É um verdadeiro caos gerado por uma presidente que vive no mundo da Lua.

Zé ameaça

O Zé Dirceu está igual aquele cara que durante a orgia manda acender a luz porque até então só ele levou ferro. Se é verdade a confidencia que ele teria feito de que “eu, o Lula e a Dilma estamos no mesmo barco”, o ex-ministro decidiu sair da defensiva para botar farofa no ventilador. Aliás, já está na hora do Zé Dirceu abrir o bico e falar o que sabe sobre o envolvimento do Lula e da Dilma na corrupção no país, como já relataram os delatores da Petrobrás ao Juiz Sergio Moro que apura a bandidagem na estatal.


Consultorias

O ex-ministro, que ainda cumpre pena domiciliar, com restrição da liberdade, teme ser preso novamente pelo envolvimento na operação Lava Jato. Ele é citado como receptador do dinheiro roubado da Petrobrás. Para dissimular os milhões que embolsava das empreiteiras, ele forjava contratos de consultorias para legalizar a propina. No mesmo barco está também Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda, várias vezes acusado de pertencer à  conexão da máfia das construtoras.

Quadrilheiros

O Zé está angustiado. Já anunciou que vai se mandar para Portugal depois que cumprir a pena pela condenação do mensalão, o escândalo que melou para sempre a ética petista, transformando muitos dos seus militantes – alguns da cúpula – em quadrilheiros. Ele sabe que a qualquer hora do dia ou da noite, a Polícia Federal pode bater à sua porta para conduzi-lo de volta ao presídio de onde certamente não sairá tão cedo pela reincidência do crime praticado. Decidiu, portanto, que não quer passar o resto da vida na cadeia, a exemplo do Marco Valério. Por isso, ameaça entregar o Lula e a Dilma, a quem chama de covardes, para que finalmente o país conheça os chefões da quadrilha.


Delação

Dirceu sabe que a sua carreira política foi para o brejo desde que foi cassado e condenado pelos crimes do mensalão. Preferiu o silêncio à delação, ao contrário do João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, no presídio, que ameaça falar tudo que sabe.  O Zé vive choramingando pelos cantos porque se sente abandonado como confidenciou a amigos. Acusa o Lula e a Dilma, a quem ele ajudou a chegar ao poder, de abandoná-lo, discriminá-lo por ter sido condenado no crime de formação de quadrilha. Julga-se, inclusive, injustiçado por responder por todos os delitos cometidos pela quadrilha petista que se apossou do país há mais de dez anos.


Fanfarrão

Na verdade, até agora Dirceu apenas mandou recado. É tudo bazófia. Ele sabe que se abrir o bico também será cúmplice da gatunagem. Mas, como um animal acuado, pode simplesmente colaborar com a Justiça se for novamente preso por não provar a licitude do dinheiro que recebeu pelos contratos de consultoria com as empreiteiras que prestavam serviço à diretoria de Renato Duque, o diretor dele dentro da Petrobrás.


Fala, Zé

Dizer o que sabe da bandalheira, talvez fosse a melhor forma de Zé se redimir diante dos brasileiros. A sua contribuição à Justiça – quem sabe – poderia atenuar seus crimes de lesa pátria se ele realmente decidisse abrir o jogo para contar o que sabe sobre os bastidores da organização criminosa.  Depois que foi abandonado por Dilma, Lula e seus companheiros petistas, parece que não existe outra alternativa a Zé Dirceu, outrora o homem mais poderoso da república, que não seja a de abrir o bico para que finalmente os brasileiros conheçam quem é quem nesse jogo sujo do poder. Só assim, o Brasil acordaria mais honesto.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia