Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 824 / 2015

10/06/2015 - 22:31:00

Estirpe de Macunaíma

Irineu Torres Diretor do Sindifisco Conselheiro Emérito da Fenafisco

O político eleito é a medida do caráter do povo. Na democracia, a eleição e, sobretudo, a reeleição de consabidos velhacos retratam a maioria de uma população sem caráter, estirpe de Macunaíma. De fato, a depender só do Nordeste Brasileiro, a Arena ainda hoje seria hegemônica. O Nordeste tem sido e é assim. Os governos sempre vencem nessas ensolaradas e mansas paragens do Norte. As eleições presidenciais 2014 confirmam essa verdade antropológica.

Vale lembrar que, ainda ontem o PT era oposição, primeiro teve de ser governo com os votos do Sul e Sudeste para, depois, crescer eleitoralmente no Nordeste Brasileiro. Sendo governo, o PT cuidou dese revelarcoronelescamente. Ofertou “cuias de farinha”ao povo nordestino. Grosseira e perversa imitação do estilo Casa Grande e Senzala.O nordestino age de modo inverso ao das demais populações carentes. Os habitantes de regiões com maioria populacional de renda baixa tendem votarem partidos com práticas mais democráticas e socialistas, enquanto, naturalmente, os habitantes das regiões com melhor qualidade de vida tendem votar em partidos mais conservadores. No Nordeste é diferente, o que importa é ser governo.

Sendo governo o nordestino lacaio e reacionário fica a favor, tem tara de votar em qualquer governo. O nordestino pouco “se lixa” por receber “cuias de farinha” pagas com o dinheiro roubado da CONESTE PETROBRAS.O Diabo, sendo candidato “chapa branca”, venceria no Nordeste. Um absurdo sem explicação lógica.

Diante da subserviência do nordestino, o PT, tal qual a antiga Arena, não se faz de rogado e faz pior: Ameaça a liberdade de imprensa; partilha o pré-sal; arromba com a Petrobras,com a Eletrobrás e com os Correios; mente a rodo; favorece o capital desonesto; assalta o BNDES; confessa que lavou e lava dinheiro roubado das estatais brasileiras no seu próprio caixa 1, data vênia a parte, na carada Justiça Eleitoral! Financiou e financia com dinheiro público narcoditadores; sucateia a agroindústria do açúcar e a indústria em geral;reduz o salário médio real;acossa aposentados e pensionistas; entope com farinha boliviana das FARCS a juventude brasileira;usaa índole bajulatória do nordestino e, deste modo,bem amparado por um sem número de “vossas corrupcências”, venceeleições no Nordeste.

“Ontem, hoje e sempre”.“Não há perigo de dar certo”.Os ricos gostarem de ser ricos é logico, outra coisa são os pobres nordestinosgostarem de ser cada vez mais miseráveis. Estupidez.Em fim, nesses dias de assumido e descarado orgulho corrupto, com lulopetistas no poder, há de se constatar que nordestino é, “antes de tudo”, um xeleléu, alcoviteiro, viciado em “cuias de farinha”, ultimamente mais em farinha boliviana, acomodado, só colhe os frutos mais baixos da árvore se algum governo, ou “deus”, o ajudar; tem preferência pelos frutos caídos, age como os abutres e as hienas,“acompanha os vencedores, come as sobras e os cadáveres dos vencidos”.É lamentável e trágico. Nós somos muitos. Mas, somos fracos que nem caldo de chimbras.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia