Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 822 / 2015

28/05/2015 - 11:54:00

Prefeitura é multada por manter lixão e Centro de Saúde irregulares

Medicamentos vencidos também eram distribuídos aos pacientes

Da Redação

O município de Pão de Açúcar foi alvo do noticiário local no início desta semana ao ser multado em R$ 20 mil pela Fiscalização Preventiva Integrada do Rio São Francisco (FPI), apenas no setor de saúde. Como se não bastasse os Centros de Saúde do município funcionarem sem licença ambiental, sem plano de gerenciamento de resíduos sólidos e sem projeto contra incêndio e pânico, medicamentos com data de validade vencidos também eram distribuídos aos pacientes.Mas as irregularidades não param por aí.

O lixão a céu aberto é outro problema a ser resolvido pela gestão atual. Embora o caso venha de governos anteriores, também esta semana a prefeitura foi multada em mais de R$ 30 mil. Na verdade, esta situação poderia ter sido evitada se a usina de compostagem de lixo que existia no município não tivesse sido obstruída há alguns anos. E o que dizer do matadouro público que fechou as portas há mais de três anos e, por ser proibido de operar,  os animais vendidos no município  passaram a ser abatidos em São José da Tapera.

O mercado da carne é outro problema à parte. Sem higiene e atuando de forma precária, os fiscais bem que poderiam aproveitar e passar por lá. A visita poderia se estender ao bar da Fumaça, que fica anexo a este mercado e não oferece qualquer condição de funcionamento.O saneamento básico do município de Pão de Açúcar é outro problema que tem deixado a população aflita. Segundo informações de moradores do município,  há anos a obra continua “debaixo do chão” e sem previsão de quando o problema será resolvido. 


Prefeito reúne o secretariado  

O prefeito de Pão de Açúcar, Jorge Dantas, se reuniu na quarta-feira, 20, com seu secretariado para detectar a responsabilidade das irregularidades encontradas no município pela fiscalização no início desta semana. Embora reconheça que aconteceram alguns problemas, garante que em outros casos a responsabilidade não recai apenas sobre o município.Segundo ele, a multa de R$ 30 mil referente a materiais hospitalares encontrados no lixão da cidade não deveria ter sido aplicada ao município, uma vez que todo lixo hospitalar das unidades de saúde local é recolhido por uma empresa adequada.

Dantas acredita que este material deve ter sido descartado por laboratórios ou consultórios particulares, mas disse que vai fazer um trabalho com estas pessoas para que adiram à empresa de recolhimento de lixo hospitalar. Dantas afirmou que em 2004 quando era prefeito do município existia a unidade de compostagem do lixo, mas anos depois quando voltou a governar o município a unidade tinha sido desativada e o aterro  se transformado em lixão. Ele afirmou que o município participa de um consórcio de aterro sanitário em Olho d`Água das Flores, onde acredita que em até quatro meses deve começar a operar.

Quanto à multa de R$ 20 mil por encontrar medicamentos vencidos e falta de licenciamento ambiental nos postos de saúde, Dantas se diz surpreso com a exigência da licença, já que nunca soube que seria necessário este procedimento. “Vamos  pedir ao IMA a relação de municípios que têm licença ambiental para funcionamento dos centros de saúde.

Acredito que ninguém tenha”, disse Dantas. Em relação aos medicamentos com datas de validades vencidas, ele reconheceu que existiu, mas que foi em um número pequeno. Afirmou que entre centenas de itens, apenas uma caixa de medicamento estava vencida. No entanto, garantiu que vai abrir sindicância para apurar a responsabilidade pelo caso, já que se trata de questão de saúde.Ele adiantou que a Casal vai administrar o sistema de água de Pão de Açúcar e que a companhia tem planos para colocar o esgotamento sanitário em funcionamento.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia