Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 821 / 2015

20/05/2015 - 20:31:00

PEDRO OLIVEIRA

FHC O CULPADO – Parte I

“Os filhos da elite (de verdade) também têm ido as ruas clamar por mudanças. A culpa? De Fernando Henrique Cardoso. Ele é o responsável por aguçar a visão política dos herdeiros de algumas das maiores fortunas do país, estimulando o surgimento de novas lideranças”. (Revista Época). 

E aí está a revolta descontrolada da presidente Dilma e de Lula que têm atacado ferozmente a figura do ex-presidente. Através do seu Instituto, Fernando Henrique iniciou há anos um programa de discussão do país com jovens da classe média e também da periferia de São Paulo. Os resultados foram surpreendentes e mudou a vida de muitos deles para melhor. Política, economia, vocação profissional e participação comunitária.

Não foram poucos os jovens que após os programas conseguiram boas colocações no mercado de trabalho. O ex-presidente, diferente de Lula, é alguém que venceu pelo trabalho e por sua inteligência privilegiada. Dotado de um saber cultural e político reconhecido no mundo, sempre procurou contribuir para um Brasil melhor. É um homem rico porque sempre o foi, mas está longe de ser um milionário, principalmente com dinheiro de propinas e corrupção. Seus filhos têm vida própria e venceram por mérito. São respeitados em suas atividades, discretos, e jamais foram acusados de roubar para enriquecer a exemplo dos filhos de Lula, que afrontam o país com patrimônios milionários e inexplicáveis.

Fernando Henrique honra e orgulha o Brasil moral e legal, Lula por sua vez, chega a comprometer a imagem do país por suas condutas marginais.Sempre preocupado com a formação de jovens lideranças FHC resolveu desde o ano passado também acolher para seus círculos de estudos herdeiros das famílias que controlam grandes grupos empresariais (como Votorantim, Coimex, Martins, Cornélio Brennand – com certeza nenhuma envolvida nas operações sujas do PT).

Os filhos, netos e bisnetos desse “PIB” agregado a outros que não foram citados, invadem uma vez por mês a sala do professor FHC em busca de informação e formação política. Não a política comezinha, partidária. Mas, sim, a grande política, a ampla discussão do Brasil e do mundo. “O professor FHC tem nos ensinado a olhar mais atentamente para o Brasil. Somos responsáveis e, se quisermos um país melhor, temos que agir”.

Diz a jovem Camila Martins, cuja família controla o grupo atacadista maior do país.Fernando Henrique se tornou, sem exageros, um ídolo para uma geração desses jovens, carentes de pessoas em quem se espelhar. Junto com FHC são citados pelos jovens como líderes que admiram: Steve Jobs, Antônio Ermírio de Moraes, Nelson Mandela, Winston Churchill, e Jorge Paulo Lemann, além dos próprios pais, claro.Esta é parte de uma história muito interessante que vai contribuir para melhorar o Brasil. E aí está o ódio de Dilma e Lula contra o “culpado” dessas mudanças: Fernando Henrique Cardoso.(Na próxima semana conto mais sobre este assunto).

Renan contraria Dilma

O Senado vai mesmo apreciar a indicação do jurista Luiz Edson Fachin para o Supremo Tribunal Federal somente na próxima terça-feira, em sessão já agendada e anunciada pelo presidente Renan Calheiros contrariando a presidente Dilma Rousseff que desejava e pediu que acontecesse esta semana, logo após a sabatina que ocorreu na terça-feira última em reunião histórica com duração de mais de doze horas. “Nós não podemos fazer nenhum movimento que pareça que o Senado está querendo votar com quórum menor ou com quórum maior. É que isso arranha a isenção que o presidente da Casa deve ter. Nós temos procurado garantir a isenção do Senado Federal na apreciação do nome do indicado para o Supremo”. Para ser confirmado como ministro do STF, Fachin terá de ter o nome aprovado em plenário por 41 dos 81 senadores.“É fundamental nós não apressarmos a votação para que não responsabilize o presidente do Senado pela improvisação do prazo”, disse Renan Calheiros.

Faça e aconteça

O Ministério Público de Contas em Alagoas parece que vive a carregar frustrações e guarda profundos rancores intestinos por conta do insucesso de suas demandas. É um órgão novo em sua composição, muitas vezes agindo pelos arroubos de querer se mostrar na vitrine e provar que é ate maior que o próprio Tribunal de Contas. Não tem conseguido até agora colocar um de seus membros no plenário da Corte por vias judiciais e o seu papel não tem sido levado em conta dentro e fora do Tribunal. Apega-se a coisas miúdas como uma perseguição implacável às Câmaras de Vereadores, órgãos da administração municipal, sem recursos, sem pessoal e sem capacidade para manter suas estruturas arcaicas e em flagelos, enquanto se descuida de prefeituras importantes, com visíveis sinais de afronta a moralidade e a legalidade.Querem visibilidade? Abracem com vigor e saber jurídico a fétida causa da “Operação Rodoleiro” que envolve conselheiros eservidores do Tribunal de Contas, (desvio de mais de cem milhões de reais) cujo trabalho está praticamente sendo feito apenas  pelo Ministério Público Estadual, sob o comando do seu austero procurador Sérgio Jucá e sua competente equipe.

Pagando sem culpa

Em boa hora o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, restabeleceu a justiça suspendendo a condição do Estado de Alagoas de inadimplente junto a União, por falta de cumprimento de obrigações de órgãos de outros poderes deixando de penalizar o Executivo quer nada tem a ver com a irresponsabilidade dos demais.Já virou rotina o instituto da apropriação indébita por parte da Assembleia Legislativa e Tribunal de Contas trazendo consequências desagradáveis para os governadores, que muitas vezes foram obrigados a pagar somas exorbitantes, mesmo sem ter essa obrigação. Renan Filho já disse, com a coragem que lhe é peculiar, que não acobertará esse tipo de conduta e quem dever que pague. Afinal para que servem os gordos e injustificáveis duodécimos?

Julgamentos aguardados

Tomei conhecimento que tem uma penca de prefeitos e ex-prefeitos denunciados pelo Ministério Público no Tribunal de Justiça e que deverão ser julgados até o inicio do segundo semestre. Muitos ficarão inelegíveis e estarão impedidos de disputar a eleição ou reeleição. Há, no entanto, suspeitas de que alguns desses processos possam ser “travados” dentro do Judiciário para atender a interesses puramente corporativos.Conversava com um influente procurador do Ministério Público que me dizia: “O MP irá até ao Conselho Nacional de Justiça se for preciso, para denunciarqualquer magistrado que tente dificultar o seu  trabalho em defesa da sociedade”. É assim que se faz.

Nada fez, nada fará

O prefeito Rui Palmeira e seu vice adotaram a manjada postura de culpar a presidente Dilma Rousseff pelo insucesso de uma gestão beirando a catástrofe administrativa. Acham pouco e são deselegantes com o deputado Paulo Fernando dos Santos (Paulão) um dos parlamentares que mais ajudou a trazer algum recurso para suas “festas” e “alegorias políticas”.No primeiro ano de administração a culpa era da “herança maldita” deixada pelo antecessor. No segundo, foram as dificuldades de conseguir recursos para bancar projetos que não mereceram aprovação pela má qualidade. Estamos no meio do terceiro ano e o prefeito e sua equipe de incompetentes buscama quem culpar pelo insucesso. Palmeira muito prometeu e nada fez frustrando milhares de eleitores que viram nele a esperança de algo novo. Um conselho: se não tem competência, pede pra sair garoto.

Pode vir mudança

É muito possível que aconteça mudança no secretariado do governador Renan Filho antes de completar seis meses de administração. Não será por incompetência, deslealdade ou desencontro político, mas talvez para que o governo possa manter sua gestão transparente ajustada dentro de princípios básicos da constituição (moralidade e legalidade). Uma “bomba” ameaça parar no colo do governador que poderá ficar sem alternativa que não seja uma traumática substituição.

Péssima avaliação

Esta semana acompanhei pelas redes sociais uma enquete levantada pela internauta Jana Braga, jovem antenada com a política e com opinião muito conceituada. Em sua prestigiada página do facebook levantou a seguinte questão: “Se a eleição para prefeito de Maceió fosse hoje, você votaria no atual prefeito Rui Palmeira”? Pedi para que ela me mandasse o resultado final: “Caro Pedro Oliveira. Pelo que contabilizei no final foram 97 manifestações pelo NÃO, 35 pelo SIM e 15 manifestaram dúvidas. A situação do prefeito é complicada, como se pode constatar no boca a boca diariamente”.Um fato que constatei e me chamou a atenção foi o índice de agressividade de muitos internautas revoltados com a administração. Péssimo sinal. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia