Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 819 / 2015

06/05/2015 - 21:04:00

S.O.S ALAGOAS

Cunha Pinto

Contagem regressiva

Este 1º de maio, Dia do Trabalhador, é de mobilização geral para chamar atenção do governo e das classes empresariais e não só em razão da data ser festiva, mas principalmente de luta por cobranças trabalhistas, várias decididas mas ainda não cumpridas. Um tempo de lembrar que “povo unido jamais será vencido”.  

Dor no bolso

O ministro Joaquim Levy (Fazenda) reavalia a cobrança dos juros de financiamentos do BNDES  e outros setores pregando o propósito  de estancar uma suposta guerra fiscal entre Estados, avaliar as taxas tributárias e fechar torneiras por onde possam estar escorrendo cerca de R$ 20 bilhões por ano.  

   
E o Código Penal?

A violência no Brasil é uma das queixas mais habituais dos cidadãos temerosos de o governo haver perdido o pulso para impor no País a “ordem paralela ao progresso”. Pena não incluir prioridade a revisão do Código Penal, artigos de 1940 e última atualização foi feita em 1969. 

Na normalidade

Lojistas do Calçadão de Maceió, com base no balanço das vendas de fim de 2014, reconhecem não haver até o momento muito do que reclamar. Estimativa de uns compara o momento com os de épocas anteriores e fazem “figa” pró dias melhores com a chegada de maio, mês das mães.

  
Outros tempos

A presidente Dilma Rousseff prossegue seu segundo mandato sem sinalizar preocupação em corrigir hábitos da época anterior dela no governo e que motivaram uma série de atos públicos, até mesmo de aliados que carregam a bandeira da foice e do martelo. Comentário foi em roda de políticos. 


Mudança radical

Quem joga otimismo pró bons tempos neste ano deve se beliscar para “acordar” e encarar a realidade exposta nos pinotes de reajustes no custo de vida expostos, principalmente no comércio. Nas prateleiras dos supermercados principalmente.    

Pesar

Maria Alice Muniz Falcão, 97 anos de idade e irmã do ex-governador Muniz Falcão, faleceu na segunda-feira, dia 27, em Araripina (Pernambuco). A família Muniz Falcão tem raízes também em Alagoas, fincadas por Muniz, ex-governador, e ainda por  Alcides, ex-deputado estadual, Pedro Falcão, ex-vereador, e pelo desportista José Muniz Falcão. 

Audiência pública 

A Câmara Municipal de Maceió realizou na segunda-feira, 27, audiência pública para apreciar a criação do Selo de Inspeção Municipal. O vereador Silvânio Barbosa, autor do projeto, justifica a necessidade: “Maceió não tem e precisa de um mecanismo de inspeção e controle dos produtos alimentícios de origem animal e vegetal”.

Argumentos

Ainda de Silvânio Barbosa: “Pretendemos que se busquem mecanismos para manter esses negócios. Eles são geradores de empregos em Maceió e, por isso, a gente deve começar a investir dentro de uma política que permita a legalização do Selo de Inspeção Municipal sem atrapalhar e desempregar ninguém”. 


Haja nervos

As investigações da Operação Lava Jato trancafiaram em penitenciárias um  grupo razoável de envolvidos, mas cadê os outros? Ou trocando em miúdos: cadê os homens públicos acusados no inquérito mas mantidos ainda sob a proteção dos mandatos. No Congresso principalmente.


Trânsito

O trânsito em Maceió melhorou. Avaliação é de populares, mas com argumento não nas ações da Prefeitura, mas em razão do  reajuste de preços no mercado de automóveis e influência ainda do aumento dos combustíveis. Litro da gasolina custa em torno dos  R$ 3,32 e a figa é para se manter estável.    

Pedestre

É insistente pedestre arriscando  ser atropelado na travessia das Ruas Jangadeiros Alagoanos e  Quintino Bocaiúva, ambas cruzadas pela a Domingos Lordsleen, na Ponta da Terra, de tráfego intenso mas sem ter sequer faixa de travessia. Botaram apenas “tartarugas” para veículos reduzirem a velocidade. Como diz Justo Verissimo, “o pedestre que se exploda”. E aí Rui?   


Bolsa FamíliaProjeto de lei 7849/14, em análise na Câmara Federal, tem proposta de regras e pré-requisito na inscrição de pessoas no programa Bolsa Família. Uma delas é excluir individuo que responda a processo criminal até que tenha cumprido todo o período da sentença.

É sentida?

Matérias recentes na mídia internacional analisaram para este ano uma tendência no mundo para aumento da temperatura. Dados propostos como causas identificadas pelos cientistas sinalizam a importância de todos os países, inclusive o Brasil, tomarem precauções. Mas quem da população fará a sua parte?

  
Justiça boa

Da presidente Dilma Rousseff em entrevista: “Justiça boa tem que tramitar rápido e dar resposta eficiente” A frase foi recente e direcionamento, segundo análise de políticos aliados,  foi recado para os governantes entenderem o grito do “povo unido jamais será vencido“.

Sem novidade

A divulgação pela Petrobras, no último dia 23, de um prejuízo de R$ 21,5 bilhões e um lucro de R$ 23,6 bilhões em 2013 não surpreendeu aos mais indignados com a demora do julgamento da turma acusada no escândalo da Operação Lava Jato. Mas fazer o quê?1.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia