Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 817 / 2015

21/04/2015 - 15:23:00

Suspeita de febre Chikungunya deixa alagoanos em alerta

De janeiro a 9 de abril, dengue já teve 1.399 notificações contra 1.625 do ano passado

Redação

O aumento nos casos suspeitos de febre Chikungunya e dengue, em Alagoas, é preocupante e coloca a população alagoana em alerta. Segundo informe epidemiológico Semanal para Gestão do Sinan (Sistema Nacional de Notificações do Ministério da Saúde), até o último dia 9 de abril foram notificados 626 casos de febre Chikungunya.  

O que chama a atenção é que em 2014 apenas dois casos foram investigados. Em relação a dengue, também não é diferente. Este ano já foram notificadas 1.363 ocorrências contra 1.625 de todo o ano passado.Outras doenças também são avaliadas. Em 2015, até a semana epidemiológica- SE-13, houve a notificação de 759 casos suspeitos. Sendo, 12 casos de coqueluche, 12 de doença de chagas aguda, 24 casos de meningite, 17 casos de rubéola e os 626 de chikungunya estão sendo investigados por diagnóstico diferencial com Dengue.

Os casos de dengue notificados neste período ocorreram em 78 dos 102 municípios. Os cinco municípios com maior número de casos são Maceió, com 416; Arapiraca, 408; Mata Grande, 378; Santana do Ipanema, 312; e, Inhapi, com 239 casos. Meningite foram notificados 19 casos, onde oito aconteceram em Maceió, um caso em Carneiros, Coité do Nóia, Estrela de Alagoas, Igaci, Limoeiro de Anadia, Matriz de Camaragibe, Monteirópolis e União dos Palmares. Já Capela, Olho d’Água das Flores e Passo de Camaragibe registraram dois casos cada.O informe, que fornece informações semanais sobre ocorrência de doenças de notificações imediata e dengue no Estado de Alagoas, tem como fonte o Sistema de Informação de Agravos de Notificação- SINAN e fica disponível no site www.saude.al.gov.br.

SESAU DESCARTA OCORRÊNCIA 

A diretora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (Sesau), Cleide Moreira, garantiu que em Alagoas nunca houve caso confirmado de febre Chikunguny. Segundo ela, as duas notificações ocorridas no ano passado e as mais de 600 apenas nestes primeiros meses de 2015 foram apenas suspeitas, mas todas descartadas.Moreira esclareceu que os sintomas da febre e da dengue são bastantes parecidos e daí merece maior investigação. Outro dado é que a dengue é aguda já a Chikunguny pode desenvolver a forma aguda, a subaguda e até desencadear a crônica, mas é raro o óbito.  

FEBRE CHIKUNGUNYA

A febre Chikungunya é uma doença viral parecida com a dengue, transmitida por um mosquito comum em algumas regiões da África. Nos últimos anos, inúmeros casos da doença foram registrados em países da Ásia e da Europa. Recentemente, o vírus CHIKV foi identificado em ilhas do Caribe e na Guiana Francesa, país latino-americano que faz fronteira com o estado do Amapá.O certo é que o chikungunya está migrando e chegou às Américas. No Brasil, a preocupação é que o Aedes aegypti e o Aedes albopictus, mosquitos transmissores da dengue e da febre amarela, têm todas as condições de espalhar esse novo vírus pelo País.

Seu ciclo de transmissão é mais rápido do que o da dengue. Em no máximo sete dias a contar do momento em que foi infectado, o mosquito começa a transmitir o CHIKV para uma população que não possui anticorpos contra ele. Por isso, o objetivo é estar atento para bloquear a transmissão tão logo apareçam os primeiros casos.Embora os vírus da chikungunya e os da dengue tenham características distintas, os sintomas das duas doenças são semelhantes.Na fase aguda da chikungunya, a febre é alta, aparece de repente e vem acompanhada de dor de cabeça, mialgia (dor muscular), exantema (erupção na pele), conjuntivite e dor nas articulações (poliartrite).

Esse é o sintoma mais característico da enfermidade: dor forte nas articulações, tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses depois que a febre vai embora. Ao contrário do que acontece com a dengue (que provoca dor no corpo todo), não existe uma forma hemorrágica da doença e é raro surgirem complicações graves, embora a artrite possa continuar ativa por muito tempo.

O diagnóstico depende de uma avaliação clínica cuidadosa e do resultado de alguns exames laboratoriais. As amostras de sangue para análise devem ser enviadas para os laboratórios de referência nacional.Casos suspeitos de infecção pelo CHIKV devem ser notificados em até 24 horas para os órgãos oficiais dos serviços de saúde.

Na fase aguda, o tratamento contra a febre chikungunya é sintomático. Analgésicos e antitérmicos são indicados para aliviar os sintomas. Manter o doente bem hidratado é medida essencial para a recuperação.Não existe vacina contra febre chikungunya. Na verdade, a prevenção consiste em adotar medidas simples no próprio domicílio e arredores que ajudem a combater a proliferação do mosquito transmissor da doença.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia