Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 816 / 2015

15/04/2015 - 06:58:00

PEDRO OLIVEIRA

Aí então é preciso ter cuidado

a diminuição do índice de violência no estado, pois segundo esses dados fomos o “campeão da redução” nos últimos três meses no Nordeste. É o resultado de ações eficazes empreendidas sob o comando de um competente, abnegado e corajoso promotor de justiça, com história e vontade férrea de fazer acontecer o que tanto a sociedade alagoana clamava. Alfredo Gaspar de Mendonça não surpreende a quem o conhece, mas enche de esperança a tantos que já não acreditavam mais que houvesse solução para o grave problema da segurança da população. 

Deixaram-me preocupado, no entanto, as palavras do jovem “xerife” quando afirmou que “agora bandido ou se entrega ou morre”. Deveria ter dito “ bandido que reagir à ação da polícia morre, para que policiais não morram”. Seria mais adequado. Temos uma maioria de policiais sem o mínimo preparo para absorver uma conduta equilibrada nas palavras do secretário. Existem bons policiais, mas ao mesmo tempo a corporação abriga bandidos, assassinos profissionais e elementos maus, capazes de usar a “recomendação” para dar vazão às suas crueldades e tendências criminosas.

Fico a me perguntar: e se o suposto “bandido” não se entregar e correr, vai ser morto pelas costas? E se depois esse bandido não for bandido? Olha gente, já vi algo muito parecido em um governo do qual eu fazia parte e a coisa não terminou bem. É temeroso e tenebroso colocar nas mãos generalizadas de policiais o direito de matar, mesmo um bandido. As vezes o bandido está do lado que mata. Por conhecer a índole e os princípios do secretário Alfredo Gaspar sei que suas palavras careceram de mais detalhes, mas aí então é preciso ter cuidado.

Em tempo o governador surge em apoio ao seu brilhante auxiliar e aí sim, fez a colocação na medida e no tamanho certo: “O Alfredo disse duas coisas. Disse que, em uma operação policial, se a polícia abordar o bandido, ele tem duas formas: ou se entrega, ou, se reagir, morre... Pode morrer.

Ou então, ele vai matar o policial. Porque só têm essas duas alternativas. Agora, o que ele disse, no complemento, é o que é muito verdade também. É muito melhor que, ao invés de morrer o policial, que morra o bandido. Isso não é só o Alfredo quem diz, é toda a sociedade”. (Declaração dada ao site Cada Minuto).

Jacaré com cobra d´agua 

Essa história de fusão do DEM com o PTB ainda vai dar muito que falar. Não dá para entender como um partido de oposição iria se fundir com uma sigla governista. Na hora das votações seria mais ou menos assim: metade votando contra o governo e metade a favor.  E eles já não estão se entendendo desde agora antes da anunciada fusão. Horas após a cúpula do oposicionista DEM aprovar o encaminhamento da proposta, a executiva nacional do Partido Trabalhista Brasileiro rejeitou a união imediata das duas siglas. Por maioria, a direção do PTB decidiu consultar as bases até setembro e manter os cargos que ocupa no governo, como o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Eles são todos iguais.


Parece com Dilma

O prefeito de Maceió, mesmo sendo do PSDB, carrega em sua administração alguns traços que o fazem parecer com a presidente Dilma Rousseff e o seu governo petista. A ressaltar o seu “convincente” discurso e promessas de campanha que o levaram a ganhar a eleição. Passados mais de dois anos de mandato, a população em sua maioria só tem a lamentar a grande decepção pelas mudanças não acontecidas. Em outro aspecto não bastassem a exorbitância de IPTU, taxas e mais taxas por serviços públicos, multas de trânsito duvidosas, agora quer empurrar para o bolso do contribuinte a cobrança de estacionamento em vias públicas com a recriação da famigerada “zona azul”. Não está dando a mínima para o interesse público.


Puxão de orelhas

Por outro lado, paga o prefeito Rui Palmeira um preço alto pela péssima assessoria política e jurídica em seu entorno. O diligente e cauteloso promotor Marcus Rômulo Maia de Mello barrou de imediato a tresloucada ideia gestada no gabinete do prefeito sob as bênçãos de seu  secretário de governo,  para criação das “zonas azuis” por decreto, naturalmente com orientação da Procuradoria Municipal. Entre as várias lições de Direito ofertadas pelo brilhante integrante do Ministério Público à desastrosa equipe do prefeito está: “O Executivo não pode definir por decreto onde será implantada a Zona Azul porque, para ele, a ausência de lei demarcando as áreas que serão retiradas do uso comum do povo não é um detalhe qualquer, pois envolve a ausência de deliberação social e comunitária sobre qual destinação pretendemos dar às nossas áreas públicas. Um tema delicado e que envolve um fenômeno moderno que é a paulatina privatização dos espaços públicos”. Vão ter que começar tudo de novo e a possibilidade da implantação chega muito perto de zero. Duvido que tenham aprendido a lição.

 Oposição em alvoroço

Esta semana a oposição protocolou três pedidos de criação de CPI no Senado para investigar desvios de recursos em várias instituições relacionadas ao governo. O líder do DEM, senador Ronaldo Caiado (GO), colheu assinaturas nos últimos meses para criar uma comissão parlamentar de inquérito que investigará denúncias de irregularidades no BNDES.  Entre as supostas irregularidades devem ser investigados empréstimos concedidos principalmente a países da África, América Latina e Caribe, que teriam mais vinculação ideológica com o Brasil.

Vai ter racionamento

“O Brasil não deverá sofrer racionamento de energia hidrelétrica por causa do baixo nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas”, declarou o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. Ao comparar a situação atual à de 2001, quando ocorreu a crise do apagão, o ministro ressaltou que o risco de racionamento é baixo, apesar da crise hídrica que o país enfrenta atualmente .Pode anotar: vai ter racionamento. Eles mentem sempre.

A lógica idiota do futebol

Um juiz de Direito sugere as partidas de futebol sem torcidas (só equipes no gramado e os torcedores  assistindo em suas casas pelo rádio e televisão). Uma operação da Polícia Civil cumprindo mandados de apreensão e busca nas sedes das torcidas organizadas apreendeu bandeiras, faixas, camisas, adereços e até instrumentos musicais. Em uma das sedes foram apreendidas “armas” (um rojão e um pedaço de pau). Não seria mais lógico rigor no acesso ao estádio, reforçar o policiamento e meter na cadeia os infratores? Mas prevalece a velha lógica idiota dos que fazem o futebol. 

Fora Dilma de novo

Há grande expectativa de que o Movimento Brasil Livre reúna em Maceió no próximo domingo, dia 12, um público bem mais numeroso superando a grande manifestação anterior que levou às ruas milhares de pessoas.Mais uma vez o tema principal será o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff e o fim da corrupção na política brasileira.Além do grande público aguardado para a manifestação que está prevista para as 14 horas do domingo, estão acontecendo mobilizações em muitas cidades do interior para os movimentos que acontecerão em Maceió e Arapiraca. 

Maurício Quintela

O deputado Maurício Quintella é hoje o nome mais visível da bancada alagoana na Câmara Federal. Construiu com inteligência uma caminhada que o equipara às maiores lideranças do Congresso. Respeitado por seu conhecimento em política externa foi eleito Presidente da UIP (união interparlamentar) para o biênio 15/16. A UIP é um organismo internacional com mais de 180 anos e 166 países membros (a “ONU” dos parlamentos). Maurício que esteve recentemente em missão no Vietnã, onde fez elogiado pronunciamento e deu destaque ao Brasil que estava sem voz e sem poder decisório e desacreditado no importante fórum internacional. Da delegação brasileira ainda fizeram parte outros deputados e senadores.

Superfaturados não

O governador Renan Calheiros já deixou bastante claro que não vai permitir o pagamento de contratações com qualquer grau de suspeição. Tudo tem que ser revisado, provado e constatado dentro dos princípios da legalidade e da moralidade. No caso dos comentados kits escolares cujo processo licitatório é contestado pelo governo já disse: não pago!Se todos fizessem assim a administração pública teria outros saudáveis caminhos.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia