Acompanhe nas redes sociais:

15 de Dezembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 815 / 2015

08/04/2015 - 20:00:00

MEIO AMBIENTE

Acordo do clima

A oito meses da conferência do clima em Paris, a maioria dos países, incluindo o Brasil, ainda não anunciou sua meta de redução de gases-estufa para depois de 2020, embora Estados Unidos e União Europeia, dois grandes poluidores, já tenham atravessado esta etapa-chave.Na Cúpula das Nações Unidas de Lima, em dezembro passado, todos os países “dispostos a fazer” se comprometeram a apresentar até a terça-feira (31) suas “contribuições nacionais” para alcançar o objetivo global de limitar o aumento da temperatura do planeta em 2ºC com relação à era pré-industrial.

Tufão Maysak 

Ao menos quatro pessoas morreram em consequência da passagem do tufão Maysak por várias pequenas ilhas dos Estados Federados da Micronésia, no Pacífico Ocidental, informou a imprensa local. O governo informou que óbitos foram registrados no estado de Chuuk, um dos quatro que compõem a Micronésia e que conta com uma população próxima a 50 mil habitantes, declarou o porta-voz governamental, MarcellusAkapito, à emissora local “ABC”.


MP e meio ambiente

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso sediará em Cuiabá, de 15 a 17 deste mês, o XV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente. O evento é uma realização da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa). As inscrições podem ser realizadas no site www.abrampa.org.br.

Racionamento

O governador da Califórnia (EUA), Jerry Brown, agindo em face de uma seca devastadora que já dura vários anos, impôs as primeiras restrições obrigatórias de água para o estado, ordenando que as cidades e comunidades reduzam seu consumo em 25%. Brown, que fez o anúncio em um resort de ski nas montanhas de Sierra Nevada, disse que a medida, que foi tomada em um momento em que a Califórnia registra seus menores níveis de neve acumulada, levaria à economia de 1,8 trilhão de litros de água nos próximos 9 meses.

Everest 

Escalar o Everest tem sido alvo da ambição do ser humano há mais de meio século, mas a glória não é a única coisa duradoura a mais de 6 mil metros de altitude. Excrementos daqueles que atingem o topo do mundo se transformaram em um problema e limpá-los é outro ainda maior. Membros da Associação de Montanhismo do Nepal (NMA) relataram que o pico mais alto do mundo está sendo contaminado com ferrugem e excrementos. Com base no cálculo médio de quanto o escalador pode deixar no ambiente, a NMA calcula que foram depositadas 36 toneladas de excremento na maior montanha do planeta nos últimos anos.


Lixo reciclável

Em tempos de escassez hídrica, a necessidade de rever hábitos para economizar água se tornou prioridade. O de lavar o lixo antes de destiná-lo à reciclagem é um que precisa ser revisto.Você que está acostumado a “passar uma aguinha” naquela caixa de leite longa vida ou lata de leite condensado antes do descarte, um recado: apenas pare de fazer isso pelo resto de sua vida.

12 gramas 

A mariquita-de-perna-clara, um pássaro que pesa apenas 12 gramas, está migrando da América do Norte para a América do Sul voando sobre o Oceano Atlântico sem parar por dois a três dias - segundo estudo publicado na terça-feira. Há 50 anos os cientistas tentavam confirmar essa façanha. Uma equipe internacional de biólogos, que publica os resultados de seu trabalho na revista britânica “BiologyLetters”, está convencida de ter encontrado “provas irrefutáveis”.

Verba de proteção

Levantamento divulgado pelo portal InfoAmazônia apontou que no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff houve queda de 72% no investimento em medidas de combate e prevenção ao desmatamento na Amazônia. A comparação é em relação ao segundo mandato de seu antecessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entre 2011-2014, primeiro governo de Dilma, foram investidos R$ 1,77 bilhão para ações de ordenamento fundiário, monitoramento e controle ambiental, além de fomento às atividades produtivas sustentáveis – eixos de trabalho do Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM), criado em 2004.


Cebola

Uma empresa japonesa criou uma cebola que ao ser cortada não faz chorar, anunciou na terça-feira (31) a empresa HouseFoodsGroup. De acordo com a companhia, a variedade antilágrimas bloqueia enzimas que produzem os compostos que fazem chorar os cozinheiros. A empresa não indicou quando começará a comercializar essa cebola.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia