Acompanhe nas redes sociais:

26 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 815 / 2015

08/04/2015 - 11:06:00

REPÓRTER ECONÔMICO

JAIR PIMENTEL - [email protected]

Seguro de cartão

Embaladas pelo crescimento desse mercado, as administradoras vêm oferecendo seguros (garantidos por uma seguradora) de perda e roubo de cartão e até de suspensão de pagamento da fatura em caso de desemprego. Há basicamente, duas coberturas contra perda ou roubo de cartão e de proteção desemprego. O que você deve ficar atento antes de contratar um seguro como esses, é o prazo de carência (costuma variar de 30 a 60 dias), as exclusões e se tem venda casada.

Em relação às exclusões, entre as principais para cobertura de perda ou roubo de cartão, estão atos de vandalismo, motim e tumultos. No caso da cobertura de proteção desemprego, atenção às exigências, como 12 meses de vínculo empregatício com o mesmo empregador com carteira assinada, período de carência e número mínimo de horas de trabalho por semana exigida por alguma seguradora, geralmente, 30 horas semanal. Renúncia voluntária do emprego, demissão por justa causa, programa de demissão voluntária e contratos de trabalho, não costumam ser cobertas poor esse tipo de seguro. 

Imposição

As administradoras de cartão de crédito, não podem atrelar ao segu-ro nenhum  outro serviço. Isso é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor. Esses seguros são opcionais. Se o valor for descontado na fatura sem sua autorização, saiba que é proibido. Denuncie. 

Fiança

De acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), o seguro fiança cresceu cerca de 82,20% em três anos. Esse seguro tem sido cada vez mais a preferência dos proprietários de imóveis na hora de alugar. O inquilino desembolsa, em um ano, uma quantia que corresponde de l,3 a 2 aluguéis. Saiba que o proprietário pode escolher qual garantia deseja no contrato (seguro, fiador ou depósito caução), mas só uma será escolhida. 


Parece, mas não é

Muita gente pensa que se trata de planos e saúde, mas, na verdade, não é. Os cartões pré pagos na área podem esconder graves problemas. Fique atento: a Agência Nacional de Saúde não regulamenta o mercado e ainda proíbe o envolvimento das operadoras de planos de saúde. E mais: o Conselho de Medicina e os órgãos de defesa do consumidor não são a favor da comercialização desse produto. 


Como funciona

Da mesma forma que os cartões pré pagos nas telefônicas e no transporte público, os de saúde também funcionam por meio de uma recarga prévia. Em geral, você adquire o cartão de desconto, como também é conhecido, ao pagar uma taxa de adesão, que varia de acordo com o plano. Você, então, recebe um kit com o cartão e as condições do produto. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia