Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 814 / 2015

08/04/2015 - 08:59:00

S.O.S ALAGOAS

Cunha Pinto

Repasse de custos

Não surpreenderá se a indústria de panificação e massas repassar para o consumidor parte do aumento dos custos de produção neste começo de abril. Proposta, discutida na área nacional, se alicerça no aumento do preço do trigo face a elevação do dólar e tarifas de energia elétrica. 

Contas públicas

Iniciativas anunciadas para tapar o rombo das contas públicas só atingem o trabalhador de baixa renda. Espelha esta realidade, segundo economistas, o endurecimento das regras de concessão do abono salarial e a revisão da desoneração nas folhas de pagamentos.


Suspeita

A proposta motiva a suspeita de haver por trás interesse de atender o discurso do PT, de penalizar os mais ricos, mas frustra deputados  governistas até do grupo que prega ações mais duras para tributar grandes fortunas e a distribuição de lucros e dividendos.


Prevenção

O maceioense deve aprender que lugar de lixo é na lixeira e não levado escondido em pacote para jogar na rua. Advertência é de setores da saúde como precaução a uma nova epidemia de dengue na cidade, pois a época é de proliferação do mosquito transmissor da doença. 


Pacote fiscal

No Congresso Nacional prenuncia uma nova polêmica. Tem a ver com um projeto propondo mais dor no bolso do contribuinte, encaminhado pelo Planalto e tem a ver com tributação mais forte sobre grandes fortunas e dentre elas herança e distribuição de lucros e dividendos na área empresarial.

Desemprego

Demissões neste mês no comércio de Maceió devem seguir a média dos demais Estados e setor lojista principalmente. Razão, a época de pós festas e o consumidor ter dívidas para quitar. Consta ainda expectativa sobre nomes a serem amanhã encaminhados ao SPC. 


Para pensar

“As coisas que nos assustam são em maior número do que aquelas que efetivamente fazem mal e afligem-nos mais pelas aparências que pelos fatos reais”. Frase é de Sêneca (4 a.C. – 65 d.C.). Foi filósofo, escritor e mestre da arte da retórica. Está no “O avantajado de pensamentos“, editado pela turma do Casseta & Planeta, edição já considerada como também antiga.

“Larguem o osso”

“Partidos de oposição têm o dever de fazer oposição. Partido de Governo tem o dever de ser situação”. A frase foi do agora-ex-ministro Cid Gomes (Educação) em um debate recente com deputados na Câmara Federal.  Mereceu atenção pela franqueza nas respostas às perguntas dos parlamentares e pela firmeza ao pedir que governistas insatisfeitos “larguem o osso”.


Carapuça

“Que me perdoem se isso fere alguém, se alguém traz pra si essa carapuça, se alguém se enxerga nessa posição. Eu prefiro ser acusado de mal educado, que ser acusado de achaque”, comentou Cid Gomes no debate. A frase deve ter tido direcionamento para alguns dos que estavam no plenário.


Dor no bolso

A SMTT começa a usar em Maceió sinalização eletrônica na fiscalização do trânsito. Carlos Calheiros, diretor de Operações de Trânsito da SMTT, confirma a iniciativa como amparada na Resolução Nº 396 do Conselho Nacional de Trânsito. Parar motorista para pedir documentos é passado. 


Dengue 

“Nós nos cuidamos mantendo a cidade limpa”. Frase foi de dona de casa, mas que não mora em Maceió.  Ela é do interior paulista e teve espaço na mídia defendendo a importância da educação como cidadania também no trânsito.Ma proposta merece atenção também em Maceió.


Acredite!

Na vida tudo tem um fim. Mas como o brasileiro se lixa para advertências já começa a sentir a escassez de água em algumas regiões do país. Mas é uma questão climática ou consequência também da depredação do meio ambiente? No Nordeste o Rio São Francisco sinaliza atenção.

 
Quem fiscaliza?

Construções em áreas lagunares e à beira-mar sãofrequentes, mas pescadores têm ponto de vista crítico à falta de fiscalização. Uns comentam no comum falta de fiscalização pelo órgãos competentes sobre regularização das obras, reforma principalmente, algo habitual em Maceió.


 Calçadas

Como efeito nocivo, na  construção ou reforma de imóveis, pedestres se queixam das calçadas sem padronização, ocupadas com obras de ampliação de imóveis, rampa de subida de veículos para garagem, piso de  cerâmica lisa e abuso como estacionamento para todo tipo de veículo.


Protestos

Em ato público para reivindicar direitos é comum  partidos políticos infiltrados. A questão foi levantada por empresários, uns alicerçados na lei de campanha fora do prazo ter vigência alguns meses antes das 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia