Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 814 / 2015

31/03/2015 - 10:06:00

Gabriel Mousinho

Decisão precipitada

Todo mundo sabe da vontade, da ânsia de Renan Filho querer acertar e fazer uma grande administração. Mas o governador precisa entender, assim como seus auxiliares, que decisões tomadas pelo fígado quase nem sempre são boas para todos.

 

 

 

O caso do Passe Livre para estudantes da rede estadual, por exemplo, foi enviada para a Assembleia Legislativa pelo próprio governador, que chegou a pedir pressa aos deputados para votarem o projeto, o que foi feito sem muitas dificuldades.Mas depois de analisar a situação, o governo observou que estava dando um tiro no próprio pé e correu para desfazer o que já tinha feito.

 

 

 

Ficou muito feio para o governador Renan Filho vetar um projeto que ele mesmo tinha interesse que fosse aprovado. Das duas, uma: ou o governador está muito mal assessorado, ou não tem dado ouvidos aos seus principais interlocutores no governo.A meia volta no Projeto do Passe Livre para os estudantes, parece que foi mesmo uma piada de mau gosto.

 

 

 

Promessas do governo  1

 

 

 

O governador Renan Filho parece que ainda está em campanha política e não se cansa, quando pode, de prometer, mesmo sabendo perfeitamente que a água não está pra peixe em face das dificuldades financeiras por que passa o Brasil e especialmente o Estado de Alagoas.Na semana passada, ao lançar um programa no conjunto Benedito Bentes da área da agricultura, aproveitou para dizer que vai construir, ainda este ano, um Hospital para a mulher naquela região. Mas não disse com quais recursos, como vai fazer, quantas pessoas serão contratadas, os equipamentos necessários para seu funcionamento e as despesas decorrentes de todo esse processo.

 

 

 


Promessas do governo 2

 

 

 

Algumas promessas do então candidato Renan Filho, cada vez mais se afastam da realidade, como, por exemplo, a convocação de concursados da própria Secretaria de Saúde e da Polícia Militar, uma vez que o Estado não comporta mais despesas para não atingir em cheio a Lei de Responsabilidade Fiscal.Bem que o governador gostaria que todas as suas promessas se tornassem realidade, mas a distância em querer e efetivamente poder, é muito grande. Rapaz jovem, impetuoso, ávido por mostrar serviço, precisa, entretanto, colocar os pés no chão, avaliar a grave crise no Brasil e a disponibilidade de recursos que possam atender às demandas mais importantes para o Estado de Alagoas.

 

 

 


Contra senso

 

 

 

O governador Renan Filho tem que afastar a ideia de criar mais duas secretarias na estrutura administrativa do Estado. Uma seria a de Esportes. A outra de transportes.  Ora, se já existem secretarias além da conta somente servindo de cabide de empregos, porque criar mais duas? O momento exige corte nos gastos públicos urgentemente, sob pena do governo ter dificuldades até de honrar a folha de pagamento de seus servidores.

 

 

 

Oposição

 

 

 

Informei aqui na coluna tempos atrás, que o governador Renan Filho não iria ter essa folga toda com sua bancada na Assembleia Legislativa. Era questão de tempo. Agora, a oposição começa a se articular e os governistas começam a se impacientar por estarem até o momento a pão e água.

 

 

 


Está queimando

 

 

 

Mesmo que setores do governo tentem encobrir algum desconforto entre o vice-governador e o secretário de Educação, Luciano Barbosa com o governador Renan Filho, o fato existe. O imbróglio teria sido provocado pelo Passe Livre para os estudantes, que até agora não foi sancionado pelo governo.

 

 

 


Sem sintonia

 

 

 

O presidente da Assembleia Legislativa, Luiz Dantas, do PMDB, tem afirmado nas poucas entrevistas que tem concedido, de que todos os membros da Mesa Diretora estão sintonizados para superar as dificuldades.Mas não é bem isso que pensam alguns deputados, que nomearam servidores considerados fantasmas e já demitidos por Antônio Albuquerque, à preço de ouro.

 

 

 

Muito longe

 

 

 

Mesmo que Luiz Dantas pretenda moralizar a Assembleia e modernizá-la, isso está muito longe de acontecer. Alguns deputados ainda pagam pepinos da última campanha eleitoral e certamente irão querer tirar o prejuízo nesses quatro anos de mandato.

 

 

 

Ninguém acredita

 

 

 

Muita gente está pagando pra ver o resultado de uma auditoria séria proposta pelo presidente da Assembleia, Luiz Dantas. Bastou às investidas feitas pelo Ministério Público, que já detectou bandalheiras na instituição.

 

 

 


O rombo é grande

 

 

 

Atolada em dívidas que giram em torno de 20 milhões de reais e sem esperança de ser socorrida pelo governo que também anda de pires na mão, a Assembleia Legislativa terá dias de muitas dificuldades. Para resolver o problema, só se Luiz Dantas fizer um curso intensivo com o famoso mágico David Cooperfield.

 

 

 


Perguntar não ofende

 

 

 

Como a Assembleia Legislativa quer enxugar as despesas com a nomeação de centenas de cargos comissionados que chegam até a 18 mil reais?

 

 

 


Voltando ao ataque

 

 

 

O senador Fernando Collor parece que tomou ojeriza pelos procuradores da República. Primeiro bateu sem dó nem piedade em Roberto Gurgel e agora pegou no pé de Rodrigo Janot. Collor espetou o procurador, dizendo, em um dos trechos do seu discurso no Senado, de que ´´a chefia do Ministério Público não tem estatura moral e nem ainda estrutura emocional´´ para tratar de assuntos desta natureza.

 

 

 


Agora, vai

 

 

 

Ninguém mais do que o senador Renan Calheiros tem pressa para o Senado votar a indexação das dívidas dos Estados e Municípios. Afinal de contas Alagoas está em primeiro lugar. O projeto deve entrar em pauta na próxima terça-feira, mesmo que o Planalto não queira.

 

 

 

Excrescência 1

 

 

 

O deputado Antônio Albuquerque tem batido forte na nomeação de privilegiados em cargos comissionados considerados como ´´fantasmas´´, àqueles que recebem muito dos cofres públicos e não aparecem para trabalhar. Quando presidente Albuquerque demitiu todos eles, mas apenas um mês depois a folha da Assembleia voltava com força, como era antes.

 

 

 


Excrescência 2

 

 

 

Não adianta o presidente Luis Dantas tentar justificar o injustificável. A Assembleia Legislativa, que deveria começar dando bom exemplo, comete o mesmo pecado de administrações anteriores, numa afronta ao povo alagoano.

 

 

 


Excrescência 3

 

 

 

Os deputados que também insistem em nomear parasitas para a Casa de Tavares Bastos através de seus gabinetes, também são culpados por isso. É importante o Ministério Público vigiar a instituição de perto, para que novos fatos cabeludos não venham a acontecer.

 

 

 


Excrescência 4

 

 

 

A população não acredita mais na Assembleia Legislativa. Afinal de contas continuam não dando bom exemplo. Salvo alguns deputados, o restante não está nem aí.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia