Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 813 / 2015

08/04/2015 - 08:04:00

Casa Museu jornalista Jair Pimentel é atração cultural em Viçosa

Acervo conta com mais de três mil livros, além de mobiliário do século XIX

Maria Salésia [email protected]

O jornalista e escritor Jair Barbosa Pimentel reuniu o que há de mais valioso de seu acervo e relíquias da família em uma casa museu, no Povoado Bananal, em Viçosa. Mas o colecionador foi além e adquiriu outras raridades para compor o conjunto da obra. A iniciativa deu tão certo que pessoas de todas as partes do Estado vão até o local para conhecer um pouco mais desse tesouro.

 

Todas as obras e utensílios têm suas peculiaridades, mas o telefone fixo da década de 1940 é um atrativo à parte. Como se não bastasse ser uma raridade, o aparelho funciona e o visitante pode até fazer uma ligação a partir dele. Como se trata de uma entidade privada, sem fins lucrativos, o propósito é promover a inclusão cultural.O gabinete de leitura e pesquisa, que leva o nome do jornalista, foi fundado em 1º de junho de 2011. Outros familiares também foram homenageados.

 

A Biblioteca recebe o nome de seu bisavô, Cantidiano Victal. O espaço conta com mais de três mil livros, de variados temas, que são catalogados e expostos em estantes antigas e conservadas.O acervo é grande e o atrativo ainda maior. O local abriga também o Clube do Livro Professora Julieta Pimentel, nome de sua tia-avó. Para participar do grupo, os moradores do povoado e seu entorno, se cadastram e podem levar o livro para casa e ler durante uma semana, devolvendo na seguinte, podendo comentar com o professor o que achou do texto e ainda tirar dúvidas. 

 

A escola aos sábados Professora Maroca Pimentel, sua bisavó, dispensa comentários. A iniciativa deu tão certo que crianças e jovens da comunidade aguardam o final de semana com ansiedade. Lá eles têm aulas de História, Geografia, Filosofia, Sociologia, Redação, Atualidades e Economia Básica. “As pessoas têm fome de aprender. Se impressionam com a quantidade de livros e querem ler, aprender como se faz isso, entender.

 

E é exatamente o que a Escola dos Sábados oferece: incentivar e orientar a leitura”, comemorou Jair ao acrescentar que também orienta estudantes na elaboração de trabalhos escolares da semana e dá dicas de Redação aos alunos para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).  

 

A hemeroteca José Victal reúne o que há de melhor. O espaço é destinado à leitura de jornais e revistas, devidamente distribuídos por assuntos e os exemplares dos periódicos, com matérias que o jornalista produziu em vários jornais, focalizando a Viçosa e o Bananal. “É a homenagem que presto ao meu avô paterno, José Victal, um autodidta que viveu no Bananal como comerciante e agricultor, assinante de jornal diário que chegava da capital”, relembrou o saudosista. 

 

Jair remete o visitante a uma viagem no tempo. Segundo ele, o desejo de criar uma biblioteca data de sua segunda infância quando ganhou do pai a coleção O Mundo da Criança. Na adolescência a paixão pelos livros aumentou ao ler o romance “As Sandálias do Pescador”, de Morris West. De imediato, colocou uma estante improvisada no quarto com alguns livros e de lá pra cá não parou mais. Surgia ali sua primeira biblioteca. O espaço ficou pequeno e o colecionador instalou em 2002 uma biblioteca em uma sala comercial no Centro de Maceió, depois mudou o acervo para um apartamento e em seguida para uma casa.

 

Jair conta que ao se aposentar e vivendo basicamente de leitura e escrita, lendo dois livros por semana e escrevendo artigos e colunas para jornais locais, decidiu mudar de cenário. Da agitação da cidade grande, passou a disponibilizar o acervo a uma comunidade carente do saber, ensinando o hábito de leitura a crianças e adolescentes do Povoado Bananal, em Viçosa, terra da família paterna. Para manter o espaço, Jair homenageou algumas pessoas e criou a figura do Protetor Cultural.

 

Através de contribuição financeira mensal, os familiares apostaram na iniciativa e ficam memorizados através de placa na entrada do espaço. Abraçaram a iniciativa José Celso V. Passos, Fernando Pimentel Barbosa, Cida Godoy Figueiredo Lima e Leonardo Pimentel Cavalcante. Mas Jair avisa que a lista pode aumentar: basta aderir à iniciativa. 

Cenário deslumbrante

O conjunto arquitetônico construído na década de 1890, pelo capitão CantidianoVictal, onde funcionava uma loja de tecidos, uma mercearia e uma padaria, é o espaço que, 120 anos após, abriga o Gabinete de Leitura e Pesquisa Jornalista Jair Pimentel. Toda arquitetura do local é preservada, construída em alvenaria de tijolo e telha, fachada com três portas e detalhes em desenhos da época, com a data de construção (1894). A parte interna, um amplo salão com piso de cimento bruto, é totalmente original e rústica.

 E foi neste cenário que em maio de 2014 Jair transferiu todo o mobiliário centenário, que mantinha em sua casa em Maceió, para o Bananal da Viçosa, alugando o armazém vizinho ao Gabinete, construído em 1897 pelo bisavô, capitão Cantidiano Victal. Restaurando e transformando numa Casa Museu, réplica da casa grande dos engenhos de Alagoas. São móveis do século XIX, conservados, adquiridos em antiquários ao longo dos últimos anos. Peças em bronze, prata, documentos, fotos, tudo lembrando uma casa do século XIX.

A sala principal conta com petisqueiro, mesa e seis cadeiras, atajé (guarda louça), exibindo dois tocheiros em bronze; cadeira Windson (com assento e espaldar em palhinha e de balanço); radiola (rádio e passa-disco da década de 1930, em móvel; gramofone de 1912; piano de fabricação alemã e da última década do século XIX, violão, violino, cavaquinho; relógio de parede do século XIX; chapeleiro; mesa de centro com chaleira de prata, bule, açucareiro e lustre de bronze, vidro e porcelana. No corredor, existe o Memorial à Família Pimentel, com fotos, documentos, brasão, máquina de datilografia, máquina de costura, objetos de cozinha, etc. Tudo do século XIX. No primeiro quarto, o Oratório Santa Isabel de Portugal, “minha homenagem a essa santa, que foi rainha de Portugal, abandonou tudo para se dedicar aos pobres, e virou santa no século XVII. Era tia-avó de minha décima quarta avó, Constansa de Aragão Pimentel”, revelou.

O espaço conta com santuário do século XVIII, imagens sacras antigas, genunflexório, missal romano, quadros e outras peças em bronze, prata e madeira, além de quadros da Via Sacra.  O quarto de casal tem a cama com dois criados mudos, guarda-roupa com espelho de cristal, urinol em terracota, bacia e jarra em bronze, toallete (penteadeira) com três espelhos. Cada espaço é “batizado” com o nome de um antepassado da família, ligado ao tema: piano bar, chá literário, memorial, oratório e quarto de casal. 


COMO CHEGAR LÁ

A Casa Museu Jornalista Jair Pimentel fica na Alameda Antônio Pimentel - 17 - Soledade - Povoado Bananal - Viçosa – Alagoas. Vale a pena conferir esta atração cultural encravada em terras do Bananal. O Jair está sempre de braços abertos e sorriso no rosto para receber os visitantes.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia