Acompanhe nas redes sociais:

21 de Outubro de 2018

Outras Edições

Edição nº 812 / 2015

17/03/2015 - 10:26:00

Sedentarismo afeta mais da metade da população adulta do país

OMS adverte que em 2030 a inatividade física será a causa de 23,3 milhões de óbitos no planeta

Maria Salésia [email protected]

Você é daqueles que sente preguiça de fazer atividade física e tem sempre a desculpa na ponta da língua de que falta tempo, chega cansado do trabalho ou é melhor gastar as horas livres em frente a televisão? Especialistas advertem que para esse grupo o perigo bate a porta, pois sedentarismo mata e está associado a agravos cardiovasculares, câncer, diabetes, hipertensão arterial e saúde mental. A faixa etária dos 45 a 59 anos abriga a maior parcela de inativos físicos. Entre os sedentários, as mulheres lideram o ranking com 76% contra 55% dos homens. Os dados são alarmantes.

Segundo estatística divulgada em 2013 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2030 a inatividade física será a causa de 23,3 milhões de óbitos no planeta. Já pesquisa realizada no ano anterior, pelo Brigham and Women’s Hospital e da Harvard Medical School, este mal faz cerca de 5 milhões de vítimas fatais a cada ano no mundo. 

A geriatra da Unifesp, Cybelle Diniz, adverte que um estilo de vida ativo e saudável, incluindo a realização de atividades físicas, é a melhor opção para combater o sedentarismo. “Tudo na vida é uma questão de prioridade. Se uma pessoa hoje não reserva um tempo para ter uma atividade física, no futuro terá que fazer não por opção, mas para tratar as consequências de sua inatividade”, disse a especialista ao acrescentar que não é possível culpar a falta de tempo ou de dinheiro para não fazer exercício.

 A médica alerta que é importante que uma pessoa sedentária e que não está acostumada a fazer atividades físicas, procure um tipo de exercício  que seja prazeroso, pois o processo será muito mais fácil de ser incorporada ao dia a dia. Além do que tem que se levar em conta as capacidades e as limitações de cada pessoa.

 Outro fato que merece destaque é que o sedentarismo não está necessariamente atrelado ao fator peso, tanto que uma pessoa relativamente magra pode ser sedentária e não ter  bom condicionamento físico. De acordo com a especialista, para perder peso tem que ter um programa alimentar, pois a atividade física pode colaborar, mas nunca ser a única forma de buscar o peso correto.

Não é a toa que a OMS preconiza que para não ser sedentário é preciso, para um adulto, fazer 150 minutos de atividade física programada por semana ou dar 10.000 passos por dia. “Após realizar avaliação médica, devemos dar início à atividade física de forma gradual até atingir o objetivo inicial; este deve ser o objetivo final”, ensinou.

 A atividade física traz inúmeros benefícios. “Quando a pessoa movimenta-se todo o corpo reage. Desde o óbvio que são ossos mais firmes e músculos mais fortes, até ganho de condicionamento cardiopulmonar e melhora do humor, do padrão do sono, da libido, do funcionamento intestinal, da memória”, esclareceu  Diniz ao informar, ainda, que além de todo este ganho físico, a atividade física causa bem estar. “Exercitar-se é cuidar da saúde e não da doença.” Apesar de o sedentarismo ser chamado de “a doença do século”, a profissional disse que a afirmação não está correta. Na verdade, o sedentarismo é fator de risco para doenças e não a doença em si.

Ele facilita e agrava as doenças. “A única forma de combater o sedentarismo é com atividades físicas, sejam as programadas ou aquelas que estão inclusas dentro do dia a dia. Contudo, como qualquer hábito, é preciso fazer com frequência”, ensinou. Outro alerta é que o sedentarismo acelera o processo natural de envelhecimento. Uma das principais modificações corporais com o envelhecimento é a redução da massa muscular e o aumento da massa de gordura do corpo. O sedentarismo vai acelerar esta perda. No envelhecimento normal os ossos têm menor teor de cálcio e o sedentarismo piora isso.

Além do que os reflexos ficam mais lentos e, aliados com a pobreza de musculatura, torna o idoso mais sujeito a quedas. “O sedentarismo é o caminho mais rápido para um envelhecimento associado com doenças e fragilidades, chamado pelos especialistas de senilidade”.A prática de exercícios físicos, aliada à alimentação balanceada, é fundamental para um envelhecimento saudável. Manter-se mental e socialmente ativo também é decisivo para um envelhecer com saúde. “O sedentarismo é tão nocivo quanto a obesidade. Cada um causa distúrbios orgânicos múltiplos e, se associados, podem ser altamente perigosos.”

Empresa lança campanha

Desde 10 de março, Dia Nacional de Combate ao Sedentarismo, que a Danone Nutrição Especializada deu início a um movimento nacional  contra o sedentarismo. Por meio de ações virtuais e presenciais, o programa pretende dar dicas de atividades físicas, alimentação e envelhecimento saudável ao longo do ano. O projeto busca incentivar e conscientizar as pessoas sobre a importância da prática de exercícios físicos para a saúde e o bem-estar.

O movimento acontece nos canais de Internet e nas redes sociais digitais com o tema #50MaisSaude e terá Solange Frazão como embaixadora.Segundo o diretor Médico da Danone Nutrição Especializada, Cláudio Sturion, a empresa tem como missão oferecer alimentos que proporcionem saúde e bem estar.

Dentro deste contexto, a Danone sente a necessidade de incentivar e conscientizar a população para um problema que afeta mais da metade da população adulta no país: o sedentarismo. “A faixa etária acima de 50 anos concentra o maior número de sedentários e a Danone Nutrição Especializada disponibiliza diversos produtos pensando nesta população. Combinado a  mudanças de hábitos na alimentação e atividades físicas, o produto auxilia para promover um estilo de vida ativo e saudável”, afirmou Sturion.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia