Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 810 / 2015

04/03/2015 - 20:26:00

Respeitem, pelo menos, as suas mães !

José Arnaldo Lisboa - [email protected]

Para mim, a palavra “respeito” é uma das mais bonitas palavras do nosso dicionário e que deveria ser escrita, sempre, em letras garrafais ou em letras maiúsculas, por ser uma palavra sonora. Ela deveria ser a palavra mais destacada, dentre todas as palavras dos dicionários. É que, o “respeito” deve ser um direito de todos e para ser exercido por todos, em prol de toda a humanidade, seja ela constituída de pessoas de bom nível social, de boa fortuna ou detentora de qualquer fama ou prestígio.

O respeito deve ser usado em todos os relacionamentos humanos, políticos, profissionais e esportivos, porém, ele sempre é esquecido pelos jovens, pelos professores, pelos passageiros dos ônibus, pelos taxistas, pelos desportistas e pelo povo, de um modo geral. O povo fala muito no respeito que dizem ter a Deus, mas, esquecem da prática diária. Os idosos, as crianças e os deficientes físicos, são deixados de lado, sem respeito a todos eles. Está faltando respeito a tudo e a todos.

Falta o respeito para com os vizinhos e, até para com os amigos. O Brasil está um país corrompido, sem respeito às leis, aos símbolos pátrios, aos hinos oficiais e às figuras da nossa História do Brasil. Na televisão, os filmes, as novelas e os tais de BBBs, insultam aos homens de vergonha que ainda existem. Já não respeitam mais os religiosos, aos protestantes e às pessoas de outros credos. A bagunça tomou conta dos estádios de futebol, das praias e das praças. Antes, nós só ouvíamos falar em roubos praticados por marginais, assaltantes e arrombadores, mas, já não há mais o respeito ao dinheiro público, às coisas públicas, principalmente, pelas nossas autoridades e pelos políticos ambiciosos.

O Brasil virou uma “casa de mãe Joana”, onde todo mundo falta com os respeito às normas, aos códigos e às proibições. Em termos de respeito ao povo, está havendo um verdadeiro bacanal, com estupros acontecendo dentro das universidades e faculdades, num mundo cão, comandado por redes de prostituição infantil.

Recentemente, nas badaladas redes sociais, temos testemunhado todo tipo de adjetivos que são dados aos nossos políticos, principalmente ao senhor Lula e à senhora Dilma, ele como cachaceiro e ela como corrupta e incompetente. Acabou-se o respeito aos nossos dirigentes, aos homens públicos e aos que nos governam. Se os nossos governantes não foram bons ou não são bons, não é chamando o ex-presidente Lula e a sra.

Dilma, publicamente, com adjetivos impublicáveis, como vem acontecendo através das redes sociais. Se os dois erraram ou estão errando, existe o direito de criticar, de reclamar e de protestar, sem o uso da anarquia, da bagunça e, do desrespeito. Reconhecemos que, em certos aspectos, o Brasil virou anarquia, como um país especializado em livrar das grades, criminosos cínicos, em conceder “habeas corpus” a meliantes, em transformar penas de prisão em serviços comunitários e em conceder prisão domiciliares a bandidos de colarinho branco. Respeitem, pelos menos, os seus pais. Em tempo – Meu conterrâneo de Mata Grande, sr. Regens de Alencar Gouveia disse ser leitor assíduo do EXTRA e dos meus artigos. Obrigado, conterrâneo, pelos elogios! 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia