Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 809 / 2015

20/02/2015 - 08:17:00

Nem que a vaca tussa

JORGE MORAIS Jornalista

Prometi que nunca mais escreveria sobre o resultado da última eleição para a Presidência da República. Sobre as coisas que foram ditas, entre verdades e mentiras, e o resultado, com a reeleição da presidenta Dilma Rousseff. Como continuo achando que o ano de 2015, só vai começar a partir de 1º de março, não custa nada lembrar algumas mentiras da candidata do Partido dos Trabalhadores, mesmo que boa parte do povo brasileiro esteja mais preocupado em pular o carnaval e chorar depois para pagar a conta.

Não vou aqui nem lembrar os desmentidos dela sobre o desvio de verba da Petrobras; sobre o aumento do combustível; o aumento de energia; e as medidas impostas na área econômica, mas somente vou comentar o que o governo fez contra, principalmente, a classe trabalhadora e os miseráveis assalariados, que vão pagar uma conta muito cara pela ilusão de dias melhores, votando em Dilma Rousseff.

A prova disso é que, em recente pesquisa feita sobre o governo e a popularidade da presidenta, os índices demonstram que, se a eleição fosse hoje, Dilma perdia de goleada para Aécio Neves ou qualquer outro candidato. Hoje, 43% da população ouvida pelos pesquisadores, consideram o governo péssimo ou ruim.

Antes, esse percentual chegava a de 22%.A pesquisa considera também que a presidente Dilma Rousseff, obtém os percentuais de 40%, em falsidade; 50% em desonestidade; e 60% que é mentirosa. A posição dela a frente do país é complicada e delicada e, com um percentual altíssimo, toda vez que ela aparece em público para explicar alguma coisa, as pessoas desligam o rádio ou a televisão, porque não acreditam mais nas palavras de sua governante, principalmente quando o assunto é a área econômica, onde 1 dólar, nesses próximos dois meses, deverá chegar a casa dos 3 reais e 10 centavos.Como meu assunto mais direto no artigo desta semana, puxei a bolinha e caiu o malefício produzido pelo governo, logo depois da chegada de 2015 para os trabalhadores e estudantes.

Senão, vejamos: Quer receber o Seguro-Desemprego? Só se trabalhar por 18 meses; Quer receber abono salarial? Só após seis meses de trabalho.O pescador que for receber o Seguro-Defeso é preciso que tenha três anos de carteira assinada e, pelo menos, um ano de INSS. Lembrando que ele não poderá ter outros benefícios.

Seu marido saiu para trabalhar e, infelizmente, faleceu, você dona de casa, para contar com a pensão por morte, só se tiver, no mínimo, dois anos de contribuição ao INSS e igual período de união estável (casamento). Mesmo assim, só receberá 50% do salário dele, mais 10% por dependente. Outra coisa: se tiver menos de 44 anos de idade, não terá direito ao auxílio vitalício.

O Auxílio-Doença só após 30 dias de afastamento, sendo o primeiro pagamento feito pelo empregador. Abro um parêntese para dizer que já fui vítima dessa medida, esse mês. Ainda não acabou o meu relato. Você, jovem estudante, que fez o Enem e que pretende conseguir uma bolsa de estudo, não conte mais com os 100% do Prouni. Isso é coisa do passado, e que não foi dito durante a campanha presidencial.

As bolsas agora serão de apenas 50% e se você quiser pagar o restante com o Fies, terá de ter, pelo menos, 450 pontos no Enem, e não pode ter zerado a redação, e não poderá mais fazer transferência de instituição ou de curso.Dá para a gente acreditar que um governo desses é sério? Por que isso não foi dito que seria feito durante a campanha eleitoral? Agora a gente entende porque a Dilma mentiu tanto e ainda disse que o Aécio Neves iria destruir o país, acabar com o programa Bolsa Família, aumentar o desemprego e beneficiar os banqueiros. Gente, a inflação já passou para os três dígitos, contando antes e depois da vírgula. Pois bem, da Petrobras caiu a Graça, e, para o país, só falta cair à desgraça. A vaca tossiu tanto, que já pegou uma tuberculose.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia