Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 804 / 2015

13/01/2015 - 07:14:00

Palato Praia: o pior de todos

JORGE MORAIS Jornalista

Estou aproveitando esses dias de férias para testar os serviços que são oferecidos por alguns dos principais supermercados de Maceió. Como cliente, tenho esse dever de procurar saber o que é bom e o que é ruim. Estou pagando por isso, portanto não vejo nada de errado querer saber como sou tratado, como estou sendo visto como consumidor.

Até agora, consegui fazer compras no Bompreço, Extra, UniCompra, GBarbosa e Palato. Em todos eles encontrei problemas, principalmente, em relação aos colaboradores. Os preços, nem discuto. Nenhum vende com preço menor em relação ao outro.

A soma final dos mesmos produtos é quase igual. A pequena diferença não interfere no valor que é pago nos caixas.Separadamente, consegui descobrir que o Bompreço tem em seus colaboradores muito pouca vontade e paciência para conversar e orientar a quem pergunta, quem tem alguma dúvida. Além disso, coloca em qualquer horário uma bateria pequena de caixas, com pessoas mal-humoradas, que mais se parecem com funcionários públicos. Normalmente, o sistema de ar-condicionado não funciona como deveria principalmente o da Rua Buarque de Macedo, no Centro.

Está mais para um ambiente quente do que frio, deixando o usuário, até certo ponto, irritado. Essa situação não é diferente no GBarbosa, com prática bem semelhante em relação ao ar.O Extra é outro supermercado que tem dificuldade em manter o ambiente refrigerado, como observei no da ladeira de acesso à região do Stela Maris e praias.

Fora isso, seus atendentes são, também, de pouca conversa e normalmente você não encontra os produtos desejados, além do consumidor sempre precisar de informações para encontrar a área desejada, pois o número de colaboradores é muito pequeno.

Em algumas horas do dia, eles desaparecem.No UniCompra, com sua origem na cidade de Arapiraca, antes de seu natural crescimento, o atendimento era mais humano. Mesmo assim, ainda é o melhor entre os estabelecimentos pesquisados. Seus colaboradores são, em parte, atenciosos e a ideia que transmitem é bem agradável nesse quesito.

Ruim mesmo é o serviço dos gerentes de plantão. Ficam de caras fechadas quando você se dirige a eles com alguma reclamação.Um problema comprovado do UniCompra está relacionado ao serviço de caixa. Normalmente não tem troco, porque existe um sistema eletrônico que trava o serviço, quando a soma chega a um determinado valor, e o funcionário é chamado para fechar a máquina e recolher o dinheiro existente.

Com isso, você fica esperando pela disponibilidade do rapaz, o recolhimento do dinheiro e o reinício dos trabalhos. O pior: o cidadão que veio leva todo o dinheiro e o caixa fica sem troco. Acho que isso é um problema de logística e que chateia bastante.Finalmente, o outro supermercado alagoano: Palato.

Esse é o campeão de reclamações entre as pessoas com quem conversei. Não se admite que três lojas do mesmo segmento possam ser tão diferentes no atendimento ao cliente. Na do bairro do Farol – Fernandes Lima - o número de reclamação quase inexiste, apesar de ser a maior loja do grupo. Muitos caixas funcionando, com pessoas bem-humoradas e outros colaboradores espalhados pela loja atendendo com presteza.

Seus dois restaurantes são ótimos.No outro Palato, também, do Farol, são dois problema: o primeiro, gente demais para um péssimo atendimento na lanchonete. E rotineiramente só um caixa aberto para pagamento na saída. Mas, o pior de todos mesmo é o da Rua Deputado José Lages.

Apertado, caixas despreparados, principalmente a que atendia aos idosos, deficientes e gestantes, no dia 1º de janeiro, às 18h, mal educada e com respostas ríspidas na ponta da língua. O gerente de plantão no atendimento foi procurado para a reclamação, mas parece que não estava muito preocupado com isso.Resultado: produtos caros para um serviço péssimo. Com a palavra o Procon de Alagoas.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia