Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 803 / 2015

07/01/2015 - 07:23:00

SURURU

DA REDAÇÃO

Caos em Arapiraca

A secretária de Finanças, Maria Edina Pereira Cavalcante, após ser nomeada para gerenciar o dinheiro público na Prefeitura de Arapiraca, há mais de um ano, começou a mostrar suas garras e o seu desejo de poder.Edina Pereira conseguiu nomear a irmã Patrícia Pereira Maximiano Madeiro como Chefe de Recursos Humanos na Secretaria de Educação e, o principal: diretora de Compras da Merenda Escolar.Nesse período, a gestão da prefeita Célia Rocha começou a viver o caos.


Não pagou

Edina Pereira deixou de pagar os salários dos motoristas do transporte escolar, provocando revolta nos estudantes, que por diversas vezes realizaram manifestação no Centro Administrativo.A toda poderosa também não repassou o subsídio para as empresas de ônibus, que tiveram de aumentar o valor da passagem, prejudicando toda a população de Arapiraca.


Nepotismo 

Passaram a ocorrer atrasos na compra da merenda escolar, falta de medicamentos nas unidades de saúde e, o pior,  atraso no pagamento dos salários dos servidores públicos.Além disso, Edina Pereira tem uma filha - Manuela Pereira - como servidora da Saúde; o filho Guilherme Pereira está lotado como servidor na Secretaria de Planejamento, e o ex-marido Guilherme Rocha Melo como diretor do Mercado do Artesanato.Para se ter uma ideia de seu poder, Edina Pereira também é responsável pela nomeação de três amigos para o primeiro escalão do governo municipal.Assim também é demais!


Know how

Quando comandou a Secretaria Municipal de Obras da vizinha Taquarana, Edina Pereira deitou e rolou na gestão do dinheiro público. Ela chegou a ser notificada várias vezes pela CGU por obras inacabadas e desvio de recursos do Ministério das Cidades. Quem terminou pagando o pato foi o então prefeito Alay Correia, que até hoje continua com seus bens indisponíveis por decisão judicial. Te cuida, Célia Rocha!

Fogo de palha 1

O Tribunal de Justiça suspendeu a liminar que impedia o ex-deputado estadual Fernando Toledo de assumir uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. A  medida abre caminho para Toledo fazer parte da Corte que vem sendo chamada de “Assembleinha”. 

Fogo de palha 2 

Vale lembrar que Fernando Toledo é acusado de chefiar um esquema que desviou dinheiro público quando comandava a Mesa Diretora da Assembleia. O prêmio de consolação de Toledo pelos seus desmandos é assumir o cargo vitalício que deve julgar e investigar os “corruptos” em Alagoas. 

No aguardo 

Alguns líderes partidários que deram sustentação e tempo de TV para eleição de Renan Filho ainda aguardam o contato do governador. O discurso de muitos é do esquecimento; outros já falam em compor o segundo e terceiro escalão. É o que resta!

Adeus 

Teotonio Vilela nos últimos dias de mandato inaugurou uma série de obras, algumas até sem condição de utilização, como foi o caso da UPA em Maragogi. A lembrança que Vilela deixa para os alagoanos é do Estado mais violento do país e a herança de uma dívida pública impagável.

Vida curta   

A Secretaria de Cultura do Estado, Mellina Freitas, deve ter passagem curta pela pasta. A explicação é simples: Melina foi à segunda colocada na eleição para prefeita em Piranhas. Com os seguidos imbróglios, o atual prefeito, Dante, deve ser afastado em breve do cargo e a filha do presidente do Tribunal de Justiça, Washington Luiz, deve retornar ao comando do município. 


Novo comando 

O deputado federal Marx Beltrão vem preparando uma manobra para assumir o comando do PSD em Alagoas. Até pouco tempo o partido “pertencia” ao usineiro João Lyra. Marx deve ganhar maior independência política com um partido em suas mãos. Atualmente o deputado federal é filiado ao PMDB. 


Debandada 

O prefeito Rui Palmeira resolveu cortar na “própria” carne. Centenas de servidores comissionados foram demitidos. Quem anda chiando com a medida são alguns vereadores que tinham apadrinhados e correligionários lotados. 


Ineficiência 1

A SMTT em Maceió vem demonstrando falta de critério em suas atividades. As festas nos bares da orla na cidade vêm se tornando um caos; os frequentadores dos locais não respeitam o espaço da calçada e invadem a pista. O órgão que tenta organizar o trânsito e não consegue faz vista grossa para problemática. 


Ineficiência 2

A SMTT vem utilizando o critério arbitrário de multar. Parece que advertência verbal e a educação no trânsito foi deixada de lado pelos agentes. A ordem é arrecadar. 


Justa homenagem

Em uma noite prestigiada por familiares e amigos, o Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa) inauguriou na segunda, 29, a Sala Jornalista Valmir Calheiros. Uma homenagem mais do que merecida ao grande profissional falecido no ano passado.  

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia