Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 802 / 2014

28/12/2014 - 10:11:00

PEDRO OLIVEIRA

A nossa corrupção

Pesquisando sobre o tema corrupção, muito bem apropriado para o momento de turbulência moral que vivemos atualmente, me deparei com um texto de autoria de Diego Conti, pesquisador do Núcleo de Estudos do Futuro da PUC/SP que nos remete a uma reflexão sobre a realidade brasileira frente ao tema recorrente principalmente em nossa apodrecida política. Sabemos que o Brasil não inventou a corrupção, mas ninguém pode negar que estamos entre os campeões na matéria. Aborda Conti que a corrupção é um dos grandes males do milênio e que permeia diferentes países e organizações.

Um estudo apresentado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2013, na cidade de Genebra na Suíça, durante um painel sobre o impacto negativo da corrupção na questão dos Direitos Humanos, mostrou que 8,44 trilhões de dólares foram desviados no mundo de maneira ilícita na última década, o suficiente para alimentar todas as pessoas do planeta em situação de extrema pobreza por 80 vezes.

Os investimentos milionários de empreiteiras, de montadoras, de multinacionais do agronegócio e de bancos, nas campanhas políticas, dão a dinâmica do sistema. Está ai o escândalo gerado com a operação Lava Jato envolvendo as maiores empresas de construção do país, agentes públicos e quase 100 políticos brasileiros.

Todos sofrem as consequências dessa situação, mas são as famílias mais pobres, que dependem essencialmente de serviços públicos básicos – saúde, educação, transportes – para viver e que residem nos extremos das cidades, que sentem na pele os efeitos dessa grande problemática.

O que se vê, na prática, são esquizofrenias que prejudicam a vida de milhões de brasileiros: imensos investimentos em rodovias, pontes e viadutos em detrimento de investimentos em transporte coletivo, saneamento básico, moradia de qualidade, espaços de cultura, de esporte e de lazer. 

Sinais de insatisfação com o sistema surgem por todos os lados – manifestações de junho de 2013, críticas sobre a Copa do Mundo e outras reivindicações organizadas com as mais diferentes causas e bandeiras. Seriam os sinais do fim de um período tortuoso da história do Brasil e o início de um período fértil e virtuoso? Talvez.

Para que isso aconteça é preciso lutar por reformas institucionais e sociais, reduzir a desigualdade social drasticamente e investir num novo modelo de governança.“A mudança para a criação de um Brasil melhor depende de cada um de nós por meio da ampliação da consciência e da percepção de que fazemos parte de uma mesma engrenagem, de um único planeta.

O fim da corrupção e a recuperação da ética, da família e dos valores completam a chave que abrirá a porta de uma nova realidade – de um país pacífico, sem pobreza e harmonioso”.

O presidente dos servidores

O desembargador Washington Luiz já ocupou por alguns meses a presidência do Tribunal de Justiça e marcou sua administração pela valorização do funcionalismo do Poder Judiciário que o tem em grande conta. Diferente de algumas gestões, não perseguiu e adotou o critério da meritocracia beneficiando indistintamente todas as categorias. Há uma expectativa positiva geral entre os servidores do TJ com relação a próxima  gestão do desembargador Washington  Luiz, agora por inteira. 


Chegou ao meio

O prefeito Rui Palmeira no próximo dia primeiro de janeiro completa a metade de sua administração. Não tem muito o que comemorar e até tem decepcionado parte dos 230.129 maceioenses que lhe confiaram os destinos de Maceió, na esperança de que operasse as mudanças que prometeu em campanha. Tem enfrentado sérias turbulências contingenciais, com boa parte da equipe que deixa a desejar. Vai enfrentar um ano difícil e o outro ano já é de eleição. Pelo que se prenuncia terá adversários de peso ameaçando sua reeleição que se imaginou seria fácil. Vai ter que trabalhar muito para recuperar o tempo perdido, se é que isto seja possível. Por outro lado tem uma trajetória política brilhante e não tem o direito de jogá-la fora, até porque é um dos raros políticos cuja ética e honestidade podem ser postas à prova. Mas tudo dependerá exclusivamente de uma pessoa: Rui Palmeira.


Buscando o impossível

Alguém de má fé enganou os servidores públicos estaduais que aderiram ao PDV (Programa de Demissão Voluntária) dando a falsa esperança de que conseguiriam retornar às suas funções buscando via judicial. Só os tolos acreditaram nessa conversa fiada que foi “enterrada” com a decisão do Tribunal de Justiça que decidiu pela extinção do processo, sem resolução do mérito da ação. 


Todos contra Bolsonaro

A senadora Ana Rita (PT-ES) entregou ao presidente Renan Calheiros esta semana requerimento aprovado pela Comissão de Direitos Humanos pedindo que a Mesa do Senado encaminhe à Câmara dos Deputados representação contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) por quebra de decoro parlamentar. A entrega foi feita em Plenário com outras senadoras. O deputado disse à colega Maria do Rosário (PT-RS), que não a estupraria “porque ela não merece”. Maria do Rosário, ex-ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, havia acabado de discursar sobre o relatório final da Comissão da Verdade, quando classificou a ditadura militar de “vergonha absoluta”.— Pelo que o deputado Jair Bolsonaro fez na Câmara dos Deputados e reiteradamente em outras ocasiões em que também teve postura semelhante, nós não podemos conviver com esse tipo de comportamento por parte de um parlamentar federal — explicou Ana Rita, pedindo urgência para o requerimento.O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara já instaurou processo por quebra de decoro contra o deputado a pedido de outras instituições.Na verdade há muito essa figura excrescente deveria estar fora da Câmara dos Deputados por sua conduta indecorosa. 

Os crimes do PT

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu anular o processo do caso Celso Daniel, prefeito do PT de Santo André (SP) assassinado em 2002. A decisão foi tomada após pedido da defesa de Sérgio Gomes da Silva, empresário conhecido como “Sombra” e apontado pelo Ministério Público de São Paulo como mandante do assassinato do petista. O processo envolve sete acusados, seis dos quais já foram condenados por júri popular a penas de 18 a 24 anos de prisão. “Sombra” é o único dos acusados pela morte que não foi julgado até hoje. Para o MPE, Celso Daniel foi morto após descobrir um esquema de corrupção e propinas dentro da Prefeitura de Santo André. Este é um imbróglio emblemático que o Partido dos Trabalhadores carrega em sua extensa rede de intrigas e corrupção. Conseguiram postergar mais uma vez.


O talento de Poliana

A atual secretária de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Poliana Santana é, sem dúvida, um dos melhores valores da administração pública alagoana. Técnica por formação e vocação sabe comandar com humildade e mão de ferro na busca de alcançar os objetivos vitoriosos aos quais se propõecom sua competente equipe de auxiliares escolhidos à dedo. Comenta-se que recebeu convite do futuro governo para ocupar importante cargo na administração. Agradeceu e declinou do convite. A partir de janeiro pretende emprestar seu talento com uma acertada e disputada consultoria, em “voo solo” e na iniciativa privada, com direito a atender também ao setor público. 


Nervos à flor da pele 

Está cada vez mais próximo o dia da posse do governador eleito Renan Filho que segue montando estrategicamente sua equipe com um cuidado absoluto para não cometer equívocos na escolha. Por enquanto três nomes são tidos como certos e já com posições definidas em suas áreas de atuação, um deles já anunciado o jornalista Ênio Lins que ao lado de Fábio Farias e do vice-governador Luciano Barbosa, uma trinca da mais alta competência e experiência, formarão o “núcleo central do poder”. Antes do Natal poderão sair os nomes de setores vitais como Saúde e Defesa Social. Os outros esperarão mais um pouco e este fato tem deixado muitos com os nervos à flor da pele. Entre os aliados o consumo de “tranquilizantes” aumentou consideravelmente. De outra banda já começam a surgir os insatisfeitos e “injustiçados”. Por sua vez Renan Filho vai fazer de tudo para realizar o governo que prometeu aos alagoanos e sabe que não pode começar errando. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia