Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 802 / 2014

28/12/2014 - 09:14:00

JORGE OLIVEIRA

O trio que quebrou a Petrobras

Brasília - Um líder político é reconhecido pelo carisma e pela  capacidade de escolher uma equipe para governar. Definitivamente, a Dilma não se encaixa nesse perfil. Quando tentou ser empresária, conseguiu o impensável: faliu uma loja de R$ 1,99 em Porto Alegre.

E quando tomou a iniciativa de escolher sozinha um gerente para administrar até então a mais poderosa empresa da América Latina, a Petrobras, derreteu a estatal. Graça Foster, a sua amiga íntima, a quem  ela chama de Graciosa, continua mais perdida do que cego em tiroteio. A Petrobras, uma das empresas brasileiras mais respeitadas, agora virou símbolo de corrupção no mundo.

A estatal tem hoje um endividamento líquido de 261 bilhões de reais, suas ações na Bolsa de Valores caíram para menos de R$ 10,00 e a sua desvalorização no mercado já chega a mais de 80%. Quer mais: boa parte da diretoria está envolvida em corrupção e os ex-diretores Renato Duque, Nestor Cerveró e Paulo Roberto trabalhavam a serviço do PT na movimentação do caixa 2 para as campanhas do partido.

Mesmo com todos esses escândalos, Dilma mantém Graciosa na empresa. Não a demite porque não aceita pressão da mídia nem da oposição que pedem a cabeça da amiga como se a Petrobras fosse um território de compadrios e não tivesse que dar satisfação aos seus milhões de acionistas aqui e lá afora.Parafraseando o grande líder brasileiro, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva “nunca na história desse pais se roubou tanto em tão pouco tempo”.  

Em doze anos de governo petista, o patrimônio brasileiro virou água nas mãos da Dilma e de Lula, o operário milionário. Os outros comparsas do mensalão que deram uma mãozinha na gatunagem ainda estão no presídio da Papuda e alguns desfilando por aí comtornozeleiras de presidiários.  

O PT conseguiu quebrar as empresas estatais mais importantes do país, vitais para o nosso desenvolvimento. A Eletrobras, por exemplo, não sustenta uma investigação mais profunda. Responsável pelo setor energético, também está quebrada. Seus diretores convivem com os mesmos empreiteiros que estão presos, donos das grandes obras de hidrelétricas que absorvem bilhões de reais. 

O BNDES virou a Madre Teresa de Calcutá com o nosso dinheiro. Por iniciativa de Lula, o banco distribui dinheiro pelo mundo. Mas é nos países da África que a grana chega na forma de filantropia para os nossos “irmãos”, como diria o nosso líder quando estava no governo. “Irmãos” uma ova, esse dinheiro nunca serviu para uma causa nobre.

É destinado a ditadores sanguinários. De lá boa parte do dinheiro sai para os paraísos fiscais, onde é feita a divisão da propina. Outros empréstimos milionários, que teriam como destino o investimento em obras de infraestrutura nos países africanos, são perdoados pelo BNDES, sem que as autoridades brasileiras tomem conhecimento de tais procedimentos.É assim que os petistas administram o Brasil.

E quando pensamos que ainda teremos mais quatro anos de governo da Dilma só nos resta chorar. Até agora, a presidente não escalou seu novo ministério, mesmo com as sucessivas reuniões que fez com Lula, seu guru e principal conselheiro. Mas pelos nomes que vêm se cogitando, é de se supor que a mediocridade vai continuar. Nenhum executivo sério gostaria de integrar esse governo sujo.

Dilma vai se contentar mesmo em preencher as vagas com políticos desempregados e incompetentes, que, sem mandatos, não têm onde cair morto.Não adianta dourar a pílula: a Dilma é incompetente para administrar o país. E sem quebrar a ordem jurídica e democrática, o povo brasileiro tem, sim, o poder soberano de mandá-la embora.

Maridão

Não adianta só tirar o sofá da sala, exigir a expulsão de toda diretoria da Petrobras e botar um monte de gente na cadeia. O Brasil vai continuar sendo dilapidado enquanto o governo petista estiver no poder. A Dilma está cada dia mais atolada nos escândalos. Criar factoides como o da Comissão da Verdade na tentativa de tirar a corrupção das manchetes, agora que a lama chegou na sala principal do Planalto, também é paliativo. A presidente não pode negar, por exemplo, que não é da sua responsabilidade a nomeação de Graça Foster para a Petrobras, uma dirigente que se mostrou incompetente e desastrada no comando da empresa. No período de dezembro de 2010 a dezembro deste ano, Foster conseguiu até então o inimaginável:  desvalorizou a Petrobras em 80,4%. Além disso, ainda mentiu cinicamente na CPI quando disse desconhecer as falcatruas na empresa, agora desmascarada pela ex-gerente Venina Velosa da Fonseca que diz que ela foi informada de tudo por mensagens na internet.    


Amigas

Graça, que é chamada carinhosamente de Graciosa pela presidente, conheceu a Dilma quando ela exercia o cargo de secretária de Energia do Rio Grande do Sul, quando ambas cuidaram do gasoduto Bolívia/Brasil (Gasbol), parceria que envolveu a BP e a Shell. De lá pra cá viraram amigas e confidentes.  Dilma também é amiga de Colin Vaughan Foster, marido de Graciosa, de quem herdou o sobrenome. Colin é figura carimbada  na Petrobras. Frequenta com  intimidade e desenvoltura os gabinetes dos diretores no suntuoso prédio da Avenida Chile, no Rio. Só nos últimos três anos, a C. Foster assinou 43 contratos com a estatal, dos quais 20 sem licitação para fornecer componentes eletrônicos para a área de tecnologia, exploração e produção.

Aposentadoria

Graça Foster, se sair amanhã da Petrobras por causa dos escândalos, não tem do que se queixar. Além de gozar de todos os benefícios de uma rica aposentadoria com direito a bônus e salário integral, ainda terá uma vida confortável ao lado de Foster. A empresa do maridão, a C. Foster Serviços e Equipamentos faturou milhões com a Petrobras nos 43 contratos assinados.Colin circula livremente pelos corredores da empresa apresentando-se como marido de Graciosa. Faz lobby em todos os setores e a sua empresa alimenta uma série de outras que formam um cartel no fornecimento de equipamentos. O casal é íntimo da presidente. Ao nomeá-la, Dilma sabia dos interesses de Colin dentro da Petrobras e dos contratos da sua empresa. Mas nada disso pesou na escolha. Não pesou, inclusive, que se tratava de uma imoralidade, uma vergonha, uma aberração que só acontece numa republiqueta de bananas como a nossa.


Incompetentes

Por isso, minhas senhoras e meus senhores, não adianta tirar apenas o sofá da sala. Precisamos, isso sim, extirpar o câncer da corrupção que corrói as nossas estatais, hoje ocupadas por sindicalistas incompetentes e despreparados fincados em cargos estratégicos do governo. 

Descontaminação

Os depoimentos na Justiça já apontam indícios do envolvimento da Dilma nos escândalos da refinaria de Pasadena, no Texas, quando esteve à frente do Conselho da Petrobras. Agora, mostra sua conivência com a Graciosa e com toda patifaria na Petrobras, como acusou o doleiro Youssef. Portanto, diante de tanto descalabro, não podemos continuar varrendo mais a sujeira para debaixo do tapete. Precisamos tirar o tapete, o sofá e descontaminar a sala. E o caminho, depois, é um só: o impeachment da Dilma. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia