Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 801 / 2014

17/12/2014 - 09:44:00

Rui desconversa sobre reeleição e diz que terá boa relação com Renan Filho

Prefeito de Maceió diz que vai tirar Maceió da crise econômica e garante ser parceiro do governador eleito

Carlos Victor Costa [email protected]

No final de seu segundo ano no comando da prefeitura de Maceió, Rui Palmeira (PSBD), vem enfrentando uma grave crise financeira em sua administração, reduzindo até seu salário. Nesta entrevista ao EXTRA, ele fala sobre as medidas de contenção de despesas que ele vem promovendo e também sobre o relacionamento com o novo governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB). 


EXTRA- Quanto o senhor acredita que será possível economizar com as medidas de corte de salários – seu e dos secretários – e de redução de cargos comissionados?

Nossa meta é economizar cerca de 20% em valores do que se destinam a pagamentos, em geral, de cargos em comissão. Estes valores são superiores a R$ 3 milhões por mês.


EXTRA- De quanto foi a queda de receita do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e como ela está afetando a vida do maceioense?

Afeta em todos os sentidos, porque o repasse do FPM e das demais verbas federais é superior à arrecadação própria dos municípios e de Maceió. E esta frustração de receita é nacional – ou seja, um repasse a menor do que o previsto para o ano - , não atinge só Maceió, e sim todos os municípios brasileiros. Estimamos que em termos globais esta redução tenha afetado as finanças municipais em 40%.


EXTRA- O aumento do IPTU está entre as possíveis medidas para aumento da receita?

Como ocorre anualmente, o IPTU em Maceió sofrerá reajuste. Este reajuste ocorre todo o ano, ou seja, não queremos transferir para o IPTU o ônus de cobrir a frustração de receita do FPM. Em 2015 este reajuste será de 6,5%. Este reajuste tem como base indicadores oficiais e recompõem parte das perdas inflacionárias do período.


EXTRA- O senhor já enfrentou uma greve dos servidores municipais e tem sido alvo constante de críticas na mídia, segundo a qual falta celeridade na sua administração. Como o senhor responde a isto?

Estamos administrando Maceió diante de uma grave crise financeira que é nacional e diante de um passivo de demandas não atendidas há décadas na capital alagoana. Estamos trabalhando com seriedade, responsabilidade e empenho. Certamente, 2015 será um ano de realizações. Críticas são naturais e especialmente as críticas construtivas nos ajudam muito. Recebemos as críticas com humildade e com atenção, sabendo que elas nos ajudam a melhorar a gestão.


EXTRA- Está entre seus planos a disputa pela reeleição?

A eleição ocorrerá somente em 2016. Nosso foco integral está em administrar Maceió. Não discutiremos eleição antes de 2016.


EXTRA- A partir de 2015 o governo do Estado passa a ser comandado por um opositor seu. Como será o relacionamento da Prefeitura de Maceió com o Governo de Alagoas na gestão Renan Filho?

Temos uma excelente relação com o governador eleito Renan Filho e torcemos muito pelo sucesso de sua administração. Seremos parceiros do governador eleito Renan Filho e queremos ações conjuntas entre Estado e Prefeitura de Maceió. O governador Renan Filho já sinalizou, de forma republicana, para tais parcerias. O momento é de união pelo bem de Maceió e de Alagoas. Tenho certeza deste ideal tanto por minha parte, como por parte do governador eleito Renan Filho.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia