Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 801 / 2014

17/12/2014 - 09:12:00

O generoso Uruguai

Amadeu Garrido advogado especialista em Direito Constitucional, Civil, Tributário e Coletivo do Trabalho.

Abriram-se as portas da República Oriental do Uruguai a um palestino, quatro sírios e um tunisiano que amargavam no cárcere mais infame do mundo - Guantánamo -, desde 2002, o julgamento a que todo ser humano faz jus. Prisão nefanda que o Presidente Obama não conseguiu cerrar as portas ante a oposição republicana e o sentimento de vindicta do povo americano. Não se põe em dúvida o sentido humanitário da medida de Mujica, anunciada depois da vitória de Tabaré Vasquez.

No entanto, é preciso parar e pensar sobre as últimas decisões do governo uruguaio. O País, que ocupa o 1º lugar em qualidade de vida/desenvolvimento humano da América Latina, segundo a Transparência Internacional,  e injeta a maioria de seus recursos militares nas atividades de paz da ONU, não pode sofrer as consequências de exageros impensados, em nome de discutíveis valores “pós-modernos”, que tomaram lugar nas agendas marxistas-leninistas do século passado. 

Com justiça o Uruguai também é considerado país pioneiro em direitos civis e liberdades democráticas. Contudo, transpostos certos limites, a deterioração dos bons propósitos e da sociedade inconsequente é certa na história da humanidade. Não se pode introduzir no mesmo embornal a descriminilização do aborto, a legalização da maconha, o matrimônio igualitário, a adoção de crianças por casais homoafetivos e a recepção dos prisioneiros de Guantánamo. São questões absolutamente díspares.

O maior problema dos pensamentos ideológicos é projetar sob o emblema do progressismo propostas que só aparentemente devem ser tratadas com igualdade. Guantánamo é o maior câncer a corroer a tradicional democracia americana, que se empobreceu e e ficou desprovida de valores fundamentais depois do inominável ataque às torres. Não foram vítimas apenas os americanos atingidos por esse desatino cruel, mas também o “american way of life” e as principais crenças políticas apregoadas pela “maior democracia do mundo” no pós-guerra. A propensão à mais extrema vingança foi um equívoco, em que pese o sofrimento nacional.

A conduta do país se equiparou, em muitos pontos, à dos radicais que o atacou selvagemente. Os dois exemplos magnos foram a desbussolada invasão do Iraque e o erguimento do depósito humano de Guantánamo, um verdadeiro campo de concentração rotulado de presídio. Porém, como dizem, “quem pariu Mateus que o embale”. Não cabe a nenhum país do mundo, nem mesmo ao exemplar Uruguai, “o país mais habitável e verde do mundo”, socorrer a democracia americana.

Isso porque, ao recepcionar humanitariamente os prisioneiros, o Uruguai faz bem a eles, mas muito mais a seus ofensores, que os capturaram no Paquistão, meteram-lhes os grilhões mais sórdidos e não os julgaram há doze anos. Se o método se espraiar, Guantánamo será esvaziada, assim como a consciência americana, e os demais países do mundo terão de conviver com inocentes ou culpados, gente da paz ou terroristas, e suas consequências. E um dos maiores problemas dos EUA estará resolvido, mediante a exportação de suas vítimas de Estado. 

É preciso ter em conta que nem tudo que é humano ou humanista é racional. E as liberdades e solidariedade não podem ser confundidas com políticas mal formuladas de esquerda, que só tem levado os respectivos povos à miséria e às agruras, como em Cuba, na Venezuela e na Bolívia; e já deixa suas marcas em nosso Brasil de crescimento zero. Nem tudo vale a pena, se a alma do mundo é pequena. O Uruguai não pode se transformar numa terra de licenciosidade e perder seu frescor na tempestade do mundo atual. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia