Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 801 / 2014

16/12/2014 - 16:55:00

Gabriel Mousinho

Fernando Collor e o PTB

Circula nos bastidores políticos de que o senador Fernando Collor não anda nada bem com a presidência do PTB, hoje dirigido pela deputada federal Kristiane Brasil, filha do polêmico Roberto Jefferson condenado no Mensalão. Kristiane, vereadora pelo Rio de Janeiro, foi eleita com grande votação nas últimas eleições.A verdade é que a relação entre Collor e o ex-presidente do PTB Roberto Jefferson, passou a não ser das melhores e Kristiane já fez algumas incursões em Alagoas para tirar o partido de Collor. O problema é que ninguém se atreve a enfrentar o senador e ex-presidente, uma vez que ninguém sabe de sua reação. Mas que o objetivo é defenestrá-lo da presidência do PTB, em Alagoas, isso é certo.O assunto de apear Collor da presidência regional do partido é fato consumado e comentado à boca miúda nos meios políticos. Kristiane não tira da cabeça que deve tirar o senador, mas até a nova legislatura muita coisa pode acontecer no partido que, por trás da robalta, Roberto Jefferson ainda reina. Por enquanto ninguém sabe os motivos que deram causa a esta repugnância da presidência do PTB com o senador Fernando Collor.

Café pequeno

A Folha de São Paulo noticiou na semana passada que Renan Filho ficou com 4,9 milhões de reais de doações durante a campanha eleitoral, o terceiro na lista das empreiteiras investigadas na Operação Lava-Jato. O primeiro foi Rui Costa, do PT da Bahia, campeão em recebimento. Pelo que Renan Filho recebeu isso foi apenas um café pequeno do total dos seus gastos divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral durante a campanha deste ano.


A troco de quê?

Essas generosas doações merecem uma grande reflexão da população e consequentemente da própria Justiça Eleitoral com todos os candidatos, indistintamente. Qual o interesse de se investir fortunas numa campanha política sem interesse aparente?


As investigadas

As grandes doações vieram exatamente das empresas investigadas no rolo da Petrobras, entre as quais a UTC, Odebrect, Queiroz Galvão, Engevix, Galvão Engenharia e Camargo Corrêa. Elas, juntas, doaram 39 milhões de reais a 19 candidatos ao governo.


Esperteza

O ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, depois de fundar o PSD e usá-lo para negociar cargos no governo federal, agora vem com mais uma artimanha, refundar o PL e depois fundi-lo com o PSD. Com isso ficaria com o tamanho ideal para que possa barganhar uma banda do governo e se habilitar a ser indicado, futuramente, candidato a vice-presidente da República. A Justiça Eleitoral precisa dar um basta nessas maquinações que só fazem demonstrar que a política continua sendo um grande negócio.

Contra senso

Enquanto servidores do SAMU de Rio Largo não têm nem água para beber e convivem com instalações precárias, o prefeito Toninho Lins nomeia uma leva de secretários e desfila pelas ruas do município com um baita Land Rover, brinquedinho que custa pra lá de 300 mil reais.

Biu na liderança

Biu de Lira acaba de ser indicado líder da bancada do Partido Progressista no Senado Federal. Seu prestígio no PP deve-se ao fato de ser um senador atuante, presente como poucos no Congresso Nacional e sintonizado com as ações em benefício do povo brasileiro. Lira, além disso, tem se destacado na presidência da Comissão Nacional de Agricultura com projetos dos mais importantes para esse segmento econômico do país.

Pagando a conta

O governador Téo Vilela tem massificado a divulgação de ações do seu governo. Uma delas é o banho de asfalto que está dando no Estado, onde favoreceu também a região norte de Alagoas. Mas a primeira fatura do financiamento dessas obras chegará somente no próximo mês, exatamente quando deixa o governo.

Pé no freio

Às voltas com a Lei de Responsabilidade Fiscal, onde Téo Vilela meteu o pé no acelerador, Renan Filho vai ter que cortar cargos comissionados e extinguir secretarias improdutivas, criadas apenas para atender a aliados políticos. 

Sem modéstia

O governo tem alardeado que foi o grande responsável pelo avanço do canal do sertão. Mas não tem reconhecido o trabalho permanente da bancada federal para assegurar a manutenção dos recursos para viabilizar a obra.

Crime ambiental

Diziam os mais antigos, que quem mandava no governo eram os usineiros. Parece que a coisa não mudou muito nos últimos anos. A usina Triunfo, por exemplo, há anos vem poluindo a região sem que seja importunada pelos órgãos ambientais e até mesmo o Ministério Público. A poluição, advinda dos seus bueiros, tanto atinge em cheio a cidade de Boca da Mata, onde ela fica instalada, como sítios e povodos adjacentes. Crianças e idosos são as vítimas mais atingidas pela irresponsabilidade dos donos do poder, que estão indiferente a implantar filtros exigidos por lei. Como se vê, a indústria, através dos seus dirigentes, zomba e desmoraliza o IBAMA, o IMA e as autoridades de um modo geral.


Muito cedo

Nem bem terminou a eleição, já se fala em 2018, onde Téo Vilela se dispôs a disputar um mandato de senador. Alguns órgãos de comunicação alegam que a dobradinha Téo-Renan pode se repetir e, aí, sairia no prejuízo o senador Biu de Lira. Mas tem gente que anda esquecido de que na eleição para senador em 2010, Biu de Lira foi o campeão de votos, inclusive ganhando o mandato bem à frente do senador Renan Calheiros. O prejuízo, portanto, pode vir para outros.


Sem alternativa

O prefeito Rui Palmeira já deveria ter cortado muitas gorduras no município, mas antes tarde do que nunca. Depois de cortar cargos comissionados e diminuir vencimentos de seus auxiliares, Rui bem que poderia mandar pra casa uma infinidade de aposentados que ainda mamam nas tetas do município.


Hora de decisão

Trazer para junto os partidos aliados, definir prioridades nos projetos do município e eleger uma grande obra para dar uma sacudida junto a opinião pública, parece que chegou a hora. Rui tem que fazer isso para não dar brecha aos deputados recém eleitos que já estão de olho na prefeitura de Maceió.


Transtorno

O alagoano vive cada dia mais massacrado. Quando não falta água, falta energia e, para completar, o Estado está entregue literalmente aos bandidos, que assaltam bancos, arrombam casas, furtam à luz do dia. E matam. 

Secretariado

Na próxima semana, com certeza, o governador eleito Renan Filho vai anunciar todos os que irão participar do seu secretariado. A preocupação maior é com a Educação, cujo ano letivo somente será concluído em 2015, a Saúde e a Segurança Pública. O resto, bem, dá pra levar.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia