Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 800 / 2014

10/12/2014 - 07:32:00

Gabriel Mousinho

Renan protege Renan

É isso mesmo. O senador Renan Calheiros está protegendo o seu filho, Renan, futuro governador de Alagoas. Até agora nenhuma figura suspeita, ou carimbada como dizem os mais experientes, está fazendo parte do secretariado de Renan Filho. E isso é uma forma de proteção que o experiente senador evita que seu filho tenha problemas futuros e até mesmo no presente, se anunciasse algum nome que não estivesse dentro dos padrões alardeados por ele próprio durante a campanha política.Com prazo até o dia 31 de dezembro, Renan Filho tem conversado longamente com aliados políticos e analisado nomes que possam figurar numa primeira hora no seu secretariado. Que é uma dor de cabeça, disso ninguém tem dúvidas e o pai tem procurado deixar o filho à vontade, sem comprometer um governo que irá se iniciar.Renan Filho, com futuro promissor na política alagoana, deve mesmo escolher gente que não esteja envolvida em episódios recentes, com digitais impressas naquela velha escola do 171. Ele, mais do que ninguém, sabe que todos participaram de sua eleição, mas não deve e nem vai colocar sua cabeça a prêmio. Pelo menos por enquanto.

Expectativa

Muitos aliados do futuro governador estão em permanente expectativa para saber se seus nomes irão figura no primeiro, segundo ou terceiro escalões. E o futuro governador está fazendo mistério na escalação do time, o que deve fazê-lo até o final do mês. Como sempre, os cargos mais cobiçados e esperados para o anúncio oficial são o da Educação, Saúde e Defesa Social.


Café frio

Mesmo que esteja tentando manter a normalidade na administração pública, Téo Vilela está experimentando o que é fim de governo. Apenas alguns auxiliares são encontrados nos seus respectivos postos de trabalho, mas até o café não está tão saboroso como no início do seu governo.


Interlocutor

O jornalista Ênio Lins, escolhido secretário de Comunicação Social, tem tido muito trabalho nos últimos dias. Tem se encontrado com antigos secretários, a exemplo de Luiz Otávio Gomes e com aliados de Renan Filho. Aos poucos, com prudência, vai ampliando as conversas.


Sinal de alerta

O prefeito Rui Palmeira não tem sido bem avaliado nos últimos meses por críticos políticos. Está faltando mais alguma coisa para Rui deslanchar, o que pode até comprometer a possibilidade de uma reeleição.


No Gabinete Civil

O médico e empresário Fábio Farias, pela sua estreita ligação com o senador Renan Calheiros e habilidade de tratar assuntos políticos, deve ser indicado para assumir o Gabinete Civil, hoje ocupado por Álvaro Machado. A pasta é uma das mais importantes do governo e de estrita confiança do governador.

Apostas

Analistas políticos não acreditam que o futuro governador Renan Filho dê uma canetada geral, cortando cargos comissionados e secretarias consideradas improdutivas. Os aliados, naturalmente, vão fazer de tudo para impedir que acabe com o cabide de empregos.


Téo vem aí

Depois de fazer um balanço de sua administração esta semana, o governador Téo Vilela, ao contrário de quando foi anunciar um candidato que lhe substituiria no governo, disparou que pode, sim, ser candidato ao senado Federal em 2018. Com esta declaração se evidencia cada vez mais a dobradinha por baixo dos panos com o senador Renan Calheiros.


Traição sem limite

Se teve um político que não merecia ter sido traído politicamente por um antigo aliado, foi o senador Biu de Lira. O comportamento do governador Téo Vilela com quem Biu lhe ajudou a governar Alagoas com centenas de milhões de recursos conseguidos em Brasília, foi uma das coisas mais sujas da política alagoana. 


Sabotagem

Mesmo sem citar nomes, o governador Téo Vilela disse que a não instalação até agora do estaleiro em Coruripe foi sabotagem. Ele criticou o IBAMA que demorou cinco anos para conceder a licença ambiental, ao contrário da Bahia que saiu em cinco meses e deixou em dúvidas se houve ou não interesse financeiro no projeto, cuja Operação Lava-Jato pode ainda estourar em Alagoas.De olhoMesmo que não tenha tido uma votação extraordinária em Maceió, o deputado eleito Cícero Almeida já olha com bons olhos uma candidatura em 2016 para prefeito da capital. Acha, avaliam alguns amigos, que tem muitas chances de retornar ao governo municipal.


As emendas

Os recém deputados federais eleitos arregalam os olhos com as emendas parlamentares. Insistem até nas emendas indicadas por deputados que terminam em janeiro o mandato. Um dos que tem sido assediado é o deputado João Lyra.


Lava-Jato

A Operação que descobriu o desvio de rios de dinheiro da Petrobras somente vai anunciar nomes de parlamentares envolvidos, que giram em torno de setenta, quando for resolvida a situação dos maiores empreiteiros do país. Caso fosse anunciado agora, eles acompanhariam os parlamentares e teriam foro privilegiado em Brasília. A estratégia do juiz Sérgio Moro tem apavorado muita gente.


Risco de acidentes

A orla da Pajuçara é uma festa. Mas setores da administração municipal devem reparar, com urgência, as várias bocas de lobo quebradas e que põe em risco a saúde de quem anda na região.  Nada como uma inspeção da secretaria de Infraestrutura.


Mar poluído

A prefeitura de Maceió deve avaliar com bom senso os eventos que ocorrem nas praias de Pajuçara, Ponta Verde e Jatiúca. No último final de semana mais de uma tonelada de lixo foi recolhida em frente do restaurante Lopana, onde se realizava um encontro náutico. O mar ficou, pelo menos durante a noite e parte da manhã, poluído com urina e fezes dos participantes. Uma agressão ao meio ambiente e às famílias que passavam por ali.


De estarrecer

Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, deixou o Brasil estarrecido quando disse na CPMI, que ´´o que ocorre na Petrobras ocorre no Brasil inteiro, nas obras de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos´´. Ou seja, uma rapinagem generalizada onde estão envolvidos executivos, empreiteiras e políticos.

Defesa Socia

lMesmo que Renan Filho tenha mergulhado em Brasília para tratar de assuntos sobre a violência, dois nomes são especulados para assumir a Defesa Social. O primeiro é o delegado federal Bergson Toledo, pessoa de inteira confiança do senador Renan e, o segundo, o delegado Flávio Saraiva.


Esportes

Euclydes Mello, fiel escudeiro do senador Fernando Collor, pode ir para a Secretaria de Esportes a ser criada no próximo ano. Conhecedor profundo da área, Euclydes daria uma grande contribuição ao esporte alagoano.

17ª Vara

Os deputados na Assembleia Legislativa parecem que não querem a legalização da 17ª da Capital, que tanto serviço tem prestado ao povo alagoano, combatendo o crime organizado. Esta semana os deputados Antônio Albuquerque, Olavo Calheiros e Isnaldo Bulhões pediram vistas do processo, o que provocou a retirada do projeto da pauta da sessão. As dificuldades que o parlamento tem colocado para votação do projeto são impressionantes. Como se os deputados tivessem algo a temer.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia